sábado, 5 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Atraso de obra não gera dano moral

Eliasi Vieira da Silva Neto

Em que pese a existência de responsabilidade pelos danos decorrentes do descumprimento de prazo contratual, estes não devem ser entendidos como prejuízos que conspurquem a moral.

quinta-feira, 10 de março de 2016

A retração do mercado imobiliário, até outubro de 2015, foi de aproximadamente 31%, segundo a EMBRAESP (Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio)1. Na mesma proporção em que as crises política e econômica se alastram sobre o setor, cresce o número de demandas judiciais propostas pelos consumidores em face das construtoras, tendo como discussão principal, na maioria das vezes, o atraso de obra.

Dentre as diversas espécies possíveis de ações judiciais para solução dos conflitos em torno do tema, surge a necessidade de se propor uma premissa para questão até então controversa, qual seja, o cabimento de indenização por danos morais em razão dos atrasos operados pelas construtoras e o excesso, ou não, do mero dissabor cotidiano (que não configura abalo à honra) quando da quebra da expectativa de recebimento de imóvel.

A corrente jurisprudencial majoritária entende que deve recair sobre a construtora a responsabilidade pelos danos causados aos consumidores (art. 14 CDC e art. 927, p.u., CPC), independentemente da existência de culpa - art. 14 , § 3º-, em respeito ao risco inerente à atividade. Para a referida corrente, caberia à construtora a estimativa prévia de todos os possíveis fatores e riscos capazes de postergar o prazo de entrega da obra.2

Dentre tais prejuízos, excepcionam-se os danos morais, entretanto. Isso porque o dano moral -art. 186 do CC - deve ser entendido como o prejuízo que conspurque a moral, a imagem ou a dignidade de alguém. Tal mácula deve ser tida de maneira que o cidadão, ao sofrer impacto significativo em sua honra subjetiva, faça jus a uma reparação, o que não se verifica em um simples prazo para conclusão de empreendimento imobiliário.

Somado a isso, em muitos dos casos as construtoras repassam aos promitentes compradores notificações acerca da evolução da obra, o que inclui os possíveis reajustes de prazo e demais percalços capazes de influenciar prorrogação da entrega, o que configura o atendimento aos Princípios da Trânsparência e da Informação, positivados nos arts. 4º e 6º do Código de Defesa do Consumidor, respectivamente, afastando o efetivo abalo à personalidade, transformando-o em simples frustração pelo inadimplemento.

Ratificando o tema, já se posicionou o STJ, quando do julgamento do REsp 1.129.8813, no qual o ministro relator Massami Uyeda fundamentou que, salvo circunstância excepcional que coloque o contratante em situação de extraordinária angústia ou humilhação, não há dano moral, pois o dissabor inerente à expectativa frustrada decorrente de inadimplemento contratual se insere no cotidiano das relações comerciais e não implica lesão à honra ou violação da dignidade humana.

Com o mesmo entendimento se posicionou recentemente o Tribunal de Justiça de Pernambuco, quando do julgamento da apelação cível nº 377443-0, decisão em que esclareceu não restarem configurados danos morais oriundos de puro atraso na entrega de imóvel adquirido através de contrato de compra e venda. Ou seja, mais uma vez se ratificou a impossibilidade de concessão de tal verba atrelada a mero inadimplemento contratual.

Logo, conclui-se que, respeitando-se as exceções em casos concretos, modo geral as construtoras, em que pese a existência de responsabilidade pelos danos decorrentes do descumprimento de prazo contratual - muitas vezes decorrente da própria conjuntura econômica - não estão, segundo diposição da lei, lesando moralmente os seus consumidores na acepção específica do instituto, uma vez que tal dano não surge de forma automática, tampouco vinculado ao inadimplemento.
______________________

1
http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2016/01/1726266-crise-desestrutura-setor-de-imoveis-e-cria-gargalo-futuro.shtml.
2 TJ-MG - AC: 10024102132859001 MG, Relator: José Flávio de Almeida, Data de Julgamento: 11/12/2013, Câmaras Cíveis / 12ª CÂMARA CÍVEL, Data de Publicação: 19/12/2013
3 REsp 1129881/RJ, Rel. Ministro MASSAMI UYEDA, TERCEIRA TURMA, julgado em 15/09/2011, DJe 19/12/2011.


______________________

*Eliasi Vieira da Silva Neto é advogado do escritório Martorelli Advogados.

Atualizado em: 9/3/2016 12:20

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Paulo Henrique Cremoneze

Migalheiro desde 2019

Carolina Amorim

Migalheira desde 2020

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Luís Roberto Barroso

Migalheiro desde 2003

Valmir Pontes Filho

Migalheiro desde 2004

Ricardo Trajano Valente

Migalheiro desde 2020

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018

Renato de Mello Almada

Migalheiro desde 2008

Celso Wanzo

Migalheiro desde 2019

Flávia Pereira Ribeiro

Migalheira desde 2019

Publicidade