sábado, 16 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

O incerto futuro do conteúdo local

Ariel Palmeira e Rafael Cruz

Está prevista para o fim do ano a 11ª rodada de licitações de blocos de petróleo e gás.

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Com a 11ª rodada de licitações de blocos de petróleo e gás prevista para o fim do ano, muito se questiona acerca das novas políticas de concessão a serem adotadas. Já não se discute que mudanças são necessárias - contudo, a Petrobras não se mostra publicamente disposta a rever certos pontos cruciais para o desenvolvimento da indústria petrolífera nacional.

Dentre eles, destacam-se as normas de conteúdo local, as quais determinam que certa porcentagem dos insumos (incluindo produtos e serviços) utilizados para o cumprimento do contrato tenha origem brasileira. Considerando as rodadas de licitações passadas, o requerimento de conteúdo local médio se aproxima dos 55%, ultrapassando 70% em certas situações.

A declaração da presidente da empresa, Maria das Graças Foster, acerca da não flexibilização de tais normas para o futuro parece deslocada no tempo. Ainda é grande a resistência em admitir que a redução da exigência de conteúdo local possa ser um custo de transação necessário para alcançar o desenvolvimento e grau de produção desejado.

O resultado desta negação passa a transparecer - o anúncio de que as metas de produção da empresa até o ano de 2020 foram revistas é um indicativo concreto de que o cenário já não é aquele imaginado no passado. São evidentes os problemas no fornecimento de equipamentos, com atrasos constantes impedindo o cumprimento dos cronogramas estabelecidos.

Mesmo diante deste cenário, as normas de conteúdo local tendem a permanecer as mesmas. Claramente, elas têm papel fundamental no desenvolvimento do país, gerando empregos e fazendo com que certas tecnologias antes exclusivamente estrangeiras passem, de certa forma, a mãos nacionais. Entretanto, também são responsáveis por grande parte dos atrasos tão rechaçados pela Petrobras.

A situação dos fornecedores, por sua vez, não é das melhores. Envoltos em uma nuvem de incerteza fiscal, altas taxas de juros (comparadas a determinados mercados internacionais), baixa infraestrutura e a falta de mão de obra qualificada, não conseguem eles, muitas das vezes, cumprir com os compromissos de conteúdo local dos equipamentos fornecidos. Neste caso, estão sujeitos a multas e penalidades de aplicação e interpretação questionáveis.

Além disso, e a contrario sensu, as normas de conteúdo local desaceleram a transferência de tecnologia para o país. Sendo os únicos detentores do conhecimento, os fornecedores estrangeiros sujeitam-se a multas porém garantem sua contratação. Se cedessem seus conhecimentos não se sujeitariam às penalidades, porém tornar-se-iam menos competitivos, diante da inexistência de qualquer previsão de diminuição gradual dos requisitos na medida do desenvolvimento da tecnologia nacional.

Diante desta situação, é clara a ineficácia do regime de conteúdo local nos atuais moldes, não atingindo seus objetivos e gerando reflexos negativos em outros aspectos como custo e prazo. Para que tais normas venham a ajudar no desenvolvimento nacional, há necessidade de específicas mudanças nas políticas nacionais, tirando o foco exclusivamente do conteúdo local sem contrapartida de infraestrutura, paciência com o desenvolvimento e aprendizado e incentivos fiscais.

__________

*Ariel Palmeira e Rafael Cruz são advogados na Andersen Ballão Advocacia.






_________

Atualizado em: 2/8/2012 08:30

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Carlos Barbosa

Carlos Barbosa

Migalheiro desde 2019
Thiago Boaventura

Thiago Boaventura

Migalheiro desde 2017
Letícia Baddauy

Letícia Baddauy

Migalheira desde 2020
André Lucenti Estevam

André Lucenti Estevam

Migalheiro desde 2020
Gilberto Giusti

Gilberto Giusti

Migalheiro desde 2003
Scilio Faver

Scilio Faver

Migalheiro desde 2020
Murillo de Aragão

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018

Publicidade