segunda-feira, 18 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Deus não nos deixa órfãos

Marcelo Barros

Cada ser do universo, assim como cada evento da história, mesmo os mais simples acontecimentos cotidianos são grávidos de uma presença invisível e luminosa. O amor divino os impregna.

sexta-feira, 20 de maio de 2005

Deus não nos deixa órfãos


Marcelo Barros*

Cada ser do universo, assim como cada evento da história, mesmo os mais simples acontecimentos cotidianos são grávidos de uma presença invisível e luminosa. O amor divino os impregna. Muita gente valoriza os elementos da natureza e os fatos da história sem, contudo, vislumbrar neles esta densidade espiritual. Assim como as ondas, que transmitem o rádio e a televisão, precisam de antenas para ser captadas, a energia do amor divino se comunica através de pessoas que são como expressões fortes - a tradição cristã chama de "sacramento" - desta graça. Há pessoas especiais de tal forma portadoras de uma luz que penetram no nosso espírito e desenham no ar mapas que orientam nossas vidas atordoadas. É essencial abrirmos o coração para acolher todo ser humano, mas especialmente, reconhecer aqueles que, como diz o Evangelho: "vem em nome do Senhor".

Esta missão não priva o enviado divino da fragilidade própria a todo ser humano. Mesmo para quem se dedica a prestar atenção às pessoas especialmente iluminadas, às vezes, a vida é tão dura e a história caminha por entreveros tão inexplicáveis, que se pode ter a sensação de que Deus está ausente, o Espírito Santo cochila e nós ficamos na orfandade. Na Bíblia, salmos e lamentos do povo se resumem no grito: "Por que te escondes no tempo da angústia? (Salmo 10, 1)". "Por que ocultas o teu rosto e te esqueces de nós? (Cf. Sl 44, 24; 88, 14). A parábola do justo Jó discute exatamente esta sensação de que Deus nos deixa órfãos. Na América, a experiência do seqüestro e escravidão de populações inteiras da África assim como a perseguição e extermínio de povos indígenas foram motivos justos de protesto contra a impressão de que Deus não cumpre suas promessas e não salva os seus filhos quando estes o invocam. Diante da dor nenhuma explicação consola, assim como frente à injustiça e a venalidade, inerentes ao poder auto-referente, só a indignação ética consegue recordar aonde ainda se esconde o amor. Por isso, quando o Espírito Santo elege seus ungidos e nos presenteiam com mensageiros da sua ternura, só podemos nos alegrar e festejar.

Nestes dias, somos convidados a participar de uma entronização que é símbolo deste fato de que Deus não nos deixa órfãos. Nesta 2ª feira, 2 de maio, uma das mais famosas mães de santo do Candomblé brasileiro está completando 80 anos e recebe o título de Doutor Honoris-Causa da Universidade Federal da Bahia. Maria Stella de Azevedo Santos, Mãe Stella de Oxossi, cujo nome sagrado na sua tradição é Ode Kayode, responde como Ialorixá do Illê Axé Opô Afonjá, aldeia religiosa de tradição Ioruba em Salvador- BA. O Opô Afonjá sedia uma das mais tradicionais e importantes comunidades da religião dos Orixás no Brasil. Por quase 30 anos, Mãe Stella dirige a comunidade e tem sido mestra espiritual de gerações inteiras de pessoas das mais diversas tradições espirituais.

Quem conhece Mãe Stella sabe como é uma pessoa discreta e profunda. Sua formação humana foi no campo da enfermagem. Até aposentar-se, trabalhou na Secretaria de Saúde Pública do Estado da Bahia. E por toda a vida, foi aprendendo a unir uma profunda educação espiritual a esta profissão tão simbólica que é cuidar da saúde e atender as pessoas que a procuram, carregando na alma ou no corpo, as marcas da fragilidade humana. Sua comunidade pode lhe agradecer a sabedoria de preservar a tradição religiosa e, ao mesmo tempo, ser capaz de adequá-la às necessidades do tempo em que vivemos. Quando ela completou 60 anos de iniciação no Candomblé, o mestre Agenor Miranda escreveu: "Stella sabe que tudo muda. Por isso, a religião tem de mudar. Precisa modernizar-se para não envelhecer"2.

Para a sociedade mais ampla, Mãe Stella empreendeu importantes iniciativas culturais e sociais, como a fundação da Escola Anna dos Santos que atende a população do bairro e é das raras escolas brasileiras que forma os alunos a partir dos valores culturais da tradição afro-descendente. Também organizou um museu da tradição nagô no próprio terreno da comunidade. Hoje, todo o conjunto do Axé foi reconhecido pelo Ministério da Cultura como patrimônio cultural do Brasil.

Para quem é cristão ou pertence a outra tradição espiritual estranha à religião dos Orixás, esta homenagem à Mãe Stella, na altura dos seus 80 anos e no reconhecimento de sua sabedoria, é uma palavra amorosa de Deus. Como as Igrejas ganhariam em aprender a valorizar este modo feminino de ser instrumento da ação divina no mundo. Assim como Jesus acolheu e valorizou pessoas de tradições espirituais diferentes, como a mulher samaritana, a sírio-fenícia e mesmo o oficial romano, discípulos/as de Jesus são chamados/as a acolher a inspiração divina através desta sacerdotisa negra que manifesta para nós o rosto de Deus que nos busca como um caçador e provê nossa vida. Com a população afro-descendente, esta providência divina se mostrou através da religião ancestral que soube congregar seus filhos dispersos, preservar a cultura própria que lhes garante identidade e confirmar que são todos divinos e pessoas nobres. Mesmo quando a injustiça social e a discriminação racial atentam contra sua dignidade humana.

Infelizmente, as Igrejas cristãs, convictas de serem possuidoras da verdade única, não perceberam isso. Muitas vezes, de forma absolutamente injusta e antievangélica, ministros de Deus condenaram e perseguiram estas manifestações espirituais. É preciso que, ao pedido de perdão de líderes como o papa João Paulo II, acrescentem-se e atualizem-se a necessária valorização destas tradições religiosas autônomas e a alegria porque o Espírito Divino se revela na vitalidade espiritual de profetizas como Mãe Stella de Oxossi. Parabéns, Ode Kayodé!
____________

1
CF. AGENOR MIRANDA, Mãe Stella, 60 anos de iniciação, obra coletiva organizada por CLÉO MARTINS e RAUL LODY, Ed Pallas, São Paulo, 1999, p. 11.
____________

* Monge beneditino e autor de 27 livros






____________

Atualizado em: 19/5/2005 10:06

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

Publicidade