sábado, 16 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Arbitragem no setor portuário

Carlos Augusto da Silveira Lobo

A importância de desenvolver a utilização da arbitragem para resolver os naturais conflitos que ocorrem entre a administração pública e as empresas portuárias.

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

O recente decreto 8.465, se autoqualifica na ementa como regulamento do § 1°do artigo 62 da lei 12.815, de 2013 (lei de Portos), que faculta o uso da arbitragem para dirimir os litígios relativos a inadimplemento por empresas portuárias, de tarifas ou outras obrigações financeiras, declarado por decisão administrativa final.

O § 1° do artigo 62 da lei de Portos existe em função do caput, segundo o qual decisões dessa natureza impedem o inadimplente de celebrar ou prorrogar contratos ou obter autorizações perante a administração pública. O propósito de facultar o inconformismo arbitragem é propiciar uma decisão célere e especializada aos litígios, que surgirem da inconformidade da empresa portuária com a decisão administrativa. A busca de uma solução menos demorada e devidamente informada por aspectos técnicos especializados consulta os interesses, tanto da administração pública quanto das empresas portuárias. Com efeito, a ambas interessa que a controvérsia não se prolongue, impedindo um agente econômico especializado e experimentado de participar de empreendimentos portuários durante a longa tramitação do um processo judicial em que o débito é discutido. Também é do interesse de ambas que o julgamento da controvérsia seja confiado a conhecedores do ambiente portuário e de sua legislação especial.

Assim, o § 1° do artigo 62 da lei dos Portos vem dar ensejo arbitragem no setor portuário, pressupondo que esse meio privado de resolução de conflitos não é acessível à administração pública, exceto quando especialmente admitido em lei. Se esse pressuposto fosse válido, o citado §1° teria relevância. Acontece que o pressuposto em foco, já enfraquecido por enfraquecido por entendimentos contrários da doutrina e da jurisprudência, caiu por terra com a recente lei 13.129, de 26 de maio de 2015 ("Nova lei de Arbitragem"), que veio dispor expressamente: "A administração pública direta ou indireta poderá utilizar-se da arbitragem para dirimir conflitos relativos a direitos patrimoniais disponíveis".

Foram revogadas destarte, por se terem tornado desnecessárias, todas as leis que permitiam, em caráter especial, a solução de litígios por meio de arbitragem em certos setores da administração pública. Dentre essas disposições especiais encontra-se o § 1° do artigo 62 da lei dos Portos.

 Confira a íntegra do artigo.

____________________

*Carlos Augusto da Silveira Lobo é sócio fundador do escritório Lobo & Ibeas Advogados.

Atualizado em: 28/8/2015 15:25

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Cesar de Lima e Silva

Cesar de Lima e Silva

Migalheiro desde 2019
Carla Domenico

Carla Domenico

Migalheira desde 2011
Douglas Lima Goulart

Douglas Lima Goulart

Migalheiro desde 2020
Camila Crespi Castro

Camila Crespi Castro

Migalheira desde 2019
Ivan Esteves Barbosa

Ivan Esteves Barbosa

Migalheiro desde 2020
Justiliana Sousa

Justiliana Sousa

Migalheira desde 2020
Alessandra Okuma

Alessandra Okuma

Migalheira desde 2020
Sérgio Roxo da Fonseca

Sérgio Roxo da Fonseca

Migalheiro desde 2004
Charline Pinheiro Dias

Charline Pinheiro Dias

Migalheira desde 2019
João Ibaixe Jr

João Ibaixe Jr

Migalheiro desde 2019
Quésia Falcão de Dutra

Quésia Falcão de Dutra

Migalheira desde 2019
Carla Louzada Marques

Carla Louzada Marques

Migalheira desde 2020

Publicidade