terça-feira, 27 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Redução de jornada: redução de problemas?

A iminente votação da PEC 231/95 pela Câmara dos Deputados põe novamente o debate sobre a redução do limite semanal da jornada de trabalho sob os holofotes de Brasília.

quarta-feira, 23 de junho de 2010


Redução de jornada: redução de problemas?

Jefferson Cabral Elias*

A iminente votação da PEC 231/95 pela Câmara dos Deputados põe novamente o debate sobre a redução do limite semanal da jornada de trabalho sob os holofotes de Brasília.

A agitação não é sem motivo. Se aprovada, após todo o processo legislativo, a proposta que prevê a redução do limite semanal de quarenta e quatro para quarenta horas semanais, além da que estabelece a majoração do adicional de horas extras de 50% para 75%, trarão muitas mudanças na vida de toda a sociedade.

Inicialmente, o empresariado brasileiro terá de se adaptar à nova sistemática de trabalho, que, se ocorrer da forma pregada pelas entidades sindicais, proporcionará criação de 2,5 milhões de novos empregos.

Porém, é incerto o acréscimo de postos da forma como sustentada, por razões a escolher.

O mercado de trabalho brasileiro é intimamente vinculado ao processo produtivo, de modo que somente o aumento na demanda de produção - em termos abrangentes, da própria economia -, ensejará a criação de novos postos de trabalho.

Em outro aspecto, a insegurança jurídica e legislativa do país acaba por afugentar investimentos e, por conseguinte, o aumento de empregos. Também é verdade que o elevado custo fiscal e social do emprego no Brasil é um limitador ao crescimento do número de postos de trabalho.

Ademais, a redução do limite semanal da jornada de trabalho e o aumento do adicional de horas extras poderão causar uma corrida em sentido contrário ao esperado, na medida em que, em vez de fomentar a quantidade de empregos, poderá impulsionar o empresariado nacional a investir em processos de automação e novas técnicas de gestão de processos, o que implicaria em redução dos postos de trabalho já existentes.

Não fosse suficiente, a experiência recente na democracia do país mostra que a redução da jornada de trabalho consagrada na Constituição Federal de 1988 não refletiu aumento do número de empregos como alardeiam os entusiastas da PEC 231/95.

Deve-se levar em conta, ainda, que o aumento do custo necessário para a criação de novos turnos de trabalho ou com o aumento do valor pago a título de horas extras aos trabalhadores em atividade, resultará em inevitável aumento de preços ao consumidor final, que, mais uma vez, arcará com o custo dessa política social.

Não se discute que se deve dar o primeiro passo para a criação de uma sequência virtuosa no aumento do número de empregos e na melhoria da qualidade de vida dos brasileiros, porém, não se pode chancelar investida paternalista do Estado, às custas daqueles que impulsionam a economia do país, sem qualquer incentivo, especialmente na seara dos elevados encargos fiscais e sociais.

Assim, não parece a melhor medida inserir novo limitador à jornada semanal de trabalho na Constituição Federal - posicionamento defendido pela própria OIT, inclusive. A redução da jornada de trabalho e aumento do adicional de horas extras, se inevitáveis, devem ser objeto de prolongada e aberta negociação entre trabalhadores e empregadores.

_________________

*Advogado do escritório De Vivo, Whitaker, Castro e Gonçalves Advogados

 

 

 

 

_______________

Atualizado em: 22/6/2010 13:51

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Sérgio Roxo da Fonseca

Migalheiro desde 2004

Selma Ferreira Lemes

Migalheira desde 2005

Stanley Martins Frasão

Migalheiro desde 2002

Ricardo Penteado

Migalheiro desde 2008

René Ariel Dotti

Migalheiro desde 2006

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

Marília Lira de Farias

Migalheira desde 2020

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008

Marco Aurélio Mello

Migalheiro desde 2014

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005

Publicidade