terça-feira, 19 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

CVM divulga novo Ofício com orientações para companhias abertas

O Ofício-Circular/CVM/SEP/Nº 2/15 ("Ofício") trouxe algumas importantes inovações em relação aos ofícios anteriores.

terça-feira, 10 de março de 2015

Anualmente, a Superintendência de Relações com Empresas - SEP da Comissão de Valores Mobiliários ("CVM") divulga um ofício-circular com importantes orientações para as companhias abertas. Tais orientações transmitem as interpretações da autarquia a respeito de temas importantes para o dia-a-dia das companhias, como por exemplo a divulgação de fatos relevantes, eleição de administração, forma de convocação e condução de assembleias e o conteúdo do Formulário de Referência.

Assim, em 26 de fevereiro de 2015, a CVM publicou o Ofício-Circular/CVM/SEP/Nº 2/15 ("Ofício"), que trouxe algumas importantes inovações em relação aos ofícios anteriores.

As maiores modificações no Ofício foram feitas em decorrência da atualização da Instrução CVM 480, de 7 de dezembro de 2009 ("Instrução CVM nº 480"), por meio da Instrução CVM 552, de 9 de outubro de 2014 ("Instrução CVM nº 552")1, mas também deve-se a recentes episódios da vida societária brasileira, que inspirou a criação de três novos capítulos:

(i) orientações gerais para as companhias incentivadas;

(ii) informações sobre a atuação preventiva da CVM por meio do Plano de Supervisão Baseada em Risco; e

(iii) boas práticas a serem adotadas pelas companhias abertas.

Dentre as novidades do Ofício e em linha com as alterações propostas pela Instrução CVM 552, a CVM orienta que as transações com partes relacionadas sejam divulgadas em até sete dias úteis de sua ocorrência e recomenda a elaboração de uma política de transações com partes relacionadas e a análise de tais transações pelo Comitê de Auditoria Estatutário, se existente, ou por outro órgão específico. A autarquia recomenda também que a aprovação de tais transações seja precedida por uma negociação concreta, com a participação de pessoas sem interesses pessoais no caso e a criação de alçadas internas de aprovação, conforme a relevância da transação (tudo de forma documentada para, caso necessário, posterior verificação).

Adicionalmente, aparecem de forma inédita no Ofício:

(i) a necessidade de divulgação de planos de remuneração baseados em ações e de releases de resultados;

(ii) as informações que a CVM e a bolsa de valores ou entidade de mercado de balcão organizado devem receber relacionadas a formadores de mercado;

(iii) o entendimento do Colegiado da CVM de que pessoas jurídicas podem ser representadas em assembleias por seus representantes legais ou mandatários devidamente constituídos, não havendo assim a necessidade do mandatário ser acionista, administrador da companhia ou advogado; e

(iv) que a regra de que a preferência para adquirir ou subscrever ações de subsidiária integral para os acionistas da companhia aberta aplica-se apenas àquelas convertidas em subsidiárias integrais em razão de incorporação de ações, como já definido pelo Colegiado da CVM.

Para os casos de aumento de capital por subscrição privada, o Ofício agora inclui a necessidade de divulgação de determinadas informações (previstas Anexo 30-XXXII da Instrução CVM 480), caso a operação seja deliberada pelo conselho de administração (essas obrigações já existiam para aumentos de capital deliberados por assembleias gerais), tais como o concessão ou não de prazo final para revisão de investimento, no caso de colocação parcial das ações, e a necessidade de manifestação do conselho fiscal sobre a alteração do capital autorizado, caso as principais características do aumento de capital propriamente dito já estejam definidas e sejam de conhecimento dos acionistas, previamente à assembleia que deliberar sobre o aumento de capital autorizado.

Tendo em vista que as sociedades beneficiárias de recursos originários de incentivos fiscais, ou companhias incentivadas, devem ser registradas na CVM, o Ofício passa a contar com um capítulo específico sobre o tema, contando com orientações sobre o registro, bem como sua atualização, suspensão e cancelamento, registro simplificado e remissão de débitos.

No tocante ao Plano de Supervisão Baseada em Risco, a CVM pretende indicar seu tremendo esforço para coibir as negociações com informações privilegiadas, por meio do acompanhamento das informações divulgadas pelas companhias abertas em relação aos seus administradores e controladores. Nesse sentido, consta no Ofício que, desde 2014, a SEP analisa a totalidade das negociações realizadas pelos administradores, acionistas controladores diretos e pela própria companhia nos 15 dias que antecedem a divulgação das informações financeiras trimestrais e anuais.

Por fim, o último capítulo adicionado ao Ofício diz respeito às boas práticas a serem adotadas pelas companhias abertas, com recomendações sobre o conteúdo da política de divulgação e sobre a adoção de políticas de negociação, gerenciamento de riscos, transações com partes relacionadas e elaboração de calendário corporativo. O Ofício recomenda que o Formulário de Referência seja elaborado pela própria companhia e que conte com a colaboração de representantes de todas as áreas desta última. As recomendações ainda abrangem, entre outros, o momento de divulgação de informações relevantes; prazo de convocação de assembleias gerais; os deveres fiduciários de administradores de companhias abertas em operações de fusão; incorporação e incorporação de ações envolvendo sociedade controladora e controladas ou sob controle comum; a constituição de um comitê especial para a negociação da operação e a submissão de recomendações para o conselho de administração; divulgação de um relatório anual elaborado pelo comitê de auditoria; e a inclusão de candidatos a membros da administração indicados por acionistas não controladores nas Propostas da Administração a assembleias gerais.

O Ofício é um instrumento de consulta útil às companhias abertas e aos demais agentes do mercado, podendo ser acessado no endereço https://www.cvm.gov.br/port/atos/oficios/Oficio_Circular_SEP_n_02_2015.pdf.

___________

1 Para maiores informações a respeito da Instrução CVM 552, vide o artigo "A nova Instrução CVM nº 552 - Alterações às regras de disclosure das Companhias Abertas registradas na CVM".

___________

*Henrique da Silva Gordo Lang, Guilherme Sampaio Monteiro e Gustavo Ferrari Chauffaille são sócio e associados da área empresarial de Pinheiro Neto Advogados.








*Este artigo foi redigido meramente para fins de informação e debate, não devendo ser considerado uma opinião legal para qualquer operação ou negócio específico.

© 2015. Direitos Autorais reservados a PINHEIRO NETO ADVOGADOS

Atualizado em: 6/3/2015 13:37

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Gabriela Araujo Sandroni

Gabriela Araujo Sandroni

Migalheira desde 2020
Sérgio Roxo da Fonseca

Sérgio Roxo da Fonseca

Migalheiro desde 2004
Italo Bondezan Bordoni

Italo Bondezan Bordoni

Migalheiro desde 2019
René Ariel Dotti

René Ariel Dotti

Migalheiro desde 2006
Edvaldo Barreto Jr.

Edvaldo Barreto Jr.

Migalheiro desde 2020
Luis Felipe Salomão

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014
Ivan Esteves Barbosa

Ivan Esteves Barbosa

Migalheiro desde 2020
Antonio Pessoa Cardoso

Antonio Pessoa Cardoso

Migalheiro desde 2004
Vantuil Abdala

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008
Quésia Falcão de Dutra

Quésia Falcão de Dutra

Migalheira desde 2019
Agnaldo Bastos

Agnaldo Bastos

Migalheiro desde 2018

Publicidade