sexta-feira, 4 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Fatos marcantes no STF

O Supremo Tribunal Federal recebeu várias denominações: Casa da Suplicação do Brasil, no período 10/5/1808 a 8/1/1829; Supremo Tribunal de Justiça, 9/1/1829 a 27/2/1891; Supremo Tribunal Federal, 28/2/1891, com interrupção nos anos 1934/1937, chamado de Corte Suprema.

segunda-feira, 25 de julho de 2005

Fatos marcantes no STF


Antonio Pessoa Cardoso*

O Supremo Tribunal Federal recebeu várias denominações: Casa da Suplicação do Brasil, no período 10/5/1808 a 8/1/1829; Supremo Tribunal de Justiça, 9/1/1829 a 27/2/1891; Supremo Tribunal Federal, 28/2/1891, com interrupção nos anos 1934/1937, chamado de Corte Suprema.

O número de ministros do STF passou por muitas alterações: sob a Constituição de 1891, 15 ministros; Dec. nº. 19.656/1931, governo revolucionário de Getúlio Vargas, 11 Juízes; Constituição de 1934, Carta outorgada em 1937, e Constituição de 1946, 11 ministros; Ato Institucional nº. 02/1965 e Carta de 1967, 16 Juízes; Ato Institucional nº. 06/1969, Carta de 1969 e Constituição de 1988, 11 Juízes.

O Supremo Tribunal de Justiça iniciou suas atividades no Rio de Janeiro em 1829 e lá permaneceu até 1891; seu primeiro presidente foi o ministro José Albano Fragoso, que juntamente com Albino Barbosa de Oliveira, tornaram-se os dois portugueses a presidirem a mais alta Corte do Brasil.

O STF foi instalado em 28/2/1891, na cidade do Rio de Janeiro, onde ficou até 20/4/1960, mudado para Brasília no dia 21/4/1960. O Presidente da República, Floriano Peixoto, escolheu dez "conselheiros" entre os dezessete que formavam o Supremo Tribunal de Justiça; na escolha, contam-se setuagenários, sexagenários e apenas quatro juizes com idade inferior a 60 anos.

O primeiro presidente da instituição foi João Antonio de Araújo Freitas Henriques, nascido em Salvador, Bahia, eleito na sessão de instalação da Corte, sob protestos e aborrecimentos do ministro João Evangelista de Negreiros Sayão Lobato, o Visconde de Sabará, que presidiu o ato e reclamava o cargo, porque presidente do Supremo Tribunal de Justiça e o mais velho de todos os ministros, 73 anos. Além de Freitas Henriques saíram da Bahia três presidentes do Supremo Tribunal Federal: Carolino de Leoni Ramos, em 1913, Eduardo Espínola, mestre em direito civil, em 1940, e Aliomar Baleeiro, em 1971. Adalício Nogueira, eleito Presidente em fevereiro de 1969, alegou motivos particulares para não assumir a Chefia da Corte, no biênio 1969/1970.

Nunes Leal, afastado pelo golpe militar de 1964, foi o primeiro ministro nomeado após a mudança para a nova capital federal. A ministra Ellen Gracie Northfleet é a única mulher no STF, nomeada em novembro de 2000.

O ministro Celso de Mello, 1997/1999, foi o presidente mais jovem da Casa, com 51 anos e seis meses, seguindo-se-lhe o ministro Moreira Alves, 1985/1987, com 51 anos e 10 meses. No império, o ministro com menos idade do Supremo Tribunal de Justiça, 1832, foi José Paulo Figueirôa Nabuco de Araújo, com 36 anos de idade; na República foi Alberto Torres com 35 anos.

Durante o regime monárquico, o presidente do Supremo Tribunal de Justiça era nomeado pelo Imperador, prerrogativa anômala praticada também no governo republicano, Era Vargas, 1937/1946.

Parte desta prática monárquica continua sendo adotada ne medida em que o Presidente da República escolhe ministros dos tribunais superiores; é nítida a interferência do Poder Executivo no Judiciário e concretas as tentativas de manipulação política das decisões judiciais.

A duração do mandato do presidente da Corte nem sempre tinha tempo certo para começar e terminar. O ministro Hermínio do Espírito Santo exerceu o cargo por 13 anos, 1911/1924, período mais longo, seguido pelo ministro Olegário Herculano D'Aquino e Castro que permaneceu na presidência por 12 anos consecutivos, 1894/1906. No lado inverso, Carolino de Leoni Ramos foi o ministro que ficou menos tempo na presidência; eleito em 25/1/1931 faleceu 23 dias depois.

O ministro José Linhares foi quem mais vezes exerceu a Presidência do STF, quatro: 1945, 1946/1949, 1951/1954 e 1954/1956; substituiu Getúlio Vargas na Presidência da República, em 1945, e era tido como nepotista. Em três meses de governo empregou tantos parentes que o povo dizia: "Os Linhares são milhares".

