terça-feira, 1 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Greve política, pode?

A realidade social é que muitas vezes há greves (política ou de solidariedade) como meio de coagir o poder público ou outros empregadores sendo que a política são greves de protesto contra atos de autoridade administrativa ou, genericamente, contra a carestia, ou mesmo, contra propostas legislativas em curso.

quarta-feira, 6 de junho de 2018

A greve política entrou em uso recentemente em 2017 no Brasil contra as reformas trabalhistas e previdenciárias. A chamada "greve" dos caminhoneiros teve como umas das bandeiras a bizarra necessidade de intervenção militar e, ainda mais recentemente, a paralisação dos petroleiros clama por uma política de atuação da Petrobras.

 

A realidade social é que muitas vezes há greves (política ou de solidariedade) como meio de coagir o poder público ou outros empregadores sendo que a política são greves de protesto contra atos de autoridade administrativa ou, genericamente, contra a carestia, ou mesmo, contra propostas legislativas em curso.

 

As legislações e doutrinas variam quanto à sua possibilidade legal, seja permitindo a greve, em seu sentido lato, inclusive as greves de solidariedade e de protesto, como instrumento de pressão contra o Estado; ora definindo conceito estrito, somente trabalhista: só admite greves para obter melhores condições de trabalho para os grevistas.

 

A Constituição Federal de 1988, em seu art. 9º caput, não trata sobre a possibilidade da greve política mas diz "é assegurado o direito de greve, compelindo aos trabalhadores sobre a oportunidade de exercê-lo e sobre os interesses que por meio dela defender" e que a lei de greve, a lei 7.783/89 (art.1º) apenas proíbe.

 

 

A lei 7.783/89 (lei de greve) limita a possibilidade ao que estiver ao alcance do empregador já que a mesma corresponde a uma pauta de reivindicações apresentadas ao empregador e não aceitas.

 

No campo do direito internacional o Comitê de Liberdade Sindical da OIT tem considerado que a declaração de ilegalidade de greve nacional de protesto contra as consequências sociais e trabalhistas da política econômica do governo e sua proibição constituem grave violação da liberdade sindical (OIT, 1996, § 493).

 

Há dificuldades muitas vezes em traçar linha de demarcação entre greve política e greve profissional e que o conceito de bem-estar social e da condição humana como direito fundamental abrange todas as relações na sociedade como um todo e que greves inserem-se na realização da democracia social.

 

Naturalmente há muitas críticas para a greve política notadamente pelo fato de atingir os patrões que supostamente não são os responsáveis pelos procedimentos do parlamento ou do Executivo - estes sim autores das reformas em foco , o que não deixa de ter certo fundamento. Com efeito, como muitas vezes, interpretar o Direito não é um caminho fácil ...

__________

*Marcelo Tolomei Teixeira é juiz do trabalho e doutor em Direito.

Atualizado em: 23/9/2019 17:27

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Scilio Faver

Migalheiro desde 2020

Sérgio Roxo da Fonseca

Migalheiro desde 2004

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005

Letícia Baddauy

Migalheira desde 2020

Cesar de Lima e Silva

Migalheiro desde 2019

Camila Crespi Castro

Migalheira desde 2019

Levi Rezende Lopes

Migalheiro desde 2020

Marcelo Branco Gomez

Migalheiro desde 2020

Ivo Ricardo Lozekam

Migalheiro desde 2020

Marília Lira de Farias

Migalheira desde 2020

Publicidade