terça-feira, 1 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Como proteger nossas crianças da propaganda

Daniella de Almeida e Silva

A propaganda inofensiva à criança não deve ser proibida irrestritamente, sob pena de se violar o princípio constitucional da liberdade de expressão. O que deve haver são restrições sérias, as quais devem ser estudadas e analisadas, a fim de que se possa inibir a propaganda nociva à criança.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010


Como proteger nossas crianças da propaganda

Daniella de Almeida e Silva*

Atualmente, quatro projetos de lei tramitam na Câmara dos Deputados, visando a limitar a propaganda voltada ao público infantil. Os projetos em análise têm como escopo proibir a transmissão de anúncio publicitário para crianças no horário de 6h às 20h e aumentar a pena prevista para os casos de publicidade enganosa ou abusiva dirigida à criança. Além disso, a proposta é alterar o parágrafo 2º do artigo 37 do CDC (clique aqui), para estabelecer como abusiva a publicidade que possa induzir o menor e, por último, regulamentar os anúncios em horários em que as crianças e adolescentes normalmente estão à frente da televisão.

Este ano, nove campanhas voltadas para o público infantil foram alteradas ou retiradas do ar, após recomendação do Conselho. Contudo, o que o nosso ordenamento jurídico atual necessita é de uma lei que trate especificamente da propaganda destinada ao público infanto-juvenil, pois as crianças passam mais de cinco horas diariamente vendo TV. O que se deve coibir é a propaganda que faça uso de conteúdo e linguajar inadequados para o público infantil, bem como anúncios com apelo publicitário imperativo. É necessário proteger a criança contra formas levianas de propaganda.

A propaganda inofensiva à criança não deve ser proibida irrestritamente, sob pena de se violar o princípio constitucional da liberdade de expressão. O que deve haver são restrições sérias, as quais devem ser estudadas e analisadas, a fim de que se possa inibir a propaganda nociva à criança. Atualmente, a publicidade no Brasil dirigida à criança e ao adolescente não tem uma lei específica - é uma atividade autorregulamentada, uma vez que a ONG Conar (Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária) se encarregou de fazer valer o Código Brasileiro de Autorregulamentação Publicitária.

O Estatuto da Criança e do Adolescente disciplina sobre a publicidade infantil apenas para determinados produtos do mercado, proibindo, por exemplo, a publicação de anúncios de bebida alcoólica, cigarros, armas e munições em revistas infantis. Nos outros países, a publicidade infantil é regulada de maneira mais restrita. Na Noruega e na Suécia, qualquer publicidade infantil é proibida. Em Portugal, o Código de Publicidade Português veda algumas condutas, como incitar o filho a persuadir seus pais para comprar um produto. Já na Dinamarca, também predomina a autorregulamentação.

A regulação do horário de transmissão da propaganda, por exemplo, é uma solução para os pais que trabalham, enquanto os filhos ficam em casa com acesso livre à televisão. Se a proposta for aprovada, os pais poderão controlar o que os filhos assistem com uma segurança maior.

_________________

*Advogada do escritório Mesquita Pereira, Marcelino, Almeida, Esteves Advogados

 

 

 

 

 

_________________

Atualizado em: 1/12/2010 11:15

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Scilio Faver

Migalheiro desde 2020

Ricardo Penteado

Migalheiro desde 2008

Allan de Oliveira Kuwer

Migalheiro desde 2020

Ricardo Alves de Lima

Migalheiro desde 2020

Guershom David

Migalheiro desde 2020

Antonio Pessoa Cardoso

Migalheiro desde 2004

Márcio Aguiar

Migalheiro desde 2020

Quésia Falcão de Dutra

Migalheira desde 2019

Carlos Barbosa

Migalheiro desde 2019

Edvaldo Barreto Jr.

Migalheiro desde 2020

Gilberto Bercovici

Migalheiro desde 2007

Publicidade