domingo, 25 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Novidades no compliance ambiental no Brasil

Com a lei anticorrupção (12.846/13), instrumentos de compliance passaram a abordar o atendimento a normas ambientais nacionais e internacionais.

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Com o surgimento da lei Federal 12.846/13, popularmente conhecida como lei anticorrupção, discussões sobre o tema compliance ganharam uma notória intensidade no mundo empresarial. 

Na área ambiental, diante da sensibilidade do assunto, do rigor das sanções e dos expressivos custos que envolvem medidas de reparação, instrumentos de compliance passaram a abordar o atendimento a normas ambientais nacionais e internacionais.

No Brasil, duas normas recentes merecem especial atenção: (i) a Resolução 4.327, de 25 de abril de 2014, do Banco Central do Brasil, e (ii) o Normativo SARB nº 14, de 28 de agosto de 2014, do Sistema de Autorregulação Bancária da Federação Brasileira de Bancos (FEBRABAN). 

A Rrsolução 4.327/14 instituiu a Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA). Para assegurar o cumprimento das diretrizes e dos objetivos das PRSAs a serem implementadas pelas instituições financeiras e demais instituições autorizadas, estas estariam obrigadas a realizar o gerenciamento do risco socioambiental, estabelecendo critérios e mecanismos específicos de avaliação de risco quando da realização de operações relacionadas a atividades econômicas com maior potencial de causar danos socioambientais.

Já o posterior Normativo SARB 14/14 especificou com mais detalhes tais critérios e mecanismos a serem observados na realização da avaliação e gestão dos riscos socioambientais dos projetos a serem financiados.

A referida norma aponta que operações consideradas de significativa exposição a riscos socioambientais devem passar por uma avaliação consistente e passível de verificação, com a análise de licenças ambientais, Certificados de Qualidade em Biossegurança emitidos pela Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) (quando for o caso), etc.

Apesar de tais normas terem natureza estritamente autorregulatória e serem destinadas a instituições financeiras, elas conferem maior segurança ao empresariado quanto ao que efetivamente será necessário para obter financiamentos e outros produtos e serviços, bem como indiretamente estimulam a criação e o aprimoramento de procedimentos de compliance ambiental no âmbito das empresas, impulsionando a consolidação da sustentabilidade como elemento indissociável da atividade empresarial no país.

____________________

*Roberta Danelon Leonhardt  é sócia do  escritório Machado, Meyer, Sendacz e Opice Advogados, na área ambiental.

Atualizado em: 13/8/2015 16:24

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS

Renato Henrique Caumo

Migalheiro desde 2006

Mariana Machado Pedroso

Migalheira desde 2016

Liliam F. Yoshikawa

Migalheira desde 2010

Renata Belmonte

Migalheira desde 2019

Mariana Saragoça

Migalheira desde 2014

Willian Pimentel

Migalheiro desde 2020

Jean Paulo Ruzzarin

Migalheiro desde 2020

Gaudêncio Torquato

Migalheiro desde 2005

Fernanda Neves Piva

Migalheira desde 2020

Marcelo Pacheco Machado

Migalheiro desde 2020

Antonio Ruiz Filho

Migalheiro desde 2015

Roberto Armelin

Migalheiro desde 2002

Publicidade