quarta-feira, 21 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Federação e Contribuições

Como se vê nas notícias dos últimos dias, os Estados e os Municípios esforçam-se para negociar com o Governo Federal a repartição das receitas obtidas com as contribuições, tais como a CIDE e a CPMF.

quarta-feira, 20 de agosto de 2003

Federação e Contribuições

 

Raquel Cavalcanti Ramos Machado*

 

Como se vê nas notícias dos últimos dias, os Estados e os Municípios esforçam-se para negociar com o Governo Federal a repartição das receitas obtidas com as contribuições, tais como a CIDE e a CPMF.

 

O Governo Federal cedeu apenas em parte a essas pressões, com relação à CIDE dos combustíveis, uma vez que não é possível negar que os Estados têm efetivo e evidente direito sobre o valor arrecadado com essa contribuição, já que a mesma, não obstante seja tributo federal, incide sobre fato gerador que, nos termos da Constituição Federal, é de competência própria dos Estados que o tributam com o ICMS.

 

Seja como for, existe algo importante com relação a essa reivindicação dos Estados e Municípios que não pode ser ignorado: trata-se do abusivo uso pelo Governo Federal das contribuições, que tanto cria novas contribuições, como majora constantemente as existentes, quando o normal seria aumentar e criar impostos. Praticamente, para o ônus do contribuinte, pode parecer que não existe diferença entre majorar e criar uma contribuição ou majorar e criar um imposto, pois ambas as situações implicariam aumento da carga tributária. Ocorre que, nos termos da Constituição atual, os Estados e Municípios não participam da receita obtida com a arrecadação das contribuições, mas participam da receita arrecadada com os impostos. Assim, a substituição gradativa de parte considerável da arrecadação com os impostos por contribuições significa a diminuição da arrecadação dos Estados e Municípios e o aumento da arrecadação da União Federal. Exemplo disso é o que ocorre em relação ao Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas e a Contribuição Social sobre o Lucro - CSSL. Sempre que pretende aumentar a tributação sobre o lucro das pessoas jurídicas, a União prefere majorar a CSSL ao Imposto de Renda, pela simples razão de que não terá de repartir a receita respectiva com nenhum dos demais membros da federação. É certo que a CSSL deveria ir para o caixa da seguridade social, mas na prática não vai, seu destino é o caixa do Tesouro Nacional sem qualquer participação, como dito, dos Estados e Municípios. Assim, gradativamente, Estados e Municípios têm sua receita diminuída.

 

Então, poder-se-ia perguntar: qual o problema de a arrecadação da União aumentar e a dos demais entes federativos diminuir? A resposta é simples: o problema é a centralização do poder, que a Constituição Federal em tantas normas tentou evitar, e que implica a gradativa supressão da forma federativa de Estado. Com a diminuição da efetividade da federação, Estados e Municípios têm de ficar, como agora, ajustando-se à política do governo federal para conseguir verbas indispensáveis para o exercício de suas atribuições.

 

Ora, não é possível que para consertar a rua tal da cidadezinha tal, o prefeito vá ter de barganhar com o presidente lá em Brasília, que não liga para a cidadezinha e só liberará a verba respectiva se o prefeito falar com seu amigo deputado federal para aprovar a lei tal cujo projeto foi apresentado pelo presidente. Em qualquer caso, e isso é o pior, a decisão de consertar a rua, ou não, fica inteiramente nas mãos da União Federal, desaparecendo a autonomia do Município correspondente.

 

O intérprete do Direito, ao julgar a constitucionalidade do uso de contribuições pelo Governo Federal não pode ignorar essa realidade. Do mesmo modo, os deputados, ao votarem a reforma tributária, também devem considerá-la.

 

_________________

 

* Advogada e Membro do Instituto Cearense de Estudos Tributários

___________________

Atualizado em: 19/8/2003 12:52

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Brenda Guerra

Migalheira desde 2020

Rafael Mafei Rabelo

Migalheiro desde 2009

Luciano Malara

Migalheiro desde 2008

Fabio Campista

Migalheiro desde 2018

Roberto Beijato Junior

Migalheiro desde 2018

Adeildo Nunes

Migalheiro desde 2003

Bruno Sant Anna Fioratti

Migalheiro desde 2020

Luiz Flávio Gomes

Migalheiro desde 2006

Daniel Ruy

Migalheiro desde 2013

Clarissa Somesom Tauk

Migalheira desde 2020

Leonel Siqueira

Migalheiro desde 2020

Publicidade