quinta-feira, 26 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Direito transitório, jurisprudência e a insegurança que nos aguarda

O direito processual transitório é mais complexo do que realmente aparenta.

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Em 1974, Galeno Lacerda publicou pioneira obra sobre direito processual transitório, através da qual delineava soluções a problemas que a entrada em vigor do atual Código de Processo Civil poderia trazer aos feitos pendentes.

Passados 41 anos da edição desse importante estudo, somos apresentados a um novo Código de Processo Civil (doravante denominado simplesmente NCPC) que, ao entrar em vigor, renovará o grande problema enfrentado pelo ilustre autor em sua obra histórica: qual lei deve ser aplicada aos feitos pendentes?

A resposta, em um primeiro momento, parece estar disposta no art. 1046, NCPC ["Ao entrar em vigor, este Código, suas disposições se aplicarão desde logo aos processos pendentes (...)"] e seus incisos, que adotou a mesma teoria do isolamento dos atos processuais que já vigora no atual art. 1211, CPC.

Seria certa a aplicação da lei nova a processos instaurados anteriormente à sua vigência, respeitada a eficácia dos atos processuais realizados, a serem analisados e valorados de acordo com a lei de seu tempo, de modo a garantir os direitos processuais adquiridos das partes (art. 6º, LICC e art. 200, NCPC).

Ou seja, em tese, a novel norma processual tem aplicação imediata aos feitos pendentes; contudo, "não pode atingir situações processuais já constituídas ou extintas sob o império da lei antiga, isto é, não pode ferir os respectivos direitos processuais adquiridos", como acentua GALENO LACERDA (LACERDA, Galeno, O novo direito processual civil e os feitos pendentes, Rio de Janeiro: Forense, 1974, p. 13).

A prática de foro, contudo, tem demonstrado que o direito processual transitório é mais complexo do que realmente aparenta.

Basta rememorarmos as diversas decisões conflitantes proferidas pelo Tribunal de Justiça de São Paulo e pelo Superior Tribunal de Justiça entre os anos de 2007 e 2009, acerca da aplicação do direito intertemporal no âmbito das Leis nºs 11.232/2005 e 11.382/2006, que, dentre outras alterações, reformaram a execução de títulos judiciais e extrajudiciais.

Algumas câmaras do Tribunal Bandeirante, baseando-se em critério radical da teoria da unidade processual, entenderam que "tendo sido iniciada a execução, descabe alterar o regime processual para aplicar disposição de lei nova" (AI 0036960-48.2006.8.26.0000, Rel. Des. Gilberto Pinto dos Santos, DJ. 15/2/07). Nessa direção é o voto condutor da lavra do des. Fernando Melo Bueno Filho, proferido nos autos do Agravo de Instrumento 0062309-53.2006.8.26.0000 (DJ. 5/3/07), em que se decidiu que "os processos de execução já iniciados, permanecem sob a regência das normas processuais anteriores". Esse posicionamento foi referendado posteriormente por decisão proferida no AI 0343441-46.2009.8.26.0000, Rel. Des. Teixeira Leite, DJ. 16/7/09.

A 3ª turma do STJ, ao julgar o REsp 962.362, foi ainda mais incisiva, ao afastar a incidência das novas regras da ação de execução de todas as sentenças condenatórias transitadas em julgado anteriormente à entrada em vigor da lei 11.232/05, "por simples falta de previsão à época" (Rel. Min. Humberto Gomes de Barros, DJ. 24/3/08), o que foi ratificado no REsp 978.746-RS (igualmente relatado pelo Min. Humberto Gomes de Barros e publicado no DJ. de 24/3/08).

Curiosamente, a mesma 3ª turma do STJ, que imunizou a aplicação da lei 11.232/05 às decisões transitadas antes de sua vigência, modificou seu entendimento ao julgar o MC 14.258-RJ (Rel. Min. Nancy Andrighi, DJ. 24/11/08), passando a defender que a multa do art. 475-J, CPC, poderia ser aplicada em todas as execuções em andamento, ainda que de forma retroativa, mediante avaliação individualizada do juízo de primeiro grau.

Adotando fundamentação similar à teoria das fases processuais, o Des. Roberto Mac Cracken, decidindo pedido de penhora online em ação de execução de título executivo extrajudicial, ajuizada no início de 2006, sustentou que "no caso, o início dos atos de constrição judicial tiveram início sob a égide do Código de Processo Civil, sem as alterações determinadas pela lei 11.382/06. Assim, o exaurimento dos atos de constrição judicial deverão ser promovidos pela sistemática legal vigente antes da entrada em vigor da nova lei, inclusive se atentando às orientações doutrinárias e jurisprudenciais aplicáveis à espécie" (TJ/SP, Agravo de instrumento 0026941-46.2007.8.26.0000, DJ. 16/8/07).

