quinta-feira, 26 de novembro de 2020

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

TJ/MG - Empresa aérea indeniza por atraso

A 10ª Câmara Cível do TJ/MG condenou a OceanAir Linhas Aéreas a indenizar um auxiliar de enfermagem, residente em Mateus Leme - região metropolitana de Belo Horizonte-, em R$ 6 mil por danos morais, mais R$ 816 por danos materiais. O motivo foi o atraso de um voo que impediu o rapaz de chegar ao seu local de trabalho no horário marcado.

terça-feira, 19 de maio de 2009


Nas alturas


Empresa aérea indeniza por atraso

A 10ª Câmara Cível do TJ/MG condenou a OceanAir Linhas Aéreas a indenizar um auxiliar de enfermagem, residente em Mateus Leme - região metropolitana de Belo Horizonte-, em R$ 6 mil por danos morais, mais R$ 816 por danos materiais. O motivo foi o atraso de um voo que impediu o rapaz de chegar ao seu local de trabalho no horário marcado.

O auxiliar de enfermagem comprou passagem em um voo saindo de Confins/MG no dia 26 de junho, às 19h15, com destino a Curitiba/PR. Ao chegar à capital paranaense ele pegaria um ônibus às 23h - o último daquele dia - para ir à cidade de Navegantes/SC, onde haveria outro avião esperando por ele às 7h30, para levá-lo a uma plataforma de petróleo em alto mar, na qual ele prestaria serviço.

De acordo com os autos, na hora do check in, o rapaz foi informado de que houve uma transferência de voo e que seu avião sairia às 20h10, fazendo escala em São Paulo. Houve um atraso e a decolagem só ocorreu às 23h, e o desembarque foi no aeroporto de Guarulhos. Com isso, o auxiliar de enfermagem teve de ser levado de ônibus para o aeroporto de Congonhas, o único que tinha decolagens naquele horário.

No balcão da empresa, ele disse que não chegaria a tempo em Curitiba e pediu que seu destino fosse trocado para Navegantes/SC. O pedido foi aceito, e informaram a ele que o voo seria pela TAM. Ao voltar ao balcão às 6 da manhã, foi informado de que a troca de passagem teria de ser cancelada, pois o valor da passagem era muito elevado e que a OceanAir não tinha como arcar com a diferença.

O auxiliar de enfermagem teve que pagar do próprio bolso a passagem de São Paulo para a cidade de Navegantes, no valor de R$ 816. Disse também que não recebeu da empresa nenhuma ajuda com hospedagem ou alimentação enquanto esperava no aeroporto.

Em sua defesa, a OceanAir alegou que deu aos passageiros a opção de solicitar reembolso ou remarcação de voo, mas o rapaz preferiu esperar acomodação em outra aeronave, aceitando assim as condições de desembarcar em São Paulo para depois ser levado a Curitiba. Disse ainda que os fatos ocorridos foram meros aborrecimentos.

A sentença de 1ª Instância condenou a empresa ao pagamento de indenização no valor de R$ 8 mil, além de ressarcir os R$ 816 gastos na passagem para Santa Catarina. A OceanAir, então, recorreu ao TJ, pleiteando a reforma da sentença ou a redução do quantum indenizatório, e teve o pedido parcialmente acatado.

Por consenso, os desembargadores Gutemberg Mota, Electra Benevides e Cabral da Silva consideraram que o valor de R$ 6 mil era satisfatório, pois compensava o sentimento ruim sofrido pelo rapaz e não se configurava como vantagem ilícita.

Em seu voto, o desembargador Cabral da Silva destacou ainda que "o dano moral é inquestionável, pois o atraso no voo ocasionou a perda do horário do embarque para a plataforma onde prestaria serviço", o que não pode ser considerado como mero inconveniente.

_________
_____________

Leia mais

  • 29/3/09 - TJ/DF - Empresa aérea é condenada por alterar data de viagem sem avisar passageiro - clique aqui.

  • 18/2/2008 - TRF da 4ª região - Empresas aéreas devem fornecer atestados de atraso de vôos - clique aqui.

  • 5/12/2007 - Ministério da Defesa cria indenização para passageiro de vôo com atraso e Anac aumentará tarifa para avião atrasado em Congonhas - clique aqui.
  • 24/8/2007 - Condenações Aéreas (parte III) - clique aqui.
  • 1/8/2007 - Condenações Aéreas (parte II) - clique aqui.

______________

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 19/5/2009 08:17