terça-feira, 24 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

O impacto das queimadas e incêndios florestais

A espécie humana vem evoluindo e aperfeiçoando suas técnicas de exploração dos recursos naturais. Nos lembramos constantemente da água como recurso vital, mas nos esquecemos do fogo.

terça-feira, 21 de março de 2006


O impacto das queimadas e incêndios florestais


Gustavo Brígido de Alvarenga Pedras*


Mark Pereira**


A espécie humana vem evoluindo e aperfeiçoando suas técnicas de exploração dos recursos naturais. Nos lembramos constantemente da água como recurso vital, mas nos esquecemos do fogo.


A descoberta do fogo permitiu, à primitiva humanidade, o deslocamento para outras regiões do planeta. Empurrado pela necessidade, com a caça e a coleta escassa, o homem descobriu uma nova forma de obter alimentos. Surgia a partir de então a agricultura. Sem motivos para mudar de lugar, o homem tornou-se sedentário. Cabia agora desenvolver técnicas e meios que proporcionassem o uso do solo a fim de facilitar e propagar as fronteiras agrícolas.


No Brasil, as queimadas estão associadas aos sistemas de produção mais primitivos, como os de caça e coleta dos indígenas e de pequenos produtores rurais. A falta de informação sobre métodos menos agressivos à natureza, provoca confusão entre as queimadas tropicais e os incêndios florestais.


Mais de 98% das queimadas praticadas no Brasil são de natureza agrícola. O agricultor decide quando e onde queimar. É uma prática controlada, desejada e faz parte do sistema de produção. Já os incêndios florestais são de natureza acidental, indesejados e difíceis de controlar, pois assolam, na maioria das vezes, os parques nacionais, geralmente localizados em regiões remotas e de difícil acesso.


O impacto ambiental das queimadas e incêndios florestais vem preocupando há décadas a comunidade científica, ambientalistas e a sociedade em geral, pois interferem na harmonia da biodiversidade e na saúde humana. Tais práticas também estão presentes em outras regiões do globo, sobretudo na savana africana, nas estepes russas e da Ásia central. A legislação brasileira, através da Política Nacional do Meio Ambiente, Lei 6.938/81, tem como instrumento de proteção dos recursos naturais um mecanismo denominado "avaliação de impactos ambientais", cuja função é a elaboração de um estudo antes de qualquer ação humana sobre o meio ambiente.


Nesse ínterim, o Direito Ambiental Internacional está em franco desenvolvimento e aceitação, servindo para dirimir os problemas de caráter global relacionado às atividades que causem conflitos de conseqüências ambientais entre países. Isto porque a poluição é transfronteiriça, ou seja, não respeita fronteiras. A fumaça de uma queimada em um estado poderá atingir outro, e até mesmo outro país, como acontece com a poluição das águas.


Estas queimadas afetam o solo, o ar, as águas, os mananciais, a fauna e a flora, atingindo amplamente o ecossistema, o que fere frontalmente as leis ambientais. A Organização das Nações Unidas comprovam que a grande porcentagem da emissão de dióxido de carbono na atmosfera brasileira é decorrente das queimadas, colocando nosso país entre os dez maiores poluidores do mundo.


Recentemente, um incêndio florestal na Bolívia colocou o Acre em estado de emergência, provocando um forte aumento no número de internações hospitalares e o fechamento de aeroportos devido à densa fumaça negra que se deslocou em direção ao estado brasileiro. Apesar do tamanho do território brasileiro, o governo afirma que dispõe dos meios mais modernos de monitoramento espacial e investimentos vêm sendo feitos todos os anos para amenizar tais impactos. Contudo, coibir essas práticas implica articulação de ações.


Desenvolver técnicas que substituam a utilização do fogo como agente de "limpeza" do terreno para o plantio é, sem dúvida, um grande desafio, sobretudo nos países do hemisfério sul, cuja prática é amplamente utilizada, e a indisponibilidade de recursos financeiros é um agravante dessa situação. É preciso apresentar soluções concretas ao agricultor, aliadas a políticas públicas que demonstrem eficiência e domínio do Poder Público na efetiva fiscalização e aplicação das leis.
________________


*Advogado e Diretor do IAMG - Instituto dos Advogados de Minas Gerais


**Estudante do 7º período - Universidade FUMEC







_____________________


Atualizado em: 20/3/2006 15:21

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Flávia Pereira Ribeiro

Migalheira desde 2019

Leonardo Quintiliano

Migalheiro desde 2019

Sérgio Roxo da Fonseca

Migalheiro desde 2004

Carlos Barbosa

Migalheiro desde 2019

Douglas Lima Goulart

Migalheiro desde 2020

Vanessa Mollo

Migalheira desde 2019

Luciane Bombach

Migalheira desde 2019

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015

Cesar de Lima e Silva

Migalheiro desde 2019

Anna Carolina Venturini

Migalheira desde 2014

Renato da Fonseca Janon

Migalheiro desde 2017

Publicidade