Finalmente, uma última corrente jurisprudencial do Tribunal Paulista orientou-se no sentido de que a nova lei processual tem aplicação imediata, mas o ato iniciado sob a égide da norma revogada, uma vez não consumado, não pode ser por ela alcançado, adotando-se expressamente a teoria da unidade dos atos processuais (Vide AI 0046768-43.2007.8.26.0000, Rel. Des. José Reynaldo, DJ. 17/10/2007; AI 0101187-13.2007.8.26.0000, Des. Rel. Paulo Alcides, DJ. 9/10/07; AI 9043954-02.2007.8.26.0000, Des. Rel. Vito Guglielmi, DJ. 29/11/07; AI 0038523-43.2007.8.26.0000, Rel. Des. Matheus Fontes, DJ. 21/8/07, dentre outros).

Ainda dentro desse norte jurisprudencial, ressalvou-se que permaneceriam regulados pela legislação revogada todos os atos e incidentes iniciados após a entrada em vigor da lei nova, mas ancorados diretamente em fatos ocorridos na vigência da legislação revogada (Agravo de instrumento 0021563-12.2007.8.26.0000, Des. Rel. Amado de Faria, DJ. 8/8/07; Agravo de instrumento 0042921-33.2007.8.26.0000, Des. Rel. Candido Alem, DJ. 30/10/07; Apelação 9194408-23.2009.8.26.0000, Rel. Des. Spencer Almeida Ferreira, DJ. 30/9/09; e Apelação 0079112-38.2011.8.26.0000, Rel. Des. Itamar Gaino, DJ. 21/1/09).

A título de exemplificação, se procedida a citação e nomeação de bens à penhora anteriormente à lei 11.382/06, todos os atos diretamente ligados a elas devem seguir o rito da lei antiga, inclusive os embargos que, naquela oportunidade, tinham efeito suspensivo, sob pena de ofensa direta ao inciso XXXVI do art. 5º, CF, e ao art. 6º, LICC, conforme excerto de voto da lavra do Des. Renato Rangel Desinano, proferido no Agravo de Instrumento 0038556-33.2007.8.26.0000 (DJ. 14/6/07).

Isso porque, o recebimento dos embargos não poderia ser considerado como um ato processual isolado, uma vez que é consequência de outros praticados sob a égide do regime anterior (citação e nomeação de bens à penhora), de modo que, ainda que tivesse ocorrido sob a vigência da lei nova, deveria respeitar as disposições anteriores.

A experiência, quanto à aplicação das leis 11.232/05 e 11.382/06 aos feitos pendentes, nos leva a identificar tendência jurisprudencial de aplicar imediatamente a nova lei processual, imunizando de sua influência, todavia, os atos já consumados e também aqueles iniciados sob a égide da norma revogada, mas ainda não perfeitos.

Trata-se, a nosso ver, da interpretação mais adequada ao princípio tempus regit actum, extraída a partir da conjugação dos arts. 6º, LICC, 200 e 1046, NCPC.

Ainda assim, os diferentes caminhos trilhados pela jurisprudência recomendavam um melhor detalhamento das regras de direito transitório, a fim de diminuir a possibilidade de existirem múltiplas vertentes jurisprudenciais, que criam gravíssima insegurança a advogados, juízes e jurisdicionados.

Há segurança para contar os prazos processuais na forma do art. 219, NCPC, sabendo-se da existência de julgados que adotaram a teoria da unidade processual aos feitos em andamento? Da mesma forma, como proceder quanto à nova sistemática de ajuizamento da reconvenção (art. 343, NCPC) e dos embargos infringentes (art. 942, NCPC)?

A preocupação não é infundada. Basta verificar que ainda se discute, por exemplo, a tempestividade dos embargos à execução opostos na vigência da atual sistemática, por devedor citado sob a égide da norma revogada (v.g. TJ/SP, Apelação 0003942-12.2007.8.26.0320, Des. Rel. Cardoso Neto, j. 30/9/13 e TJSP, Apelação 0116166-50.2007.8.26.0009, Rel. Des. Morais Pucci, j. 18/9/14).

Esse cenário de águas turvas parece indicar que enfrentaremos as mesmas mazelas combatidas por ocasião das reformas de 2005 e 2006.

Que Galeno Lacerda, mais uma vez, nos acuda.

_____________

*Diego Santiago y Caldo é advogado da banca Pacífico, Advogados Associados.

Atualizado em: 27/8/2015 13:47

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Justiliana Sousa

Migalheira desde 2020

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011

Selma Ferreira Lemes

Migalheira desde 2005

Renato de Mello Almada

Migalheiro desde 2008

Vanessa Mollo

Migalheira desde 2019

Márcio Aguiar

Migalheiro desde 2020

Paulo Henrique Cremoneze

Migalheiro desde 2019

Cesar de Lima e Silva

Migalheiro desde 2019

Camila Crespi Castro

Migalheira desde 2019

Láiza Ribeiro

Migalheira desde 2020

Henrique de Melo Pomini

Migalheiro desde 2020

Publicidade