segunda-feira, 23 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A chacina do Rio de Janeiro

O massacre dos estudantes de uma escola no Realengo, Rio de Janeiro, na manhã de 7 de abril de 2011, assume o feitio de uma catástrofe nacional e coloca todo o país em estado de choque. As autoridades locais, governador e prefeito, balbuciam palavras meio desconexas, atordoados pela brutalidade da ocorrência, com ampla e imediata repercussão no exterior.

terça-feira, 12 de abril de 2011

A chacina do Rio de Janeiro

Gilberto de Mello Kujawski*

O massacre dos estudantes de uma escola no Realengo, Rio de Janeiro, na manhã de 7 de abril de 2011, assume o feitio de uma catástrofe nacional e coloca todo o país em estado de choque.

As autoridades locais, governador e prefeito, balbuciam palavras meio desconexas, atordoados pela brutalidade da ocorrência, com ampla e imediata repercussão no exterior. Só a Secretária da Segurança, Marta Rocha, manteve a cabeça fria e o discurso coerente. A Presidente Dilma ficou arrasada, à beira do pranto quando chamou as pequenas vítimas de aqueles "brasileirinhos".

A consternação foi geral e a perplexidade congelou a mente das pessoas, que não podiam entender o que se passava. No calor dos acontecimentos as lições a tirar dessa explosão de violência contra tantas pobres crianças, são poucas e de estremecer. Acabou nossa paz coletiva, entramos em estado de convulsão emocional tomando conta de toda a sociedade e do próprio governo. Eis aqui o resumo das lições a serem lembradas no futuro:

Primeiro - O episódio da escola do Realengo pode repetir-se a qualquer momento em outros grandes centros do país, em função do contágio social nas pessoas predispostas ao mesmo tipo de desatino. E não há como prevenir eficazmente a repetição da ocorrência. A cruzada contra a venda de armas não passa de mero paliativo, assim como a vigilância policial redobrada em cada escola, muito difícil na prática.

Segundo - No Brasil esta espécie de atentado era inédita, mas no Primeiro Mundo, sobretudo nos Estados Unidos e no norte da Europa é cada vez mais frequente a invasão de escolas por estudantes ou ex-estudantes, armados até os dentes e dispostos a matar indiscriminadamente até morrer.

Terceiro - Existem alguns traços comuns na concepção e na prática desses atentados de execução em massa: são crimes de jovens contra jovens, perpetrados em locais cheios de crianças e adolescentes, as escolas ou universidades. No Realengo foi assim.

Quarto - O detalhe mais frequente e intrigante, tanto que pode significar não apenas um detalhe, mas o nó da questão, está no desfecho deste tipo de chacina, com o suicídio espetacular do ou dos agentes, disparando a arma contra a própria cabeça. Depois de matar dezenas de vítimas, cercados pela polícia e sem saída, aprisionados numa situação que eles mesmos provocaram, põem fim à vida, como se estivessem perecendo em morte heróica. Pode ser um último relance do delírio, pode ser mera chantagem emocional, mas querem passar, na derradeira cena da tragédia, de vilões a vítimas ou heróis.

Quinto - Esta circunstância do SUICÍDIO, erigido em ato final da tragédia desencadeada pelos mesmos protagonistas com sua violência cega, levanta a hipótese de que o extermínio em massa de tantos colegiais nada mais seria que o ponto culminante de um ritual de AUTOEXTERMÍNIO, de uma façanha espetaculosa de autodestruição dos agentes do massacre, devidamente aberta à publicidade e à mais ampla visualização na mídia, tudo na pauta de uma perspectiva narcisista e teatral. Ao atirar nas crianças e nos jovens indefesos, o assassino sente que está atirando nele mesmo.

Os protagonistas da tragédia armam o cenário e atuam num enredo de extermínio impiedoso, com a finalidade de criarem o teatro mais adequado ao ato final, ao último gesto na despedida da vida, que é seu próprio extermínio, neste nosso mundo dominado pela publicidade, no qual todos podem ter seus 15 minutos de glória.

Sexto - Esta suspeita de que a causa final de tantas atrocidades, repetidas em diversos países, é o suicídio espetacular do agente, foi percebida também por Contardo Calligaris, com sua cara meio de bruxo.

No entanto, a conclusão final, que ainda não foi denunciada, é que a juventude voltou-se contra ela mesma, consumida num processo trágico de autofagia. Os jovens, no fundo, perderam o sentido da concórdia, da disposição de conviverem em paz e harmonia uns com outros. Estão fragmentados em tribos isoladas e inimigas, presos em seus preconceitos de todo tipo, políticos, sociais, raciais, sexuais, estéticos, religiosos, filosóficos, alimentares, multiplicando seus signos tribais, as tatuagens cada vez mais ostensivas e aberrantes. Este isolamento do jovem, encarcerado em sua tribo, aprisionado na estreiteza de sua individualidade, é o responsável pela disposição ao extermínio em massa de outros jovens, vistos como inimigos irreconciliáveis só dignos de ódio, a serem sacrificados em banhos de sangue. Esta é a verdadeira tragédia de nosso tempo.

___________________




*Ex-promotor de Justiça. Escritor e jornalista

 



 

 

______________

Atualizado em: 11/4/2011 16:23

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Márcio Aguiar

Migalheiro desde 2020

Quésia Falcão de Dutra

Migalheira desde 2019

Letícia Baddauy

Migalheira desde 2020

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019

Guilherme Alberge Reis

Migalheiro desde 2020

Renato de Mello Almada

Migalheiro desde 2008

Douglas Lima Goulart

Migalheiro desde 2020

Giselle Farinhas

Migalheira desde 2017

Paulo Henrique Cremoneze

Migalheiro desde 2019

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005

Publicidade