domingo, 29 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Após décadas de disputas, passa a vigorar em SP a redução de imposto pago pelas operadoras de plano de saúde

Ricardo Braghini e Rodrigo Forcenette

A obrigação se aplica às pessoas jurídicas que atuam com planos de medicina de grupo ou individual, convênios para prestação de assistência médica, hospitalar, odontológica e outros planos de saúde que se valem dos serviços de terceiros.

terça-feira, 30 de julho de 2013

Começou a vigorar neste mês de julho de 2013 a IN SF/SUREM 1, emitida pelo município de São Paulo, regulamentando a emissão e entrega da DPS - Declaração do Plano de Saúde.

A obrigação se aplica às pessoas jurídicas que atuam com planos de medicina de grupo ou individual, convênios para prestação de assistência médica, hospitalar, odontológica e outros planos de saúde que se valem dos serviços de terceiros, permitindo-lhes uma diminuição no recolhimento do ISSQN - Imposto sobre Serviços de Quaisquer Natureza, conforme preceitua o art. 57 do decreto Municipal 53.151/12.

Mediante a apresentação da referida declaração, as operadoras poderão excluir da base de cálculo do imposto todos os repasses efetivados aos prestadores de serviços na área de saúde, desde que devidamente declarados na DPS.

A discussão acerca do ISSQN, travada entre municípios e operadoras de plano de saúde, provém de décadas de disputas judiciais. Essa nova regulamentação vem ao encontro do entendimento jurisprudencial firmado pelo STJ no julgamento do REsp. 1.237.312/SP, em sessão realizada em 20/10/11.

Cobrava-se até então, no caso específico de São Paulo, 5% sobre a totalidade dos valores recebidos pelas operadoras, pagos por seus contratantes (usuários/beneficiários do plano de saúde), sem qualquer tipo de dedução.

Com o novo tratamento afasta-se o bis in idem, termo utilizado para designar situações em que um imposto é cobrado duas ou mais vezes pelo Poder Público sobre uma mesma grandeza. No caso, o município recebia o ISSQN, ao mesmo tempo, das operadoras e das pessoas que lhes prestavam serviços de saúde.

O critério adotado pelo município de São Paulo também foi concedido por outros municípios brasileiros (Campo Grande/MS, Ribeirão Preto/SP, Belo Horizonte/MG, dentre outros).

É um alento às operadoras de plano de saúde. A diminuição no pagamento do ISSQN suaviza a situação financeira destas entidades, permitindo o direcionamento de recursos à implantação de melhorias na prestação dos serviços de saúde.

Quanto à DPS, deverá ser entregue até o 5º dia do mês subsequente ao da prestação de serviço. Referido prazo poderá ser extrapolado, sem previsão de sanção específica, desde que não ultrapassados 180 dias contados do 1º dia do exercício seguinte ao da prestação do serviço, e que o ISSQN devido não tenha sido inscrito em dívida ativa do município de São Paulo.

A IN SF/SUREM 1, de 18/3/13, descreve também todos os códigos de serviços em que é permitido o repasse, determinando que para cada um desses códigos deverá ser entregue uma DPS específica.

Importante observar que só será admitida a exclusão dos repasses realizados, se a nota fiscal do prestador contiver expressamente a identificação do usuário dos serviços por eles prestados, na qualidade de tomador, e do plano de saúde, na qualidade de intermediário.

Ressaltamos, contudo, que apesar das benesses concedidas pela legislação, ganha relevo o entendimento de que as operadoras de plano de saúde sequer seriam contribuintes do ISSQN, visto praticarem típica atividade securitária, e não de prestação serviços.

O ISSQN, de acordo com o disposto na CF, art. 156, e LC 116/03, só poder incidir sobre atividades classificadas como "prestação de serviços".

As operadoras de planos de saúde não prestam serviços aos seus contratantes. Quando celebram seus contratos apenas garantem a prestação de serviços médico-hospitalares, que, se necessários, serão prestados diretamente por médicos, clínicas, hospitais, laboratórios, dentre outros prestadores de serviços credenciados.

Este foi o entendimento do STF no julgamento do RE 115.308-3/RJ, bem como do TJ/SP, quando da apreciação do Incidente de Inconstitucionalidade 994.05.030627-8.

Não obstante, porém, a controvérsia sobre o assunto, conclui-se que as operadoras de planos de saúde vinculadas ao município de São Paulo, conquistaram uma importante vitória, pois mediante a apresentação da DPS, a partir de agosto de 2013, estarão permitidas a excluírem da base de cálculo do suposto ISSQN devido, os repasses efetivados a prestadores de serviços de saúde.

_________________
* Ricardo Braghini e Rodrigo Forcenette são advogados do Brasil Salomão e Matthes Advocacia.

Atualizado em: 29/7/2013 16:24

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Guershom David

Migalheiro desde 2020

Gustavo Santiago Martins

Migalheiro desde 2019

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003

Giselle Farinhas

Migalheira desde 2017

Letícia Baddauy

Migalheira desde 2020

Lilia Frankenthal

Migalheira desde 2020

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005

Gustavo Abdalla

Migalheiro desde 2019

Selma Ferreira Lemes

Migalheira desde 2005

Publicidade