terça-feira, 20 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Decisão do STF suspende o andamento das reclamações trabalhistas de caminhoneiros

O tema em discussão é importantíssimo e não se resolve quando a reforma trabalhista previu de forma expressa a possibilidade de se terceirizar a atividade fim. Trata-se de tema que, julgado, apresentará a visão do STF sobre temas correlatos, como a própria prevalência da lei perante as súmulas, o que não se deveria discutir, mas é realidade nos tribunais trabalhistas.

quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

Há tempos a lei 11.442/07 é objeto de discussão nos tribunais trabalhistas, decorrência das limitações impostas pela súmula 331 do TST, quanto à terceirização da atividade fim e a regulamentação do transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros sem a caracterização do vínculo de emprego, por meio dos Transportadores Autônomos de Carga - TAC e, das Empresas de Transporte Rodoviários de Cargas - ETC. Alheio à previsão legal, os tribunais trabalhistas, por vezes divididos, muitas vezes unânimes, faziam ouvidos moucos à lei e aplicavam, indistintamente, a súmula 331 do TST, para descaracterizar a contratação nos termos da lei 11.442/07 e, tratando os tipos contratuais previstos na norma como se terceirização fossem, declarar o vínculo de emprego em razão da terceirização da atividade fim.

Ocorre que a lei 11.442/07 socorre, preferencialmente, as transportadoras, seja para o exercício e organização da sua atividade regular, seja para dar maior dinamismo e fluidez nas hipóteses em que um maior número de movimentação de carga seja exigido. A ausência da relação de emprego entre as partes celebrantes dos contratos previstos na lei é expressa - "as relações decorrentes do contrato de transporte de cargas de que trata o art. 4º desta Lei são sempre de natureza comercial, não ensejando, em nenhuma hipótese, a caracterização de vínculo de emprego."

Ainda assim, os tribunais do trabalho aplicam a súmula 331, TST, em objetivo detrimento da lei 11.442/07. Há tribunais regionais, inclusive, nos quais o desprestígio à lei 11.442/07 é unânime. No TST a matéria é controvertida.

Agora, após 10 anos de vigência da lei de transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração, a Confederação Nacional do Transporte manejou ADC ao STF, a questionar a efetiva constitucionalidade da lei 11.442/07, especificamente quando prevê a ausência do vínculo de emprego e a validade dos contratos.

A ação foi distribuída ao ministro Roberto Barroso que, em decisão de caráter cautelar proferida no dia 19/12/17, publicada em 27/12/17, determinou a suspensão imediata de todos os processos que envolvam a aplicação dos artigos 1º, caput, artigo 2º, parágrafos 1º e 2º, artigo 4º, parágrafos 1º e 2º e artigo 5º, caput, da lei 11.442/07, até que a ADC seja julgada, determinando-se rápida inclusão do processo em pauta ao plenário do STF, para ratificação da cautelar e posterior julgamento do mérito.

Dessa forma, todas as ações nas quais se questiona a aplicação da lei 11.442/07, aquelas nas quais são revisitados os contratos celebrados com Transportadores Autônomos de Carga - TAC - ou das Empresas de Transporte Rodoviários de Cargas- ETC, especificamente quando os contratos são questionados quanto à sua validade em alternativa ao vínculo de emprego, devem ter a tramitação suspensa, até que a matéria seja decidida pelo STF. São ações que, em regra, tramitam perante a Justiça do Trabalho.

O tema em discussão é importantíssimo e não se resolve quando a reforma trabalhista previu de forma expressa a possibilidade de se terceirizar a atividade fim. Trata-se de tema que, julgado, apresentará a visão do STF sobre temas correlatos, como a própria prevalência da lei perante as súmulas, o que não se deveria discutir, mas é realidade nos tribunais trabalhistas.
__________________

Luiz Fernando Plens de Quevedo é advogado do escritório Giamundo Neto Advogados.

Atualizado em: 24/1/2018 09:41

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Anna Paola Bonagura

Migalheira desde 2016

Gabriella Totti

Migalheira desde 2020

João Vieira Neto

Migalheiro desde 2017

Fernanda Neves Piva

Migalheira desde 2020

Mauro Argachoff

Migalheiro desde 2019

Clóvis Guido Debiasi

Migalheiro desde 2011

Asdrubal Júnior

Migalheiro desde 2004

Luciano Andrade Pinheiro

Migalheiro desde 2016

Eduardo Muylaert

Migalheiro desde 2020

Marcos Tavares Leite

Migalheiro desde 2020

Luciana Celidonio

Migalheira desde 2019

Publicidade