sábado, 24 de outubro de 2020

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Advogado preso na Operação Pasárgada aguardará julgamento de HC em liberdade

x

sábado, 19 de julho de 2008


Pasárgada

Advogado preso na Operação Pasárgada aguardará julgamento de HC em liberdade

O advogado Valzemir José Duarte preso pela Operação Pasárgada, da Polícia Federal, conseguiu liminar para aguardar em liberdade o julgamento de seu pedido de Habeas Corpus pelo STJ.

A liminar foi concedida pelo presidente do STF, ministro Gilmar Mendes, que ao analisar o pedido de HC 95218 (clique aqui) afastou a Súmula 691 por entender que o investigado sofre constrangimento ilegal. A súmula impede o STF de julgar pedido de habeas corpus impetrado contra decisão liminar de tribunal superior. O entendimento do enunciado pode ser afastado quando a situação for de flagrante constrangimento ilegal, como é o caso, segundo o presidente do STF.

Histórico

A prisão de Valzemir José Duarte foi decretada no dia 11 do mês passado pela desembargadora do TRF da 1ª região Selene Maria de Almeida. Ela afirmou que o investigado deveria ficar preso por já ter sido indiciado por formação de quadrilha, corrupção ativa, peculato, tráfico de influência e fraude à licitação.

Segundo o decreto de prisão, o advogado atuaria em desvios de recursos do Fundo de Participação dos Municípios junto a prefeituras. E continuaria "mantendo contato com prefeitos municipais, dando continuidade aos mesmos negócios ilíticos, aparentemente", disse a desembargadora.

A defesa, no entanto, sustenta que houve falta de fundamentação no decreto de prisão preventiva, que não atende aos requisitos exigidos pelo artigo 312 do CPP.

Em sua decisão, o ministro Gilmar Mendes concordou com a defesa e afirmou : "No presente caso, entendo, em princípio, que o decreto de prisão preventiva não foi devidamente fundamentado, não estando em consonância com os pressupostos da cautelar, análogos, ao menos em tese, aos previstos no art. 312 do CPP."

O ministro acrescentou que o decreto de prisão não indicou elementos concretos e individualizados aptos a demonstrar a necessidade da prisão cautelar e, por isso, concedeu a liminar para garantir que o acusado permaneça em liberdade até o julgamento definitivo de seu habeas corpus em curso no STJ.

________
______________

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 19/7/2008 14:26