quarta-feira, 21 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Fraudes no Judiciário: pelo fim da corrupção generalizada

Auditoria do TCU concluiu que nos anos de 2008 e 2009, no Tribunal de Justiça do Distrito Federal, teriam ocorrido varias fraudes para favorecer juízes e funcionários. A auditoria foi aprovada pelos ministros do TCU em quase sua totalidade. No DF incontáveis fraudes vêm sendo divulgadas em relação ao Poder Executivo, ao Legislativo e ao Ministério Público. Agora chegou a vez do Judiciário, que é tido como uma "caixa preta" em virtude das precárias investigações internas deste poder.

quinta-feira, 29 de abril de 2010


Fraudes no Judiciário: pelo fim da corrupção generalizada

Luiz Flávio Gomes*

Auditoria do TCU concluiu que nos anos de 2008 e 2009, no TJ/DF, teriam ocorrido várias fraudes para favorecer juízes e funcionários. A auditoria foi aprovada pelos ministros do TCU em quase sua totalidade. No DF incontáveis fraudes vêm sendo divulgadas em relação ao Poder Executivo, ao Legislativo e ao Ministério Público. Agora chegou a vez do Judiciário, que é tido como uma "caixa preta" em virtude das precárias investigações internas deste poder.

Não há dúvida que a criação do CNJ mudou o cenário brasileiro de quase absoluta impunidade dos integrantes do Poder Judiciário. Centenas de juízes já foram investigados e punidos por este Conselho. Mas a fiscalização externa deste órgão é insuficiente para captar todos os desvios e fraudes, que beneficiam não só funcionários, senão também alguns juízes.

O trabalho de fiscalização, destarte, não pode ficar restringido ao Conselho Nacional. Também o Tribunal de Contas deve desempenhar um importante papel nesta área. O trabalho conjugado de todos os órgãos fiscalizadores é que pode revelar os meandros da vida funcional e financeira de todos os integrantes do serviço público.

Recorde-se que o dever de prestação de contas é inerente a todos os poderes. Ninguém está livre do que se chama "accountability" no sistema norte-americano. Os juízes e funcionários são pagos com o dinheiro público e é por isso que toda fiscalização sobre eles resulta inteiramente legítima. A auditoria do TCU será enviada para o CNJ para a apuração da responsabilidade dos juízes. Será também enviada à Corregedoria do Tribunal para o efeito de apurar e punir eventuais desvios constatados nos salários de muitos servidores.

Todo serviço público está hoje regido pela legalidade e pela moralidade. Moralidade significa respeito à ética, à honestidade e à probidade. Por mandamento constitucional é inconcebível, sobretudo dentro do Judiciário, a existência de corrupção ou de fraude. A fiscalização do TCU e do Conselho Nacional é que garante a transparência da vida funcional e financeira dos membros do Poder Judiciário.

O Estado republicano é inconciliável com a falta de transparência de qualquer poder público. Também é inadmissível a existência de privilégios, especialmente dentro do Poder Judiciário, sobretudo porque está encarregado de distribuir justiça. É chegado o momento, no Brasil, de dar um basta a este quadro contaminado de corrupção generalizada. Todo serviço público tem que ser norteado por códigos éticos mais rigorosos, que conduzam à prevenção do delito. Todo desvio já ocorrido tem que ser devidamente apurado com toda transparência.

____________________


*Diretor Presidente da Rede de Ensino Luiz Flávio Gomes







_______________

Atualizado em: 28/4/2010 10:57

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Murilo Melo Vale

Migalheiro desde 2010

Marcos Chaves Ladeira

Migalheiro desde 2003

Evandro A. S. Grili

Migalheiro desde 2013

Fábio Barbalho Leite

Migalheiro desde 2002

Douglas Fukuhara

Migalheiro desde 2020

Viviane Girardi

Migalheira desde 2019

Rivaldo Azevedo

Migalheiro desde 2019

Fabricio Posocco

Migalheiro desde 2018

Celso Grisi

Migalheiro desde 2019

Flavio Goldberg

Migalheiro desde 2020

Publicidade