sexta-feira, 4 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Gestão eficiente dos contratos de representação comercialpode evitar questionamentos judiciais

Fábio de Almeida Garcia

Esses ajustes contratuais também são de extrema importância com vistas a permitir que as empresas possam visualizar eventuais questionamentos judiciais preventivos.

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

A legislação que trata dos contratos de representação comercial é antiga, mas, ainda hoje, é comum que as empresas, no afã de concretizar vendas de produtos e/ou serviços, efetuem negócios sem a observância das condições e das disciplinas dos contratos de representação comercial.

Também é comum que os representantes comerciais deixem de efetuar suas atividades corretamente, não se atentando e observando questões que, muitas vezes, levam à rescisão dos contratos por parte das empresas.

Como prova disso, normalmente nos deparamos com questões relativas à aplicação de multas e de penalidades decorrentes da rescisão de contratos, seja em razão da redução imotivada dos percentuais de comissão acordados entre os representantes e as empresas representadas, seja pela redução da esfera de atividade prevista no contrato e a retenção indevida de comissões legítimas.

Nesses casos, por exemplo, parte da jurisprudência dos tribunais vem acatando o entendimento de que, além de eventuais multas por descumprimento contratual, a empresa representada fica obrigada a pagar aos representantes os valores de comissões devidas por eventuais vendas ou por pedidos realizados até a declaração judicial da rescisão do contrato.

Também é comum a ocorrência de atividade irregular por parte dos representantes comerciais, que, muitas vezes, não possuem os registros obrigatórios em órgãos (conselhos federais e regionais), fato esse que constitui motivo justo para a rescisão do contrato, segundo a legislação vigente.

Outro ponto importante é que, muitas vezes, justamente por operarem sem a observância das previsões legais, os representantes podem gerar, diretamente, passivos para as empresas representadas, que acabam sendo responsabilizadas civil e objetivamente por ações e omissões dos representantes, de terceiros ou de prepostos envolvidos.

Em razão desses possíveis percalços, recomenda-se a revisão contratual e de procedimentos já realizados, tanto por parte dos representantes comerciais como pelas empresas representadas. O objetivo é verificar o cumprimento das condições contratuais e sua execução, desde as formalidades até a maneira de seu cumprimento.

Esses ajustes contratuais também são de extrema importância com vistas a permitir que as empresas possam visualizar eventuais questionamentos judiciais preventivos, com vistas a reduzir passivos e contingências futuras decorrentes da má gestão contratual.

O intuito dessas revisões não é criar burocracia, mas sim alinhar eventuais pontos de atenção, adequando os contratos à legislação em vigor, visando, principalmente, à manutenção da parceria profissional entre representantes e representadas, sempre tendo em vista o interesse em concretizar novos negócios de maneira rentável e efetiva.

____________________

*Fábio de Almeida Garcia é sócio da divisão do contencioso do escritório Braga & Moreno Consultores e Advogados.

BRAGA E MORENO CONSULTORES JURIDICOS E ADVOGADOS

Atualizado em: 19/11/2015 17:00

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003

Edvaldo Barreto Jr.

Migalheiro desde 2020

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005

Teresa Arruda Alvim

Migalheira desde 2006

Celso Wanzo

Migalheiro desde 2019

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018

Ivo Ricardo Lozekam

Migalheiro desde 2020

Quésia Falcão de Dutra

Migalheira desde 2019

Henrique de Melo Pomini

Migalheiro desde 2020

Valmir Pontes Filho

Migalheiro desde 2004

Gilberto Bercovici

Migalheiro desde 2007

Publicidade