terça-feira, 24 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

2016 começa com 'nova' substituição tributária

O cenário é complexo e exige, entre outros procedimentos, que as empresas revisem criteriosamente as classificações fiscais atualmente adotadas.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Como é costumeiro, o Fisco adota, ao final de cada ano, importantes alterações tributárias. Em 2015 não foi diferente: a publicação do Convênio ICMS nº 92/15 instituiu uma verdadeira revolução no regime de substituição tributária.

Tendo como objetivo estabelecer a uniformização e a identificação das mercadorias passíveis de sujeição aos regimes de ST e de antecipação de recolhimento do ICMS, o convênio exclui uma série de bens de tais sistemáticas, o que, de imediato, leva o contribuinte a adotar duas medidas:

  • Confrontar a lista anexa ao convênio com a legislação interna de cada um dos Estados em que opera; e

  • Levantar o estoque para fins de creditamento, haja vista o retorno de alguns bens para a sistemática ordinária de tributação.

E é justamente nesse ponto que os problemas começam.

Uma vez definido quais são os produtos sujeitos à ST, as empresas deverão adequar as classificações fiscais (NCMs) e descrições até então adotadas àquelas constantes nos anexos do convênio, as quais poderão apresentar discrepância com a legislação federal (hipótese prevista pelo próprio convênio).

Ao ajustar-se aos novos critérios estabelecidos pelo Convênio nº 92, o contribuinte poderá expor suas operações a questionamentos federais, notadamente no que diz respeito à classificação fiscal até então adotada, o que, como se sabe, pode alterar significativamente a carga de IPI incidente em determinada industrialização/importação.

Quanto ao levantamento de estoque, além da burocracia e do custo que envolve tal procedimento, a legislação não é clara quanto aos contribuintes que teriam direito ao aproveitamento de créditos dele resultante, o que acarreta insegurança jurídica às empresas. E mais: ao tornar parcela do ICMS-ST recuperável, o levantamento em questão poderá ter reflexos na apuração do PIS/Cofins.

A lista de potenciais problemas é extensa: a redação adotada por uma de suas cláusulas sugere que a utilização do nome comercial de determinado produto somente seria possível na hipótese de o Estado envolvido adotar o critério da pauta fiscal como base de cálculo do imposto, o que é raro atualmente.

Além disso, exige-se das empresas a adoção do Código Especificador da Substituição Tributária(Cest), que, além de implicar custo adicional de adaptação de sistemas e rotinas internas, deverá ser informado mesmo nas operações não sujeitas à ST, o que potencialmente acarretará questionamentos nas fronteiras e em apreensão de mercadorias.

O cenário é complexo e exige, entre outros procedimentos, que as empresas revisem criteriosamente as classificações fiscais atualmente adotadas com o intuito de minimizar os reflexos na esfera federal, enquadrar seus produtos no regime de tributação adequado e, por conseguinte, evitar dispêndios e questionamentos desnecessários.

_________

*Thiago Garbelotti é sócio da Divisão de Consultoria Braga & Moreno Consultores e Advogados.

Atualizado em: 5/2/2016 13:47

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Gilberto Giusti

Migalheiro desde 2003

Guilherme Alberge Reis

Migalheiro desde 2020

Ricardo Trajano Valente

Migalheiro desde 2020

Giselle Farinhas

Migalheira desde 2017

Ricardo Alves de Lima

Migalheiro desde 2020

Pedro Dalese

Migalheiro desde 2020

Ronaldo de Jesus

Migalheiro desde 2019

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

Gisele Nascimento

Migalheira desde 2017

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014

Italo Bondezan Bordoni

Migalheiro desde 2019

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Luís Roberto Barroso

Migalheiro desde 2003

Publicidade