sexta-feira, 15 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Trabalho em home office e a segurança e higiene do trabalho

Para o empregado, há muitas vantagens neste modelo de trabalho na medida em que desfrutam de maior flexibilidade de horários, economia de tempo pela eliminação do trajeto casa-trabalho-casa, redução de custos, e consequentemente, melhoria na qualidade de vida.

terça-feira, 11 de julho de 2017

O teletrabalho, mais comumente chamado de Home Office é fruto de uma sociedade cada vez mais globalizada e atenta às necessidades do mercado, tais como a flexibilidade, mobilidade e rapidez na troca de informações.

Com a crise econômica, cada vez mais presente no Brasil e no mundo, o teletrabalho ganhou importância, uma vez que promove a redução de custos pelas empresas, corte de gastos com transporte de funcionários e com infraestrutura da produção.

Para o empregado, há muitas vantagens neste modelo de trabalho na medida em que desfrutam de maior flexibilidade de horários, economia de tempo pela eliminação do trajeto casa-trabalho-casa, redução de custos, e consequentemente, melhoria na qualidade de vida.

Importante ressaltar que o teletrabalho tem crescido a cada dia nas grandes cidades como São Paulo, e a adesão por este modelo tem aumentado pelas empresas e órgãos públicos. Exemplo disso é a recente adesão ao teletrabalho pelo TRF da 4ª Região, pelo TST e TJ/SP.

Criticas se faz ao sistema, como o isolamento social do trabalhador, indisciplina, falta de fiscalização e possível aumento da carga de trabalho. Ainda, relevante mencionar que o empregador não teria responsabilidade quanto à higiene e segurança do trabalho, pelo menos em tese, uma vez que não tem como fiscalizar o ambiente de trabalho e a forma como se trabalha. Há decisões judiciais neste sentido:

ADICIONAL DE INSALUBRIDADE. As atividades desenvolvidas na residência da empregada, não comportam qualquer ingerência do empregador, não cabendo a este responder pelas condições ambientais no local de trabalho." (TRIBUNAL: 4ª Região - DECISÃO: 13/3/97 - REO/RO NUM: 95.021719-0 ANO: 1995 - 3a. TURMA - 14/4/97 - Relator JUIZ ARMANDO CUNHA MACEDONIA FRANCO).

Advoga a reclamada, ora embargante, que o acórdão padece de omissão porque não teria examinado a sua assertiva de que o reclamante não faz jus ao pagamento do adicional de periculosidade porque, a partir de março de 1999, deixou de trabalhar nas dependências da fábrica, passando a laborar em regime de "home office", ou seja, na sua residência, sem qualquer contato com produtos inflamáveis e/ou explosivos.

O acórdão embargado padece da omissão apontada, irregularidade que ora se sana.

Reconheço que o empregado não tem direito adquirido ao recebimento do adicional de periculosidade ou insalubridade, sendo lícita a supressão do pagamento desde que cesse o labor em condições perigosas ou insalubres. (ACÓRDÃO 12457/08 2ª. TURMA EMBARGOS DE DECLARAÇÃO 00237-2007-038-05-00-0-ED)

Entretanto, a questão ainda é controvertida no TST. Existem decisões condenando empresas a pagarem indenização aos empregados que sofreram acidentes de trabalho ou contraíram doenças laborais.

Desta maneira, as empresas devem estar atentas a essas questões, principalmente quanto ergonomia no ambiente de trabalho Home Office, minimizando riscos de acidentes e eventuais condenações judiciais.

____________________

*Ruy Euríbio da Silva é engenheiro de segurança do Trabalho e diretor executivo da Conserto Consultoria.

Atualizado em: 10/7/2017 09:57

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Marília Lira de Farias

Marília Lira de Farias

Migalheira desde 2020
João Paulo Saraiva

João Paulo Saraiva

Migalheiro desde 2019
Levi Rezende Lopes

Levi Rezende Lopes

Migalheiro desde 2020
Charline Pinheiro Dias

Charline Pinheiro Dias

Migalheira desde 2019
Paulo Henrique Cremoneze

Paulo Henrique Cremoneze

Migalheiro desde 2019
Almir Pazzianotto Pinto

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003
Gilberto Giusti

Gilberto Giusti

Migalheiro desde 2003
Jones Figueirêdo Alves

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011
Miguel Reale Júnior

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003
Ricardo Penteado

Ricardo Penteado

Migalheiro desde 2008
Julio Cesar dos Santos

Julio Cesar dos Santos

Migalheiro desde 2019

Publicidade