Percebe-se que o nepotismo, praticado nos três poderes é praga antiga, que corrói princípios da decência e da moralidade públicas.

O ministro José Paulo Figueiroa Nabuco de Araújo, foi quem mais tempo ficou na mais alta Corte do País, 31 anos e três meses, Supremo Tribunal de Justiça (Império); na República, coube ao ministro Hermínio do Espírito Santo, 30 anos e dois meses, saindo aos 90 anos, por ocasião de seu falecimento, em 1924; segue-se André Cavalcanti, que também deixou o cargo de ministro, com a morte, (1927), onde permaneceu por 29 anos e oito meses.

Em trabalho do ministro Celso de Mello está anotado que Epitácio Pessoa foi o único integrante da Corte a ser eleito presidente da República, período 28 de julho de 1919 a 15 de novembro de 1922. Curiosidade interessante é que foi o único ministro jamais vencido, na condição de relator.

Epitácio Pessoa, Philadelpho Azevedo e Francisco Rezek, ministros aposentados do STF, foram eleitos para a Corte Internacional de Haia, na Holanda.

Getúlio Vargas foi quem mais nomeou ministros do STF: 21, seguido de Deodoro da Fonseca e Floriano Peixoto, 15 ministros. Café Filho, 1954/1955, foi o único presidente que não nomeou nenhum ministro para o STF.

Uma ordem de hábeas corpus concedida pela Corte, em 1898, pondo em liberdade desterrados políticos presos em Fernando de Noronha, quase provocou a renúncia do presidente da República, Prudente de Morais, sob alegação de que o cumprimento da decisão feria a ordem pública. Nesse julgamento, HC n.° 1.073, sob relatoria do ministro Lúcio de Mendonça, foi aceita a tese de Rui Barbosa, até então não admitida, de que "cessam, com o estado de sítio, todas as medidas de repressão durante ele tomadas pelo Executivo", decisão que reformou a jurisprudência, julgamentos de 1892, 1894 e 1897, e mudou a posição do STF.

Em 1902, um ministro do STF julgava 14 processos/ano e a população era de 18 milhões de habitantes; em 1988, 11 ministros proferiram 1.026 acórdãos, ou seja, 93 processos por cada ministro; em 1995, foram 35.214 julgamentos, ou 3.200 por cada ministro; em 1998 foram julgados 51.086 processos. Entre 1902/1995, a população brasileira cresceu 800%, e os processos por ministro do STF cresceram 23.000%. O recurso que mais chega ao Tribunal é o agravo de instrumento, 57% de todos os 110 mil processos distribuídos no STF em 2003.

Ao Senado da República cabe ratificar a indicação de ministros, mas em algumas oportunidades, a Casa Parlamentar deixou de aprovar tais apontamentos. No governo Floriano Peixoto, 1891/1894, foram rejeitadas cinco indicações: Cândido Barata Ribeiro, porque medico, Innocêncio Galvão de Queiroz, Raimundo Ewerton Quadros, Antonio Seve Navarro e Demosthenes da Silveira Lobo, porque generais. A escolha deu-se porque Floriano Peixoto alegava que a Constituição não exige saber jurídico, mas "notável saber e reputação".

Três ministros do STF foram afastados compulsoriamente, em 1969, pelo governo militar que se instalou em 1964: Evandro Lins e Silva, Hermes Lima e Victor Nunes Leal. O motivo é que concederam hábeas corpus a presos políticos sem culpa formada. O ministro Victor Nunes Leal chegou a ser detido.

Vê-se que a aposentadoria compulsória aos 70 anos não é criação da Constituição de 1891, omissa sobre o assunto, muito menos da que se lhe seguiu, 1934; esta previa, art. 64, letra a), a aposentadoria compulsória dos juizes aos 75 anos. Apesar das substanciais mudanças ocorridas nesses últimos setenta anos, principalmente o tempo médio de vida do homem brasileiro, nada disso contribuiu para modificar a compulsória, altamente prejudicial aos cofres da Nação e à inteligência do próprio Judiciário. A experiência, a maturidade, e a vivência de grandes juizes continuam sendo descartadas por leis que não se adaptaram aos novos tempos.
____________

*Juiz em Salvador






_____________



Atualizado em: 29/6/2005 09:01

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Giselle Farinhas

Migalheira desde 2017

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018

Gisele Nascimento

Migalheira desde 2017

Ricardo Trajano Valente

Migalheiro desde 2020

Guershom David

Migalheiro desde 2020

Leonardo Quintiliano

Migalheiro desde 2019

Diego Mancini Aurani

Migalheiro desde 2020

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Publicidade