terça-feira, 19 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Enchentes - vale a pena enfrentar o poder público?

Todo o ano é a mesma coisa: móveis ficam boiando e pessoas ficam expostas a doenças. Neste ano parece que a coisa piorou, já que lugares que não alagavam há anos tiveram enchentes. A natureza vem, há tempos, dando alertas de que a conduta que estamos adotando com o meio ambiente não é a correta.

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Enchentes - vale a pena enfrentar o poder público?

Arthur Rollo*

Todo o ano é a mesma coisa: móveis ficam boiando e pessoas ficam expostas a doenças. Neste ano parece que a coisa piorou, já que lugares que não alagavam há anos tiveram enchentes.

Não há dúvida de que parte das enchentes pode ser creditada às mudanças climáticas. Fosse diferente e a Austrália, país de primeiro mundo, não estaria experimentando os mesmos problemas vividos pelos brasileiros. A natureza vem, há tempos, dando alertas de que a conduta que estamos adotando com o meio ambiente não é a correta. As inúmeras agressões que praticamos contra o meio ambiente têm tudo a ver com os problemas que estamos vivenciando.

Existe também a parcela de culpa do poder público e da população. O solo das grandes cidades, especialmente de São Paulo, está todo impermeabilizado. Isso faz com que as águas tenham que escorrer pelas bocas de lobo até os rios. Em muitos locais, o escoamento das águas é obstruído pelo lixo que a população joga nas ruas e que as prefeituras não recolhem de forma eficiente.

O poder público permite que pessoas se amontoem nas encostas de morros e nas margens de rios e córregos, despejando lixo e esgoto, o que contribui para os deslizamentos e para o assoreamento que provoca enchentes. Basta ver o trabalho de aprofundamento da calha do rio Tietê para perceber que tudo vai parar no leito do rio. Vemos sofás, pneus, garrafas e sacolas plásticas.

O problema das enchentes é complexo. Depende de uma maior consciência ambiental da população e do poder público, tanto recolhendo o lixo de forma correta e separando o material reciclável, quanto instalando calçadas ecológicas, aumentando a superfície permeável do solo e preservando o meio ambiente em geral.

Sem dúvida, a maior parcela de culpa pelas enchentes é do poder público, que permite a ocupação irregular de áreas de mananciais, margens de rios e córregos e encostas de morros. A responsabilidade é tanto dos Municípios quanto dos Estados. A pergunta que se coloca é a seguinte: vale a pena processar esses entes públicos buscando o ressarcimento?

Individualmente dizemos que não, porque as ações demoram muito, especialmente contra o poder público que deve ser demandado em varas especializadas, da Fazenda Pública, conta com prazos dobrados e quadruplicados e, quando for condenado, paga através de precatório, um documento da Justiça que determina que o pagamento seja programado para o futuro. Na prática, sabe-se que os precatórios demoram muito tempo para ser pagos, sem falar que o poder público orienta seus procuradores a manejarem todos os recursos possíveis e imagináveis.

Tudo isso faz com que quem propõe uma ação contra um Município ou contra um Estado tenha que desembolsar dinheiro para pagar advogado e aguardar por anos para receber a indenização, se houver êxito. Dizemos isto porque existe firme corrente judiciária no sentido de que o poder público não consegue dar conta de todas as suas obrigações constitucionais e que isso, por si só, não gera o dever de indenizar.

A responsabilidade do poder público, principalmente dos municípios, é evidente, porque muito pouco tem sido feito ao longo dos anos para combater as enchentes. Talvez se o dinheiro utilizado pelo poder público com os enfeites de Natal tivesse sido empregado na prevenção das enchentes a situação hoje fosse melhor.

Qualquer um que tenha prejuízos decorrentes das enchentes, com destruição de casa, móveis, automóveis, etc., tem direito de buscar indenização no Judiciário, porquanto a responsabilidade dos Estados e dos Municípios é inescusável. O caminho a percorrer é longo e difícil. Justamente por isso, é melhor criar uma associação de vítimas que pode propor uma ação coletiva para resolver o problema de todos. Através de associações, minimizam-se os custos e as agruras de demandas judiciais que demoram anos.

________________

*Advogado especialista em Direito do Consumidor e professor titular da Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo

________________

Atualizado em: 20/1/2011 14:37

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Carla Louzada Marques

Carla Louzada Marques

Migalheira desde 2020
Renato da Fonseca Janon

Renato da Fonseca Janon

Migalheiro desde 2017
Jones Figueirêdo Alves

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011
Maria Berenice Dias

Maria Berenice Dias

Migalheira desde 2002
Cleanto Farina Weidlich

Cleanto Farina Weidlich

Migalheiro desde 2007
Carla Domenico

Carla Domenico

Migalheira desde 2011
Ricardo Trajano Valente

Ricardo Trajano Valente

Migalheiro desde 2020
Sóstenes Marchezine

Sóstenes Marchezine

Migalheiro desde 2021
Gustavo Abdalla

Gustavo Abdalla

Migalheiro desde 2019
Scilio Faver

Scilio Faver

Migalheiro desde 2020
Roberto Rosas

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015

Publicidade