quinta-feira, 22 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Terceirização: há responsabilidade da empresa contratante?

Não é certo afirmar que, por haver a possibilidade de terceirizar as atividades meio e fim da empresa, inexiste responsabilidade da empresa contratante.

quarta-feira, 24 de outubro de 2018

Na quinta-feira, dia 30/8/18, o STF decidiu que é lícita a terceirização de qualquer etapa do processo produtivo, por maioria de votos (7 a 4 votos), ou seja, é possível terceirizar as atividades meio e fim da empresa.

 

Mas o que significa dizer que é possível a terceirização das atividades meio e fim da empresa?

 

Primeiramente, faz-se necessário o esclarecimento do que são consideradas atividade meio e atividade fim de uma empresa.

 

A atividade meio é aquela que não se relaciona diretamente com o fim empresarial da empresa. Atividades de vigilância, portaria, limpeza e alimentação em grandes empresas são consideradas atividades meio, tendo em vista que não são o objetivo final buscado pela empresa. A terceirização de tais atividades já era possível, independentemente do julgamento do julgamento do STF acima citado.

 

A atividade fim de uma empresa é aquela que compreende atividades essenciais e normais para as quais a empresa se constitui, é o objeto social da empresa. Considera-se atividade fim, por exemplo, a montagem de carros por uma empresa montadora de veículos, a venda de roupas ou sapatos por uma loja do ramo, ensino de alunos por professores. Tais atividades não poderiam ser terceirizadas, tendo em vista a proibição constante na súmula 331 do C. TST.

 

Contudo, com o entendimento exposto pelo STF no julgamento da ADPF 324 e o RE 958252, ocorrido no último dia 30/8, agora é possível terceirizar tanto a atividade fim quanto a atividade meio de uma empresa.

 

O entendimento do STF foi no sentido de que "é licita a terceirização ou qualquer outra forma de divisão do trabalho entre pessoas jurídicas distintas, independentemente do objeto social das empresas envolvidas, mantida a responsabilidade subsidiária da empresa contratante".

 

Assim, não é certo afirmar que, por haver a possibilidade de terceirizar as atividades meio e fim da empresa, inexiste responsabilidade da empresa contratante.

 

Isso porque, a própria tese de repercussão geral aprovada pelo Tribunal, acima transcrita, é clara ao atribuir a responsabilidade subsidiária à empresa contratante em caso de eventual reclamação trabalhista. Ou seja, a empresa contratante somente pagará em caso de inadimplemento da empresa contratada e de ausência de bens suficientes ao pagamento da condenação.

 

E mais, em caso de existência de pessoalidade e subordinação do funcionário terceirizado à empresa contratante, será reconhecida a ilicitude da terceirização e declarado o vínculo empregatício direto entre o funcionário terceirizado e a empresa contratante.

 

Foi destacado, ainda, pela ministra Carmem Lúcia, que os abusos cometidos pelas empresas de terceirização devem ser reprimidos pontualmente, "sendo inadmissível a criação de obstáculos genéricos a partir da interpretação inadequada da legislação constitucional e infraconstitucional em vigor, que resulte na obrigatoriedade de empresas estabelecidas assumirem a responsabilidade por todas as atividades que façam parte de sua estrutura empresarial".

 

Mas então agora todos os processos, inclusive aqueles já julgados, deverão ter o reconhecimento da validade da terceirização da atividade fim?

 

Na verdade, não. O julgamento do STF teve, sim, repercussão geral, o que significa dizer que todos os processos ainda em curso (seja em grau de conhecimento ou recursal), deverão observá-lo e julgar no mesmo sentido. Contudo, processos com decisões já transitadas em julgado, com o prazo decadencial da ação rescisória já transcorrido, não serão afetados por tal julgamento, sendo mantida a decisão proferida anteriormente.

 

Assim, desde que observados os requisitos do vínculo de emprego entre o funcionário terceirizado e a empresa de terceirização dos serviços, bem como os demais requisitos necessários para a contratação de uma empresa de terceirização, a responsabilidade da empresa contratante será de forma subsidiária em eventual reclamação trabalhista.

____________________

*Júlia Meirelles é advogada associada da Advocacia Hamilton de Oliveira.

 

Atualizado em: 25/9/2019 16:54

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Borny Cristiano So

Migalheiro desde 2006

Feres Sabino

Migalheiro desde 2008

Isaque Ribeiro

Migalheiro desde 2019

Adilson José Campoy

Migalheiro desde 2019

Daniela Braga Guimarães

Migalheira desde 2005

Gabriel Massote Pereira

Migalheiro desde 2020

Andrew Laface Labatut

Migalheiro desde 2012

Rodrigo Correa Martone

Migalheiro desde 2003

Márcia Glomb

Migalheira desde 2020

Renato Lôbo Guimarães

Migalheiro desde 2013

Daniel Gonçalves Rangel

Migalheiro desde 2017

Fabio Medeiros

Migalheiro desde 2008

Publicidade