segunda-feira, 26 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Cancelamento de bilhete aéreo de volta por não comparecimento em voo de ida é prática abusiva

Não há qualquer razão lógica para as empresas utilizarem essa prática, que não o objetivo de incrementar o lucro empresarial.

terça-feira, 16 de outubro de 2018

Decisão recente do STJ fixou a tese de que é prática abusiva das companhias áreas brasileiras o cancelamento automático e unilateral de bilhete de volta por não comparecimento de cliente em voo de ida. O Tribunal firmou o entendimento ao julgar caso de uma empresa que cancelou o bilhete de dois clientes que adquiriram passagens entre São Paulo e Brasília, pretendendo embarcar no aeroporto de Guarulhos, mas, por engano, selecionaram, na reserva, o aeroporto de Viracopos, em Campinas, para o embarque. Por causa disso, tiveram que comprar novas passagens de ida com embarque em Guarulhos.

 

Muitos consumidores acabam adquirindo passagens aéreas de ida e volta juntas, atraídos pelos preços promocionais, porém acabam tendo problemas se por algum motivo, não utilizam o bilhete de ida. É prática comum das empresas áreas cancelarem a passagem do trecho de volta do passageiro que adquiriu as passagens do tipo ida e volta, e não ter utilizado o trecho inicial, sob o argumento de "no show".

 

Ocorre que trata-se de conduta abusiva, pratica rechaçada pelo CDC, tendo em vista ser um o cancelamento automático e unilateral, posicionamento este adotado pela Corte Superior. Com efeito, ser permitido ao fornecedor cancelar o contrato unilateralmente, sem que igual direito seja conferido ao consumidor, configura a chamada "venda casada", pois condiciona o fornecimento do serviço de transporte aéreo do "trecho de volta" à utilização do "trecho de ida", o que está em desacordo com o sistema de proteção ao consumidor.

 

Ademais, obrigar o consumidor a adquirir nova passagem aérea para efetuar a viagem no mesmo trecho e hora marcados, tendo já efetuado o pagamento, coloca o consumidor em desvantagem exagerada, conduta também vedada pelo CDC.

 

Não há qualquer razão lógica para as empresas utilizarem essa prática, que não o objetivo de incrementar o lucro empresarial. Dessa forma, mesmo que previsto contratualmente, é abusiva a cláusula que autoriza o cancelamento unilateral da passagem de volta em caso de não utilização da e ida, podendo, assim, ser declarada nula judicialmente.

 

O que a empresa aérea pode fazer, caso o consumidor, por qualquer motivo, não comparecer ao embarque no trecho de ida, é adotar as medidas cabíveis quanto à aplicação de multa ou restrições ao valor do reembolso em relação ao respectivo bilhete. Entretanto, não poderá ocorrer qualquer repercussão no trecho de volta, caso o consumidor não opte pelo cancelamento.

 

Portanto, está solidificado que considera-se abusiva a prática comercial consistente do cancelamento unilateral e automático de um dos trechos da passagem aérea, sob a justificativa de não ter o passageiro se apresentado para embarque no voo antecedente. Essa prática afronta direitos básicos do consumidor, tais como a vedação ao enriquecimento ilícito, a falta de razoabilidade nas sanções impostas e, ainda, a deficiência na informação sobre os produtos e serviços prestados. E o consumidor pode e deve ser indenizado material e moralmente.

______________

*Isabela Perrella é advogada do escritório Aith, Badari e Luchin Advogados.

Atualizado em: 25/9/2019 15:57

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS

Eduardo Reale Ferrari

Migalheiro desde 2003

Ronaldo Guimarães Gallo

Migalheiro desde 2019

Eduardo Muylaert

Migalheiro desde 2020

Mansour Karmouche

Migalheiro desde 2016

Tiago Fachini

Migalheiro desde 2014

Gabrielle Rossa

Migalheira desde 2011

Vanessa Salem Eid

Migalheira desde 2020

Thiago Nogueira Sandoval

Migalheiro desde 2019

Aaron Papa de Morais

Migalheiro desde 2020

Zênia Cernov

Migalheira desde 2019

Jefferson Cabral Elias

Migalheiro desde 2008

Publicidade