terça-feira, 24 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

O desserviço do STF

Gustavo de Castro Afonso e Edson Smaniotto

É inconcebível que a Corte Suprema trilhe caminho para atingir um resultado, sem se importar com o que diz a CF.

quinta-feira, 12 de abril de 2018

O STF é o guardião da Constituição da República - ou deveria, de fato, sê-lo.

O julgamento do HC de Lula expõe o abismo que existe na Corte em relação aos seus membros, ganhando destaque a adoção de estratagemas jurídicos sem qualquer correspondência lógica.

O fato de não terem sido pautadas - antes do HC de Lula, que é um caso particular - as ações que discutem exatamente a constitucionalidade do entendimento sufragado pela Corte em relação à possibilidade de prisão do réu após a condenação em segunda instância não se justifica, em absoluto.

De fato, embora o habeas corpus seja um remédio preferencial para fins de julgamento, a inversão dessa ordem, no caso em análise, é sem sentido, pois o então paciente - Luis Inácio Lula da Silva -, agora preso, poderá ser colocado novamente em liberdade, a depender do resultado do julgamento das referidas ações.

Muito movimento, pouca efetividade.

Isso o senso comum não alcança.

Considerado como o ponto central do resultado do julgamento do referido HC (e de fato o foi), chama a atenção o voto da Ministra Rosa Weber, que embora tenha deixado claro que não se coaduna com a prisão antes do trânsito em julgado da sentença penal condenatória e tanto pior, acenando que esse será seu posicionamento em outro momento (ou seja, quando da análise das ações mencionadas), colocou-se numa cômoda, mas muito estranha posição de defensora da colegialidade, como se a jurisprudência do STF fosse algo mais amplo do que a própria Constituição Federal.

E tudo isso, quem viver verá, para mais tarde, em outros autos, pronunciar que é a favor da tese veiculada no HC de Lula.

É inconcebível que a Corte Suprema trilhe caminho para atingir um resultado, sem se importar com o que diz a CF - no caso, a prisão de Lula, ou de quem quer que fosse. Causa ainda mais espanto que um julgador, driblando suas próprias convicções, adira a esse estratagema, expondo a fragilidade do Tribunal que, enfim, se curvou a critérios no mínimo duvidosos e à pressão das ruas.

A grande questão é que aqueles que aplaudem o resultado daquele emblemático julgamento parecem não enxergar além.

Quando a Constituição expressa, com todas as letras, que "ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória" (art. 5º, LVII), não há qualquer dúvida no alcance desse enunciado - elevado a cláusula pétrea, seria bom relembrar.

Aliás, uma das maiores garantias que se pode conceder ao cidadão que integra um Estado Democrático de Direito é o da liberdade, ou tanto melhor, a presunção de sua inocência até que se esgotem todos os meios jurídicos que o próprio sistema lhe facultou para fazer valer essa garantia. Afinal, qualquer um pode ser acusado, injustamente, pelo Estado. Ninguém está fora do sistema jurídico ou imune a ele.

Vale lembrar que historicamente já se discutiu a liberdade, via habeas corpus, em simples pedaço de papel redigido pelo próprio réu encarcerado, tamanha a amplitude desse sistema.

Porém, sem apego aos contornos políticos do caso, Lula pagou caro pela figura que representa. Mas o que causa preocupação, diante de tudo isso, é o descompromisso da Corte Maior do País com a Constituição que deveria por ela ser guardada.

Sem embargo da grandeza de muitos dos integrantes daquela Corte, não há o que se interpretar na cláusula pétrea em apreço. Não existe quase trânsito em julgado. Qualquer interpretação a contrario sensu da clareza dessa garantia constitucional é um ataque direto aos seus termos, sem mais, nem menos. É um desserviço. É o guardião ferindo o seu dever, enquanto a Constituição segue órfã, sem amparo ou efetiva tutela.

Vivemos tempos difíceis, em que aqueles que deveriam resguardar a cara garantia da liberdade e presunção de inocência - conquistada após um Estado de Exceção, também é bom lembrar - deixam se levar por questões políticas. Uns aplaudem e outros silenciam quando um general faz ameaças veladas à democracia, como se viu recentemente, o que é, no mínimo, preocupante.

Que se alterem as leis, que se reduzam os ritos processuais, tudo em nome da celeridade e do combate à impunidade. Até lá, aqueles que, fora do senso comum, enxerguem a anomalia jurídica criada pelo STF no julgamento do HC de Lula, que não se calem, a bem da Constituição Federal. Que haja tempo para se corrigir tamanho estrago, que atinge não apenas um cidadão, senão a todos.

______________

*Gustavo de Castro Afonso é sócio do escritório Smaniotto, Castro & Barros Advogados.

*Edson Smaniotto é sócio do escritório Smaniotto, Castro & Barros Advogados.

Atualizado em: 11/4/2018 10:31

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Paulo Henrique Cremoneze

Migalheiro desde 2019

Levi Rezende Lopes

Migalheiro desde 2020

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003

Allan de Oliveira Kuwer

Migalheiro desde 2020

Sérgio Roxo da Fonseca

Migalheiro desde 2004

Carla Domenico

Migalheira desde 2011

Teresa Arruda Alvim

Migalheira desde 2006

Maria Berenice Dias

Migalheira desde 2002

Láiza Ribeiro

Migalheira desde 2020

Valmir Pontes Filho

Migalheiro desde 2004

Pablo Domingues

Migalheiro desde 2017

Vanessa Mollo

Migalheira desde 2019

Renato de Mello Almada

Migalheiro desde 2008

Justiliana Sousa

Migalheira desde 2020

Publicidade