sexta-feira, 23 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Inconstitucionalidade da "taxa do lixo" instituída pela Lei Municipal nº 13.478/02

Daniel Gatschnigg Cardoso

A Lei Municipal nº 13.478/02 instituiu a Taxa de Resíduos Sólidos Domiciliares - TRSD, destinada a custear os serviços divisíveis de coleta, transporte, tratamento e destinação final de resíduos sólidos domiciliares, de fruição obrigatória, prestados em regime público, nos limites territoriais do Município de São Paulo.

quinta-feira, 24 de abril de 2003

Inconstitucionalidade da "taxa do lixo" instituída pela Lei Municipal nº 13.478/02

Daniel Gatschnigg Cardoso*

A Lei Municipal nº 13.478/02 instituiu a Taxa de Resíduos Sólidos Domiciliares - TRSD, destinada a custear os serviços divisíveis de coleta, transporte, tratamento e destinação final de resíduos sólidos domiciliares, de fruição obrigatória, prestados em regime público, nos limites territoriais do Município de São Paulo.

Constitui fato gerador da Taxa de Resíduos Sólidos Domiciliares - TRSD a utilização potencial dos serviços divisíveis de coleta, transporte, tratamento e destinação final de resíduos sólidos domiciliares, de fruição obrigatória, prestados em regime público.

São contribuintes da Taxa de Resíduos Sólidos Domiciliares - TRSD os munícipes-usuários inscritos no Cadastro Imobiliário Fiscal do Município, os usuários dos serviços que integram o Sistema de Limpeza Urbana do Município de São Paulo, que compreendem as seguintes atividades:

I - a coleta, transporte, tratamento e destinação final de resíduos sólidos de qualquer natureza;

II - a varrição e asseio de vias, túneis, abrigos, monumentos, sanitários, viadutos, elevados, escadarias, passagens, vielas, praças, mercados e demais logradouros públicos;

III - a raspagem e remoção de terra, areia e quaisquer materiais carregados pelas águas pluviais para as ruas e logradouros públicos pavimentados;

IV - a desobstrução de bueiros, bocas-de-lobo, poços de visita, galerias pluviais e correlatos;

V - a implantação e operação de transbordo e transferência, bem como de unidades de processamento, tratamento e destinação final, necessárias à execução dos serviços previstos no inciso I;

VI - a limpeza de ruas e logradouros públicos onde se realizem feiras públicas e outros eventos de acesso aberto ao público;

VII - os serviços de conservação de áreas verdes de domínio público;

VIII - a capinação, a raspagem, o sacheamento e a roçada, bem como o acondicionamento e coleta dos resíduos provenientes dessas atividades, visando à salubridade ambiental e a promoção da estética urbana do Município;

IX - a implantação e operação de sistemas de triagem e separação dos resíduos sólidos;

X - a limpeza de áreas e tanques de contenção de enchentes.

Como se sabe, o inciso II do artigo 145 da Constituição Federal conferiu aos municípios a competência para instituição de taxas, em razão do poder de polícia ou pela utilização, efetiva ou potencial, de serviços públicos específicos e divisíveis, prestados ao contribuinte ou postos à sua disposição.

Ocorre que os artigos 21 a 24 da Lei Municipal nº 13.478/02, em total descompasso o arquétipo constitucional idealizado pelo legislador originário, ampliaram a competência tributária do município, ao classificar os serviços prestados da seguinte forma:

Art. 21 - Segundo sua natureza, os serviços de limpeza urbana prestados em regime público classificam-se em:

I - serviços divisíveis;

II - serviços indivisíveis essenciais; e

III - serviços indivisíveis complementares.

Art. 22 - Integram os serviços divisíveis as atividades de coleta, transporte, tratamento e destinação final de:

(...)

Art. 23 - São serviços de limpeza urbana indivisíveis essenciais, entre outros:

(...)

Art. 24 - São serviços indivisíveis complementares os demais serviços indivisíveis de limpeza urbana, que tenham natureza paisagística ou urbanística.

