terça-feira, 24 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Burocracia para autorização de trabalho a estrangeiro

Norton Augusto da Silva Leite

Nos últimos anos, o Brasil tem recebido grande carga de investimentos estrangeiros que estão contribuindo para um maior crescimento do país. Ocorre que, uma questão que "empata", em muito, que o Brasil seja catapultado ao patamar de potência respeitada mundialmente é a "Burocracia Institucionalizada".

quinta-feira, 17 de março de 2011

Burocracia para autorização de trabalho a estrangeiro

Norton Augusto da Silva Leite*

O Brasil nunca esteve tão em voga internacionalmente, seja pela estabilidade da economia, seja pela realização da Copa do Mundo em 2014 e/ou pela realização das Olimpíadas em 2016.

Consequentemente, nos últimos anos, o Brasil tem recebido grande carga de investimentos estrangeiros que estão contribuindo para um maior crescimento do país. Ocorre que, uma questão que "empata", em muito, que o Brasil seja catapultado ao patamar de potência respeitada mundialmente é a "Burocracia Institucionalizada".

A burocracia está presente em tudo e, infelizmente, acaba por atrapalhar o desenvolvimento do país, seja pela exigência de excessivo rol de documentos, seja pela demora na tramitação dos processos administrativos.

Neste artigo, focaremos, de forma breve e objetiva, as questões que os investidores estrangeiros ou executivos passam na hora da obtenção do visto para ingresso no país.

É de se ressaltar que todo estrangeiro que queira entrar no país, salvo na condição de turista ou estudante, e que pretenda exercer alguma atividade, deve requerer autorização de trabalho ao MTE. Tal procedimento é complexo e, para que se tenha êxito, demanda a análise detalhada da situação concreta das atividades a serem exercidas no Brasil, para enquadramento na correta modalidade de requerimento de autorização de trabalho e respectivo visto, análise do período necessário ao desenvolvimento dos negócios no país, uma vez que há vistos temporários e permanentes, entre a análise de outras pormenoridades.

Uma empresa estabelecida no Brasil que queira contar com o know how de um estrangeiro, seja como administrador, gerente, diretor ou executivo com poderes de gestão de sociedade, deverá, com o fim de propiciar a vinda do mesmo ao Brasil, investir por cada estrangeiro designado, expressiva soma de dólares, ou, investir um importe menor, porém, não menos expressivo, e gerar dez novos empregos, por cada estrangeiro designado, nos dois anos posteriores à chegada do mesmo ao país.

Mas não é só, além dos investimentos, o rol de documentos exigidos pelo MTE é extenso e merece análise meticulosa, pois a falta de um documento implica no indeferimento do pedido e respectivo arquivamento, o que significa, além do prejuízo, financeiro e/ou operacional, o não atingimento do objetivo - a autorização de trabalho e respectivo visto.

Já um investidor estrangeiro, pessoa física, que tenha interesse em fixar-se no Brasil com a finalidade de investir recursos próprios de origem externa, para que obtenha a autorização do MTE e o visto (permanente), deverá investir, no mínimo, cento e cinquenta mil reais em atividades produtivas, bem como apresentar um plano que demonstre o interesse social do empreendimento caracterizado pela geração de empregos e renda no país, pelo aumento de produtividade, pela assimilação de tecnologia e pela captação de recursos para setores específicos. Neste caso, a documentação exigida também é extensa e a falta documentos pode invalidar todo o procedimento administrativo.

Além da exigência de extenso rol de documentos, que se produzidos fora do país deverão ser legalizados e traduzidos por tradutor juramentado, a empresa brasileira que pretenda trazer um profissional ao país, o estrangeiro, bem como o investidor estrangeiro, contam também com a demora na apreciação dos processos, pelos órgãos brasileiros, tais como o MTE e Ministério das Relações Exteriores (MRE).

Nos casos em que a documentação protocolada junto ao MTE esteja completa, em regra, a autorização de trabalho e respectivo visto deveria demorar de 30 a 90 dias, no entanto, na prática o que ocorre é a demora de 4 a 9 meses!

Infelizmente, os dias da "Burocracia Institucionalizada" não estão longe de acabar, porém, existem formas de fazer com que, a exigência minimalista de documentos e a demora nos procedimentos internos dos órgãos públicos não venham a atrapalhar os planos da empresa para aquele executivo estrangeiro que, com seu know how, fará com que a mesma atinja objetivos maiores que os obtidos até então, ou então, que venham a atrapalhar os planos daquele empreendedor que pretenda se instalar no Brasil e expandir seus negócios.

Para tanto, é de suma importância que a empresa ou o investidor estrangeiro planejem com o máximo de antecedência a vinda do executivo ao país e/ou a época em que deseja que sejam realizados os investimentos no Brasil, bem como contratem empresa especializada de assessoria nos procedimentos junto ao MTE e MRE.

__________________

*Advogado e sócio do escritório Piazzeta e Boeira Advocacia Empresarial

__________________

Atualizado em: 15/3/2011 08:57

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Jeniffer Gomes da Silva

Migalheira desde 2020

Scilio Faver

Migalheiro desde 2020

Pablo Domingues

Migalheiro desde 2017

Gilberto Bercovici

Migalheiro desde 2007

Márcio Aguiar

Migalheiro desde 2020

Maria Berenice Dias

Migalheira desde 2002

Cleanto Farina Weidlich

Migalheiro desde 2007

Ricardo Alves de Lima

Migalheiro desde 2020

Láiza Ribeiro

Migalheira desde 2020

Publicidade