quinta-feira, 22 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Erro em divulgação de preço não obriga entrega de mercadoria

Carolina Teixeira de Miranda Guimarães

A diferenciação entre erro de precificação e publicidade enganosa ainda não está pacificado nos tribunais, devendo ser feita uma análise isolada de cada caso.

terça-feira, 13 de outubro de 2015

 Inicialmente, não se pode confundir o erro de precificação (divulgação de preço) com a publicidade enganosa, tendo em vista que esta é capaz de induzir o consumidor ao erro diante de informações inteira ou parcialmente falsas, sendo diferenciada do erro de anúncio pelo simples fato de ser uma prática abusiva intencional e de má-fé.

Conforme disposto no artigo 30 do CDC, toda informação ou publicidade veiculada obriga o fornecedor ao cumprimento da oferta, contudo, é possível observar que há decisões recentes dos tribunais brasileiros onde as aplicações das sanções provenientes deste artigo estão sendo relativizadas pelos tribunais, respeitando a particularidade de cada caso concreto.
Nem sempre os erros contidos nos informes publicitários obrigam o fornecedor ao cumprimento da oferta, pois não se pode simplesmente reconhecer uma obrigação, provando que houve um erro, e dela assegurar um direito.

Apesar do CDC ter adotado um sistema de normas e princípios orgânicos para proteger o consumidor e efetivar os seus direitos, essa temática deve ser tratada de maneira racional, até porque, havendo um erro considerável na oferta, não há como obrigar o fornecedor a cumprir o preço anunciado involuntariamente errado, sob pena de promover o enriquecimento sem causa do consumidor, o qual poderia levar vantagem indevida com a aquisição de produto por preço manifestamente incompatível com o de mercado.

Neste sentido, recente julgamento do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul em um caso de publicação com erro de precificação, a Ministra Relatora Juíza Ketlin Carla Pasa Casagrande ressaltou a aplicação dos princípios da boa-fé, equilíbrio e vedação ao enriquecimento sem causa, afastando a obrigatoriedade da oferta expressa nos arts. 30 e 35, inciso I, do Código de Defesa do Consumidor:

RELAÇÃO DE CONSUMO. ENTREGA DE PRODUTO. AQUISIÇÃO VIA INTERNET. CANCELAMENTO DECORRENTE DA PUBLICAÇÃO EQUIVOCADA DO VALOR, INCOMPATÍVEL COM O REAL PREÇO DE MERCADO. ERRO DE PRECIFICAÇÃO. PRINCÍPIO DA BOA-FÉ DO FORNECEDOR. VEDAÇÃO DO ENRIQUECIMENTO SEM CAUSA. SENTENÇA DE PROCEDÊNCIA REFORMADA. RECURSO PROVIDO. (Recurso Cível Nº 71004758926, Quarta Turma Recursal Cível, Turmas Recursais, Relator: Ketlin Carla Pasa Casagrande, Julgado em 25/02/2014)

O entendimento acerca da diferenciação entre erro de precificação e publicidade enganosa ainda não está pacificado nos tribunais do país, devendo ser feita uma análise isolada de cada caso concreto, a fim de ponderar a boa-fé na vinculação da oferta e na intenção do consumidor.  Isto porque o Poder Judiciário busca aplicar a harmonia que o CDC propõe nas relações de consumo, de modo que não haja vantagem excessiva para nenhuma das partes.

É importante que a empresa responsável pelo anúncio ao identificar o erro de precificação adote providencias céleres, demonstrando o interesse e a iniciativa na solução do problema causado involuntariamente; seja publicando a correção do anúncio (errata), como também disponibilizando todas as informações necessárias ao consumidor em relação ao cancelamento de eventual pedido do produto divulgado erroneamente ou em relação ao estorno/devolução de eventual pagamento recebido.

Por fim, os princípios são regras de conduta que norteiam o juiz na interpretação da norma e na análise de cada caso concreto, sendo certo que toda e qualquer divulgação de produtos no mercado deve ser pautada pela ética e boa-fé em todas as fases da negociação, assegurando que todos que fazem parte da cadeia de consumo estejam habilitados a exercer conscientemente a opção de consumo.

____________________

*Carolina Teixeira de Miranda Guimarães é advogada da banca Martorelli Advogados.

Atualizado em: 13/10/2015 09:19

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Camila Amaral

Migalheira desde 2020

Celso Umberto Luchesi

Migalheiro desde 2007

Aloisio Masson

Migalheiro desde 2012

Mariana Brandão Fantini

Migalheira desde 2020

Jimmy Deyglisson

Migalheiro desde 2018

Andréa de Melo Vergani

Migalheira desde 2019

Guilherme D.F. Dominguez

Migalheiro desde 2018

Márcio Aguiar

Migalheiro desde 2020

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003

Alvaro Loureiro Oliveira

Migalheiro desde 2019

Luiz Scarpino

Migalheiro desde 2012

Mary Elbe Queiroz

Migalheira desde 2013

André Luiz Padilha

Migalheiro desde 2020

Publicidade