terça-feira, 24 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

O deferimento da recuperação judicial

Ricardo César Dosso

Deferimento inicial do pedido de recuperação judicial dá à empresa certa tranquilidade financeira e operacional.

quarta-feira, 27 de março de 2013

O artigo 52, III, da lei 11.101/05 dispõe de forma imperativa que "estando a documentação em termos, o juiz deferirá o processamento da recuperação judicial e, no mesmo ato, ordenará a suspensão de todas as ações e execuções contra o devedor".

Trata-se de ato da maior importância nos processos de recuperação judicial, pois é com o deferimento inicial do pedido que a empresa passa a ter, durante até 180 (cento e oitenta) dias, relativa tranquilidade financeira e operacional para se reorganizar e elaborar seu plano de recuperação.

Como o Direito constitui ciência humana e a norma jurídica está sujeita à interpretação pelos operadores do Direito, em determinados casos o Poder Judiciário, especialmente no Estado de SP, tem relativizado o caráter objetivo da exigência inicial para deferimento do pedido. Assim é que a 1ª câmara Reservada de Direito Empresarial do TJ paulista, ao apreciar o AI 0194436-42.2012.8.26.0000, decidiu que é legítima a realização de perícia prévia para auxiliar o juízo na apreciação da documentação contábil e constatar a real situação de funcionamento da empresa.

De acordo com o julgamento mencionado, trata-se de exame preliminar sobre a idoneidade da documentação que ampara o pedido e sobre a viabilidade econômica da recuperação, ainda que em sede sumária.

O precedente jurisprudencial versa sobre situação sui generis, de empresa de pequeno porte (apenas um funcionário e capital social de quinze mil reais) e dívida pequena para justificar o pedido de recuperação judicial. Além disso, a decisão aponta "elementos robustos a apontar a inviabilidade da recuperação ou mesmo a utilização indevida e abusiva da benesse legal".

Embora esses requisitos tenham sido enfatizados pelo TJ/SP, esse julgamento tem sido invocado como justificativa para se alterar o sentido e o alcance do mencionado artigo 52, III da LC/00. Tem-se visto, em vez de aplicação excepcional dessa possibilidade, a quase adoção como regra, sob o argumento de que a decisão que defere o processamento deve ser tomada com mínima cautela e rigor, ao que se acrescenta a ausência de conhecimentos técnicos suficientes para o juiz apreciar a regularidade da documentação contábil apresentada.

Esse exemplo de ativismo judicial, embora em alguns caso seja digno de elogios, é às vezes profundamente danoso à empresa em recuperação. A notícia do ajuizamento do pedido alastra-se quase que imediatamente, impulsionada pela divulgação em jornais especializados em economia e também pelo fluxo instantâneo de informações pela internet. Em seguida, é comum que muitos credores se apressem para tomar medidas judiciais que não tomariam em situação normal, sendo emblemáticos pedidos de busca e apreensão, feitos por instituições financeiras, de bens, maquinários e equipamentos muitas vezes imprescindíveis a manutenção das atividades da empresa, agravando-se a situação de crise que justifica o próprio socorro ao regime de recuperação judicial.

O lapso de tempo entre o ajuizamento do pedido e o deferimento da recuperação constitui verdadeiro limbo jurídico, inclusive porque o STJ vem assentando o entendimento de que o despacho tem efeito 'ex nunc', ou seja, com eficácia daquele momento em diante, sem retroagir à data da distribuição da petição inicial, como se dá em situações processualmente análogas.

Esse vácuo, que ultrapassa facilmente 20 dias se determinada a realização de perícia prévia, em situações extremas é capaz de comprometer a própria viabilidade da recuperação, pois nesse período podem ser tomadas quaisquer medidas contra a empresa, por mais drásticas que sejam, sem a devida proteção. A interpretação e aplicação da lei, por mais nobres que sejam as justificativas, pode torná-la letra morta, em sacrifício do princípio constitucional da preservação da empresa, que gera emprego, tributos e riquezas.

A relevância dos efeitos decorrentes despacho inicial no processo de recuperação exige extrema cautela do juiz, não para deferi-lo, consequência natural caso estejam satisfeito os requisitos legais, mais sim para determinar quaisquer providências prévias que condicionem o processamento. É preciso recordar que a idoneidade das informações apresentadas inicialmente será checada pelo administrador judicial e pelo comitê de credores, com significativas consequências caso não observados os deveres legais de probidade e boa-fé.

A par da interpretação razoável e teleológica da lei, a concessão de medidas de urgência que se equiparem à proteção legal dada pelo artigo sexto da lei de falências é o mínimo que se pode fazer para prevenir danos e assegurar a superação da crise econômico-financeira que atinge as empresas em recuperação judicial.

_______________

* Ricardo César Dosso é advogado do escritório Fernando Corrêa da Silva Sociedade de Advogados.

_______________

Atualizado em: 26/3/2013 11:47

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Fernando Salzer e Silva

Migalheiro desde 2016

Diego Mancini Aurani

Migalheiro desde 2020

Maria Berenice Dias

Migalheira desde 2002

Ronaldo de Jesus

Migalheiro desde 2019

Márcio Aguiar

Migalheiro desde 2020

Carlos Barbosa

Migalheiro desde 2019

Allan de Oliveira Kuwer

Migalheiro desde 2020

Douglas Lima Goulart

Migalheiro desde 2020

Ricardo Alves de Lima

Migalheiro desde 2020

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Publicidade