sábado, 31 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Comentários à Lei nº 11.114, de 16 de maio de 2005

Francisco de Salles Almeida Mafra Filho

A Lei nº 9.394, de 1996 estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. A Lei nº 11.114, de 16 de maio de 2005, publicada no Diário Oficial da União da data posterior, ou seja, 17/05/05, altera os artigos 6º, 30, 32 e 87 da Lei nº 9.394, de 20/12/1996, com fins de tornar obrigatório o início do ensino fundamental aos seis anos de idade.

segunda-feira, 30 de maio de 2005

Comentários à Lei nº 11.114, de 16 de maio de 2005


Francisco de Salles Almeida Mafra Filho*

Introdução

A Lei nº 9.394, de 1996 estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.

A Lei nº 11.114, de 16 de maio de 2005, publicada no Diário Oficial da União da data posterior, ou seja, 17/5/05, altera os artigos 6º, 30, 32 e 87 da Lei nº 9.394, de 20/12/1996, com fins de tornar obrigatório o início do ensino fundamental aos seis anos de idade.

Após a aprovação pelo Congresso Nacional do Projeto de Lei nº 236, de 2001 (no 6.387/02 na Câmara dos Deputados), o Presidente da República, no exercício de sua função de participar como quem, além de propor projetos de lei, fiscaliza a sua constitucionalidade e a sua concordância com o interesse público, sanciona processos legislativos concluídos no Poder Legislativo, promulga a seguinte lei.

O artigo 1º determina que os artigos 6º, 30, 32 e 87 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, passam a vigorar com nova redação.

Art. 6º

A redação anterior dizia que era dever dos pais ou responsáveis matricular os menores, a partir dos sete anos de idade, no ensino fundamental.

Pela nova redação legal, é dever dos pais ou responsáveis efetuar a matrícula dos menores, a partir dos seis anos de idade, no ensino fundamental.

Observação

Quando a lei fala que é dever dos pais, ela os torna obrigados a fazê-lo. Ao fazer com que os alunos, não mais de sete, mas de sei anos de idade ingressem no ensino fundamental, a norma legal cria uma nova realidade jurídica, uma nova obrigação para os pais que anseia por resultados positivos para as crianças, seus pais, governo e toda a sociedade em geral. Isto porque, quanto mais cedo e por quanto mais tempo, as crianças forem educadas por profissionais da área, imagina-se, tantos melhores serão os resultados, tanto mais educadas serão as crianças.

Não deve ser esquecido o fato de que, atualmente, em face da longa exposição a informações a que as crianças são submetidas, mais cedo se tornam as mesmas aptas para os processos de formação educacional, mais cedo são alfabetizadas e etc.

Art. 30

Na mensagem de veto à modificação proposta ao inciso II do art. 30 da lei, menciona-se a manifestação da Advocacia-Geral da União pelo veto ao dispositivo que determinava a modificação da idade limite para as pré-escolas de seis para cinco anos de idade. Ou seja, a pré-escola passaria a compreender crianças de quatro a cinco anos de idade, e não mais de quatro a seis anos de idade como o teto em vigor.

O problema e a questão deste veto são postos em virtude de sua inconstitucionalidade. Isto porque, como está escrito na mensagem de veto ao dispositivo:

"Estitui o art. 208, I e IV, da Constituição que o dever do Estado com a educação será efetivado mediante a garantia de ensino fundamental obrigatório e gratuito, assegurada, inclusive, sua oferta gratuita para todos os que a ele não tiverem acesso na idade própria, e atendimento em creche e pré-escola às crianças de zero a seis anos de idade. Aliás, a previsão constitucional de atendimento em creche e pré-escola está textualmente reproduzida no art. 4o, IV, da Lei no 9.394, de 1996, sem que o projeto tenha cogitado de sua alteração. Como se pode observar, a alteração encontra óbice na Carta Magna, uma vez que não observa a idade nela estabelecida."

Art. 32

Fazendo-se uma leitura comparativa do artigo 32, é possível se observar que foi incluída no texto a expressão "a partir dos seis anos" após a referência ao ensino fundamental de oito anos que tem o objetivo de dar formação básica ao cidadão.

Fica expresso que o ensino fundamental nas escolas públicas será obrigatório e gratuito a partir dos seis anos de idade, com duração mínima de oito anos.

Observação

Mínima porque o aluno pode repetir anos de estudo, não se prevendo, assim, uma duração máxima.

Art. 87

O art. 87 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional instituiu a "Década da Educação", a partir da sua publicação até o ano de 2006.

Medidas como o encaminhamento ao Congresso Nacional de um "Plano Nacional de Educação", de acordo com a "Declaração Mundial sobre Educação para Todos", recenseamento dos educandos no ensino fundamental deveriam ser tomadas, a partir de então.

Cada Município e, supletivamente, o Estado e a União deverá matricular todos os educandos, a partir dos seis anos de idade, no ensino fundamental. Em alíneas à esta determinação legal, deve alcançar também a plena observância das condições de oferta fixadas por esta Lei, no caso de todas as redes escolares; a taxa líquida de escolarização de pelo menos 95% (noventa e cinco por cento) da faixa etária de sete a catorze anos, no caso das redes escolares públicas; e a não redução média de recursos por aluno do ensino fundamental na respectiva rede pública, resultante da incorporação dos alunos de seis anos de idade.

Entrada em vigor

As modificações à Lei de Diretrizes e Bases entraram em vigor no dia 17 de maio de 2005, entretanto sua eficácia se iniciará no próximo ano letivo, ou seja, o ano letivo de 2006.

Conclusão

O que se vislumbra na modificação analisada é a tentativa de concretização das metas estabelecidas em razão da "Década da Educação", prevista no artigo 87 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional.
____________

____________





*Advogado e Doutor em Direito Administrativo pela UFMG e professor universitário










____________

Atualizado em: 25/5/2005 14:06

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Paulo Henrique Cremoneze

Migalheiro desde 2019

André Lucenti Estevam

Migalheiro desde 2020

Flávia Pereira Ribeiro

Migalheira desde 2019

Valmir Pontes Filho

Migalheiro desde 2004

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015

Anna Carolina Venturini

Migalheira desde 2014

Sérgio Roxo da Fonseca

Migalheiro desde 2004

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003

Publicidade