quarta-feira, 28 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Influência da política monetária nos juros sobre o capital próprio - JCP

A adoção da TJLP está expressamente preservada em lei, o que significa a manutenção do cálculo do limite de dedução dos JCP; porém, a história mostrará qual taxa de juros será mais adequada.

segunda-feira, 6 de agosto de 2018

Os juros servem, em síntese, à remuneração do capital. Quando determinada quantia é emprestada, espera-se que o valor devido seja remunerado àquele que emprestou o montante, dada, entre outros motivos, à falta de disponibilidade temporária desses recursos - em outras palavras, paga-se ao mutuante (quem empresta) pelo fato dele ficar durante um tempo sem o dinheiro em mãos, já que transferido ao mutuário (quem toma emprestado).

 

Quando o mutuário é o Estado (Poder Público), as taxas de juros são utilizadas como mecanismo para controlar a inflação e direcionar a economia. Assim, as taxas de juros podem ser utilizadas, por exemplo, para regular o quão aquecido será o mercado de consumo nacional, porque, quanto maior os juros pagos pelo Poder Público, maior será a procura por esse investimento (títulos da dívida pública), reduzindo, em decorrência, os recursos financeiros em circulação.

 

De forma semelhante, grosso modo, os juros sobre o capital próprio - JCP se prestam a remunerar os sócios por não disporem do capital investido na empresa (sob a forma de capital social), enquanto que os dividendos (lucros) se voltam a remunerar os sócios pelo risco do negócio. Desde 1996, os JCP podem ser deduzidos dos tributos sobre o lucro (IRPJ/CSLL), desde que respeitados os limites legais. O principal desses limites é a aplicação da Taxa de Juros de Longo Prazo - TJLP sobre o patrimônio líquido da empresa.

 

Por sua vez, a TJLP foi instituída pela MP 684/94 - reeditada sucessivas vezes até a promulgação da lei 9.365/96 -, e se voltava a remunerar, num breve resumo, os fundos destinados ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES, que direcionava tais repasses à concessão de linhas de financiamento subsidiado. Um dos motivos para a estipulação da TJLP foi, de certo modo, cessar a insegurança então existente provocada pela carência de balizamentos para empréstimos de longo prazo. De outro lado, a TJLP foi alçada ao posto de limitador da dedutibilidade do JCP em função de, àquela época, convergir com a variação da inflação.

 

Com a edição da MP 777/17, posteriormente convertida na lei 13.483/17, a TJLP foi substituída (em certas situações, apenas) pela Taxa de Longo Prazo - TLP, com a justificativa de que ela apresenta maior adequação à realidade, em função de utilizar parâmetros de mercado e refletir as oscilações econômicas, por levar em sua composição o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - IPCA (principal métrica para se aferir a inflação do período).

 

Nessa toada, poderia ser questionado se, apesar de expressa previsão legal quanto à aplicação da TJLP para o cálculo do limite de dedutibilidade dos JCP, não seria adequado se adotar a TLP no lugar daquela, tendo em vista a sua "maior adequação às condições do mercado".

 

Por ora, a adoção da TJLP está expressamente preservada em lei, o que significa a manutenção do cálculo do limite de dedução dos JCP; porém, a história mostrará qual taxa de juros será mais adequada.
__________

*Edison Carlos Fernandes é sócio do escritório Fernandes, Figueiredo, Françoso e Petros Advogados.

*Jorge Guilherme Ferreira é advogado do escritório Fernandes, Figueiredo, Françoso e Petros Advogados.

Atualizado em: 25/9/2019 18:01

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

Maria Berenice Dias

Migalheira desde 2002

Antonio Pessoa Cardoso

Migalheiro desde 2004

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005

Jeniffer Gomes da Silva

Migalheira desde 2020

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019

Publicidade