sábado, 24 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Manutenção de ex-empregados e aposentados em planos de saúde

Carlos Eduardo Dantas Costa

Há, atualmente, nas diversas esferas do Poder Judiciário, ações discutindo a obrigatoriedade de as empresas (Ex-empregadoras) manterem vinculados aos seus planos de saúde empregados que tenham sido demitidos ou que tenham se aposentado.

segunda-feira, 12 de julho de 2010


Manutenção de ex-empregados e aposentados em planos de saúde

Carlos Eduardo Dantas Costa*

Há, atualmente, nas diversas esferas do Poder Judiciário, ações discutindo a obrigatoriedade de as empresas - Ex-empregadoras - manterem vinculados aos seus planos de saúde empregados que tenham sido demitidos ou que tenham se aposentado. O Poder Judiciário, muitas vezes por meio de decisões liminares, à míngua de quaisquer critérios e sob a justificativa do "Princípio da Dignidade da Pessoa Humana e Reconhecimento do Valor Social do Trabalho" (TST, RR-78/2008-014-05-00.5), tem assegurado o direito de ex-empregados e aposentados permanecerem por tempo indeterminado nos planos de saúde mantidos por seus ex-empregadores.

A repercussão negativa, para as empresas, fica por conta do aumento de seus índices de sinistralidade.

Deixando-se de lado, por ora, a discussão segundo a qual é dever do Estado prover a saúde de seus cidadãos (CF - clique aqui, art. 6º), passamos à análise desta matéria.

A lei 9.656/98 (clique aqui), nos artigos 30 e 31, estabelece objetivamente os critérios em que se dá a manutenção de ex-empregados e aposentados nos planos de saúde dos antigos Empregadores. Esses parâmetros, resumidamente, são:

Em que pese à existência de regras claras, objetivas e reconhecidamente autoaplicáveis (STJ - Resp 1.078.991 - clique aqui), o Consu - Conselho de Saúde Complementar editou, em 1999, duas Resoluções - nºs 20 e 21 - que versam sobre a matéria.

As Resoluções, além de dispensáveis, uma vez que a matéria já foi regulamentada e o respectivo dispositivo é, como dito, autoaplicável, trouxeram inovações que extrapolaram as garantias asseguradas na própria lei.

A Resolução nº 20/99 assegura aos ex-empregados - e, ainda, a seu critério - o direito à manutenção do plano por prazo indeterminado (lembre-se: a lei prevê o prazo máximo de 24 meses).

A Resolução 21/99, por sua vez, também assegura aos aposentados (a despeito do prazo mínimo de 10 anos de contribuição previsto na lei) o direito à manutenção no plano por prazo indeterminado.

As empresas prejudicadas por decisões que extrapolam ou dão à Lei interpretação diversa daquela esperada devem buscar as medidas judiciais cabíveis a fim de resguardar seus direitos, uma vez que, em última análise, sobre elas recairá a conta.

_________________

*Advogado da área trabalhista do escritório Peixoto E Cury Advogados










_____________

Atualizado em: 9/7/2010 11:31

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS

Rafael Guimarães

Migalheiro desde 2020

Daniel Ribeiro do Valle

Migalheiro desde 2014

Newton Silveira

Migalheiro desde 2008

Dirceu Galdino Cardin

Migalheiro desde 2005

Rodrigo Bertozzi

Migalheiro desde 2017

Erica Barbosa e Silva

Migalheira desde 2020

Bruno Machado Ferla

Migalheiro desde 2003

Wilson Sales Belchior

Migalheiro desde 2019

Publicidade