sexta-feira, 4 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A atuação dos Tribunais Superiores em matéria tributária

Juliana Furtado Costa Araujo

As recentes reformas processuais que introduziram no sistema jurídico pátrio uma cultura de precedentes, vieram disseminar a ideia dos julgamentos em sede de recursos repetitivos e com repercussão geral, previstos nos arts. 543-B e 543-C do CPC.

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

O protagonismo do Poder Judiciário na resolução de controvérsias envolvendo matéria tributária é um fato inegável. O STF tem decidido questões de grande relevância social e política assim como o STJ.

Essas decisões, além de abrangerem temas novos, também revisitam antigos julgados desses mesmos tribunais, alterando posicionamentos até então consolidados. É o Direito se reinventando pela lógica dos Tribunais.

Questões tributárias relevantes como a possibilidade de incluir o ICMS na base de cálculo do PIS/Cofins, tributação do Imposto de Renda sobre os lucros de empresas coligadas no exterior e cobrança de Cofins sobre as receitas de instituições financeiras são alguns dos inúmeros temas que aguardam um posicionamento definitivo do STF e que apresentam um impacto econômico de alguns bilhões de reais.

As recentes reformas processuais que introduziram no sistema jurídico pátrio uma cultura de precedentes, vieram disseminar a ideia dos julgamentos em sede de recursos repetitivos e com repercussão geral, previstos nos arts. 543-B e 543-C do CPC. Isto aumentou, ainda mais, a importância das decisões dos Tribunais Superiores. Os julgados que seguem esta sistemática acabam, ainda que indiretamente, vinculando os Tribunais inferiores e a própria atuação dos contribuintes e do fisco.

Um exemplo do afirmado está na recente alteração sofrida pelo art. 19 da lei 10.522/02. Este dispositivo estabelece que a PGFN - Procuradoria Geral da Fazenda Nacional está autorizada, caso inexistam outros fundamentos relevantes, a não contestar, recorrer e, também, a desistir de recursos interpostos, que se enquadrem em hipóteses contempladas por decisões definitivas do STJ e STF em sede de recursos repetitivos e repercussão geral. A maior inovação residiu na possibilidade da SRFB - Secretaria da Receita Federal do Brasil não autuar contribuintes que se adequem as hipóteses acima referidas.

Esta representa uma de tantas razões pelas quais o advogado que milita na área tributária precisa estar atualizado acerca das recentes decisões dos Tribunais Superiores até para se antecipar a uma eventual atuação por parte da administração tributária.

Além de tudo isto, a sistemática dos julgamentos em repercussão geral e recursos repetitivos vêm trazendo uma série de dúvidas relativas à interpretação dos julgados e sua aplicação, além dos reflexos de tais julgados nos Tribunais administrativos.

E para lidar com este quadro de instabilidade, o advogado precisa ter instrumentos teóricos e analíticos para construir soluções inovadoras para lidar com as constantes transformações socioeconômicas.

__________

* Juliana Furtado Costa Araujo é doutora em Direito Tributário pela PUC/SP, professora do Mestrado Profissional da Direito GV e procuradora-Chefe da Divisão de Defesa em 2ª Instância da PRFN/3ª região.


Atualizado em: 17/9/2013 14:41

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Italo Bondezan Bordoni

Migalheiro desde 2019

Lilia Frankenthal

Migalheira desde 2020

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005

Gustavo Abdalla

Migalheiro desde 2019

Ricardo Penteado

Migalheiro desde 2008

Jeniffer Gomes da Silva

Migalheira desde 2020

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015

Pablo Domingues

Migalheiro desde 2017

Publicidade