Diante disso, os artigos 21 a 24 da Lei Municipal nº 13.478/02 recaíram em inarredável inconstitucionalidade, ao ampliar a classificação dos serviços passíveis de tributação por meio de taxas municipais instituídos pela Constituição Federal.

Isto porque, os serviços passíveis de "taxação" pelos municípios seriam somente aqueles prestados sob a característica da divisibilidade, não sendo possível a tributação de serviços indivisíveis quaisquer que sejam, os quais já são tributados por meio dos impostos.

Partindo-se dessa premissa, seria admissível tão somente como fato gerador a coleta dos resíduos sólidos na residência de cada contribuinte, não abrangendo o serviço de limpeza das vias e logradouros públicos, sob pena de infringir, de imediato, a natureza divisível da taxa. Nesse particular, o Min. Ari Pargendler manifestou-se com inequívoco acerto, quando analisou situação semelhante ao tema:

TRIBUTÁRIO. TAXAS. LEI 6.989/1966, NA REDAÇÃO DADA PELA LEI 10.921/ 1990, DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. LEI 8.822/1978. TAXA DE LIMPEZA URBANA. 1. A taxa de limpeza urbana, no modo como disciplinada no município de São Paulo, remunera - além dos serviços de "remoção de lixo domiciliar" - outros que não aproveitam especificamente ao contribuinte ("varrição, lavagem e capinação"; "desentupimento de boeiros e bocas-de-lobo"); ademais, a respectiva base de cálculo não está vinculada à atuação estatal, valorizando fatos incapazes de mensurar-lhe o custo 3 (localização, utilização e metragem do imóvel) - tudo com afronta aos arts. 77, "caput", e 79, II, do CTN. 2. A taxa de conservação de vias e logradouros públicos, assim como instituída no município de São Paulo, tem como fato gerador serviços que beneficiam toda a comunidade (de conservação do calçamento e dos leitos não pavimentados das ruas, praças e estradas do município), insuscetíveis de utilização, separadamente, por parte de cada um dos seus usuários, contrariando o disposto no art. 79, III, do CTN. 3. Taxa de combate a sinistros. O fato de o município de São Paulo assumir, contratualmente, a responsabilidade pelo custeio, em parte, dos serviços prestados pelo estado de São Paulo no combate e extinção de incêndio ou de outros sinistros, não o autoriza a instituir taxa para obter os recursos correspondentes. Recurso Especial não conhecido.(RESP 61604/SP; STJ; Segunda Turma; Relator Min. ARI PARGENDLER; Julgado em 05/06/1997)

Ademais, como bem observou o juiz Guilherme de Souza Nucci, da 9ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo, em decisão que suspendeu a cobrança da taxa do lixo cobrada pela Prefeitura de São Paulo de um condomínio da cidade, a proposta da prefeitura em permitir que o próprio contribuinte indique a quantia de produção de lixo demonstra que o custo do serviço é indivisível.

Finalmente, a inclusão do serviço de limpeza urbana dentre os serviços custeados pela "taxa do lixo" caracterizaria bi-tributação, uma vez que o IPTU já incorporou uma alíquota destinada ao custeio do serviço de limpeza pública.

Por este motivo, poderia ser questionada a constitucionalidade da "Taxa do Lixo" instituída pela Lei Municipal nº 13.478/02 mediante a propositura da medida judicial cabível, a fim de afastar suas exigências.

________________

*escritório Thiollier e Advogados.

_________________________

Atualizado em: 23/4/2003 14:36

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Wille Duarte Costa

Migalheiro desde 2005

Marcos de Souza Paula

Migalheiro desde 2020

Gabriel Massote Pereira

Migalheiro desde 2020

Marçal Justen Neto

Migalheiro desde 2007

Ângelo Soares Castilhos

Migalheiro desde 2020

Adel El Tasse

Migalheiro desde 2019

Fernando Salzer e Silva

Migalheiro desde 2016

Gabriel Cosme de Azevedo

Migalheiro desde 2019

Guilherme Setoguti

Migalheiro desde 2012

Thiago Marinho Nunes

Migalheiro desde 2020

Publicidade