sábado, 5 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

As novas regras de arbitragem na ICC

As novas regras buscam conferir maior agilidade aos processos e valer-se de tecnologias, como o e-mail.

quarta-feira, 13 de junho de 2012

A ICC - International Chamber of Commerce possui a mais tradicional câmara arbitral internacional e passou a contar com novas regras de arbitragem a partir de 1º de janeiro de 2012. As alterações nas regras arbitrais da ICC são sempre observadas com atenção pela comunidade jurídica diante da relevância da Corte e do envolvimento de grandes nomes da arbitragem internacional na sua elaboração.

As novas regras buscam, sobretudo, a conferir maior agilidade aos processos e valer-se das novas tecnologias surgidas e consolidadas desde a última revisão de suas regras, ocorrida no ano de 1998, já sendo aplicáveis inclusive para os casos em curso.

Situações urgentes e emergenciais, "Emergency Arbitrator Relief", ganharam com as novas regras um tratamento diferenciado e destacadamente mais importante do que aquele dispensado na versão anterior do regulamento.

Anteriormente, segundo as regras de 1998, era competência do Tribunal Arbitral instaurado a verificação e eventual deferimento (ou não) de medidas tidas como emergenciais por uma das partes.

Sendo assim, nas hipóteses que demandavam adoção de medidas urgentes e necessárias para conservação de uma determinada situação antes da

constituição do Tribunal Arbitral (assinatura dos termos de compromisso e nomeação dos árbitros pela ICC), a parte deveria recorrer ao judiciário competente, o que nem sempre era viável e, até mesmo, eficaz.

As novas regras possibilitam a ICC considerar requerimentos urgentes antes da formação do Tribunal escolhendo um "Árbitro Emergencial", no prazo de dois dias úteis para tomar providências1, até mesmo quando a cláusula arbitral for

silente no que concerne a previsão quanto a essas situações. De todo modo, as novas regras não impedem o pedido de medidas urgentes perante a justiça nos casos permitidos.

Um tema que não era abordado de forma clara nas regras de 1998 era o regramento para tratar de situações envolvendo múltiplas partes e múltiplos contratos.

As regras que entram em vigor em janeiro de 2012 conferem maior clareza às partes e ao procedimento arbitral, permitindo expressamente que novas Partes sejam chamadas para o mesmo procedimento arbitral, questão comumente regulada na legislação de processo judicial dos países2.

Além disso, o texto é mais específico e até mesmo possibilita a consolidação - em um único procedimento - várias arbitragens em curso3, resultando em grande economia de tempo e valores para os litigantes, bem como bem como evitando decisões divergentes em casos relacionados ao mesmo evento.

Sabidamente um dos maiores benefícios e atraentes da arbitragem é a sua confidencialidade. As regras de 2012 vão além da regra geral de confidencialidade que já existia, estabelecendo que o Tribunal Arbitral possa ordenar inclusive às partes a confidencialidade sobre determinado assunto relacionado ao caso em apreço, permitindo medidas imediatas quando qualquer segredo comercial estiver em risco4.

O novo texto traz em seu corpo a previsão para maior utilização de tecnologias disponíveis, sobretudo do e-mail, que vinha sendo usado informalmente na comunicação com a própria Corte e agora está expressamente previsto.

As regras de arbitragem de 1998 dispunham que as comunicações deveriam ser feitas ao Secretariado ou ao Tribunal Arbitral por "fax", "telex" e "telegrama", o que hoje, muitas vezes, é inviável e navega contra um dos principais motivos da existência desse tipo de resolução de conflitos, a celeridade.

As alterações promovidas pela ICC claramente buscam normatizar e padronizar os procedimentos relativos a diversas situações já existentes e que vinham sendo tratadas caso a caso no curso dos processos, como se percebe nos processos com múltiplas partes e na comunicação por e-mail que já havia entre as partes, árbitros e a própria Corte na comunicação dos atos processuais.

Além disso, a busca por efetividade da tutela arbitral são pontos importantes que foram objeto de alterações, tanto na questão de medidas urgentes quanto na preservação de informações confidenciais.

_________

1Artigo 29 - Árbitro de emergência -1. A parte que necessitar de uma medida urgente cautelar ou provisória que não possa aguardar a constituição de um tribunal arbitral ("Medidas Urgentes") poderá requerer tais medidas nos termos das Regras sobre o Árbitro de Emergência dispostas no Apêndice V. Tal solicitação só será aceita se recebida pela Secretaria antes da transmissão dos autos ao tribunal arbitral nos termos do artigo 16 e independentemente do fato de a parte que requerer a medida já ter apresentado seu Requerimento de Arbitragem. 2. A decisão do árbitro de emergência tomará a forma de uma ordem. As partes se comprometem a cumprir qualquer ordem proferida pelo árbitro de emergência. 

2Artigo 7° - Integração de partes adicionais - 1. A parte que desejar integrar uma parte adicional à arbitragem deverá apresentar à Secretaria requerimento de arbitragem contra a parte adicional ("Requerimento de Integração"). A data na qual o Requerimento de Integração for recebido pela Secretaria deverá, para todos os fins, ser considerada como a data de início da arbitragem em relação à parte adicional. Qualquer integração estara sujeita ao disposto nos artigos 6°(3)-6°(7) e 9°. Nenhuma parte adicional será integrada após a confirmação ou nomeação de qualquer árbitro, a menos que todas as partes, inclusive a parte adicional, estejam de acordo. A Secretaria poderá fixar prazo para a submissão do Requerimento de Integração. 

3Artigo 9° - Múltiplos contratos Sujeitas às disposições dos artigos 6°(3)-6°(7) e 23(4), demandas oriundas de ou relacionadas a mais de um contrato poderão ser formuladas em uma mesma arbitragem, independentemente de estarem fundadas em uma ou mais de uma convenção de arbitragem de acordo com o Regulamento.

4"Mediante requerimento de qualquer parte, o tribunal arbitral poderá proferir ordens relativas à confidencialidade do procedimento arbitral ou de qualquer outro assunto relacionado à arbitragem e poderá adotar quaisquer medidas com a finalidade de proteger segredos comerciais e informações confidenciais".

__________

*Guilherme de Carvalho Doval e Gustavo de Alvarenga Batista são, respectivamente, sócio e advogado do Almeida Advogados

__________

Atualizado em: 12/6/2012 08:31

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Jocineia Zanardini

Migalheira desde 2020

Allan de Oliveira Kuwer

Migalheiro desde 2020

Celso Wanzo

Migalheiro desde 2019

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

João Ibaixe Jr

Migalheiro desde 2019

Cesar de Lima e Silva

Migalheiro desde 2019

Thiago Boaventura

Migalheiro desde 2017

Marcelo Branco Gomez

Migalheiro desde 2020

Luís Roberto Barroso

Migalheiro desde 2003

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Renato de Mello Almada

Migalheiro desde 2008

Diogo L. Machado de Melo

Migalheiro desde 2008

Publicidade