sábado, 28 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Marco regulatório confuso emperra a indústria cosmética nacional

"O Brasil caminha a passos largos para implodir seu mercado de cosméticos, higiene pessoal e perfumaria. É realmente incrível a capacidade do governo e do Congresso de criar obstáculos legais para o empresário do setor."

sábado, 25 de janeiro de 2014

O Brasil caminha a passos largos para implodir seu mercado de cosméticos, higiene pessoal e perfumaria. É realmente incrível a capacidade do governo e do Congresso de criar obstáculos legais para o empresário do setor.

Desde 2001 encontra-se em vigor a MP 2.186 que já foi reconhecida como uma das legislações mais confusas do país e, certamente, não atingindo o seu aparente objetivo que era cumprir a orientação da Convenção da Diversidade Biológica (conservação da biodiversidade, fornecimento de tecnologia pelos países desenvolvidos tendo com contrapartida a utilização da biodiversidade de países biomegadiversos e repartição de benefícios de forma justa e equitativa).

O governo, através do Ibama, enxergando que a MP 2.186 "não pegou", decidiu iniciar uma série de autuações com multas exorbitantes e com fundamento legal questionável, buscando enquadrar o empresário no "sistema".

Ora, as multas não serão pagas e o já surrado Poder Judiciário é quem decidirá pela legalidade das autuações uma vez que não há como cumprir uma legislação confusa e inaplicável.

Para se ter ideia, o CGEN - Conselho de Gestão do Patrimônio Genético (órgão ligado ao Ministério do Meio Ambiente, que possui competência para gerir o patrimônio genético nacional) ao invés de criar resoluções que joguem alguma luz de esclarecimento na MP, só faz piorar.

O ápice (se é que não vem por ai coisa pior) foi a edição da resolução 35/11 que tinha por objeto criar regras para que o empresário que fosse autuado pudesse se regularizar. Desastrosamente o CGEN apertou mais ainda o cerco e deixou expresso que deveria se regularizar também aquele que explorasse economicamente ativos da biodiversidade brasileira (determinação frontalmente contrária a lei, que define que deve buscar regularização aquele que "acessa o patrimônio genético" e não quem o explora economicamente). Pela nova Resolução, frontalmente inconstitucional, diga-se de passagem, a rigor até mesmo o dono da farmácia de bairro deveria bater as portas do CGEN buscando regularização para poder comercializar cosméticos ou medicamentos contendo ativos da biodiversidade brasileira. Absurdo dos absurdos.

A "inovação" legislativa é ininterrupta.

De autoria da senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB/AM) vem chegando o PL 426/11 que dispõe sobre a indicação geográfica protegida para o biocosmético amazônico e institui contribuição de intervenção do domínio econômico incidente sobre a fabricação de biocosmético amazônico, já denominada de "Cide-Biocosméticos".

Ou seja, caminhamos para mais um regulatório que visa enforcar mais ainda o empresário do setor, uma vez que aquele que, por exemplo, quiser utilizar um ativo da biodiversidade amazônica terá que repartir benefícios com o provedor, em razão do que dispõe a MP 2.186/01, já mencionada e pagar a CIDE de acordo com o novo PL 426/11. Custo de transação sem precedentes tendo como parâmetro o mercado global.

Não quero aqui dizer que não temos que proteger o nosso maior ativo que é seguramente a biodiversidade nacional. Temos sim, inclusive temos obrigação de fazê-lo em relação as futuras gerações.

O que não podemos é diminuir a competitividade do país, frente ao mercado externo.

Lá fora as discussões envolvendo "enforcement" da Convenção da Diversidade Biológica e o Protocolo de Nagoya acontecem a passos de tartaruga, enquanto o Brasil cria amarras que refletem apenas nas indústrias aqui presentes. O resultado disso é que vamos ficando bem para trás na disputa de um mercado global que deveria ser, essencialmente, estimulado.

Este quadro precisa mudar.

_______________

* Luiz Ricardo Marinello é advogado especialista em Direito da Inovação, professor convidado nas seguintes instituições: Abapi, LES, Escola Superior de Advocacia de São Paulo; sócio de Lima Fragoso Marinello Advogados.

Atualizado em: 24/1/2014 11:44

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018

Jocineia Zanardini

Migalheira desde 2020

Gilberto Giusti

Migalheiro desde 2003

Pablo Domingues

Migalheiro desde 2017

René Ariel Dotti

Migalheiro desde 2006

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Teresa Arruda Alvim

Migalheira desde 2006

Gilberto Bercovici

Migalheiro desde 2007

Luís Roberto Barroso

Migalheiro desde 2003

Publicidade