terça-feira, 20 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

TCU chega à OAB

Poderá o TCU julgar as contas dos gestores da OAB irregulares; aplicar-lhes multa; torná-los inabilitados para o exercício de cargo em comissão e função de confiança.

quinta-feira, 8 de novembro de 2018

Em decisão unânime do plenário do TCU nesta quarta-feira, 7 de novembro de 2018, a Corte de Contas exarou deliberação histórica que, diferentemente de precedentes do próprio Tribunal e do STF, manifestou-se no sentido de que a OAB deve se submeter à fiscalização do TCU.

O assunto foi tratado pelo TCU no processo TC 015.720/2018-7, de relatoria do ministro Bruno Dantas, no qual a área técnica do Tribunal entendeu que seria exigível da OAB a apresentação de prestação de contas ao TCU, em face da natureza jurídica da instituição - autarquia sui generis -, bem como pela natureza pública dos recursos financeiros que pela OAB são arrecadados e geridos.

Em sua manifestação nos autos, o Conselho Federal da OAB sustentou que a matéria estaria protegida pela "coisa julgada", uma vez que foi apreciada pelo TFR no mandado de segurança 797, bem como pelo STF na ADIn 3.026/DF e, ainda, pelo próprio TCU no acórdão 1.765/2003-TCU-Plenário. A OAB também defendeu que não seria uma autarquia típica e que, no seu entender, os recursos que gere não teriam natureza tributária.

O relator afastou a presença da "coisa julgada" relativa à decisão do próprio TCU, por entender que o ato de decidir quem deve prestar contas é tipicamente administrativo, sendo ato pelo qual a Corte de Contas estabelece como deve exercer suas competências constitucionais, logo não se sujeitaria à imutabilidade típica das decisões de cunho jurisdicional.

As profundas alterações no ordenamento jurídico desde a deliberação do Poder Judiciário em 1951 foram citadas para fundamentar a não incidência de coisa julgada decorrente da decisão do antigo TFR e, com posição no sentido de que a ADIn 3.026 julgada pelo STF não teria tratado do dever de prestar contas da OAB - além de apenas se poder falar de coisa julgada formal na hipótese -, a tese da "coisa julgada" foi suplantada pelo TCU.

No mérito, o TCU julgou que possui competência para exercer controle sobre os atos administrativos da OAB, em razão de seu enquadramento como entidade pertencente à Administração Pública Federal, gestora de recursos públicos.

Assim, a prevalecer essa decisão (adotada pelo acórdão 2573/2018-TCU-Plenário) - que ainda pode ser atacada por mandado de segurança perante o STF e é sujeita a reclamação constitucional -, considerando modulação de efeitos prevista na própria decisão do TCU, a OAB estará sujeita à jurisdição da Corte a partir do ano de 2020, cujas contas deverão ser prestadas a partir de 2021.

A OAB, então, terá dever de prestar contas e estará sujeita a fiscalizações do TCU por meio de auditorias, inspeções e todos os instrumentos de fiscalização previstos nos normativos da Corte. Poderá o TCU julgar as contas dos gestores da OAB irregulares; aplicar-lhes multa; torná-los inabilitados para o exercício de cargo em comissão e função de confiança; afastar cautelarmente algum diretor da Ordem que, por exemplo, dificulte a realização de alguma auditoria; além de condenar a ressarcir eventual prejuízo ao erário, com encaminhamento da decisão ao Ministério Público Federal para que adote as providências de sua competência que julgar pertinente, como intentar ação por improbidade administrativa e denúncia por conduta que entenda criminosa.

Poder-se-ia dizer que, diferentemente dos demais conselhos profissionais, a OAB mereceu no desenho institucional feito pela Constituição da República um papel diferente, não se limitando a um mero fiscal de classe, possuindo um papel importante na defesa do Estado Democrático de Direito, bem como da Administração da Justiça.

Refletimos, nesse breve reporte e análise da recente decisão, que a missão constitucional da OAB pode ficar prejudicada pela decisão em comento, contudo, como o entendimento firmado teve seus efeitos modulados, apenas incluindo a Ordem como unidade prestadora de contas a partir da gestão de 2020, certamente teremos oportunidade de conhecer a posição do Supremo sobre o assunto.

________________

*Elísio de Azevedo Freitas é advogado em Brasília há mais de 15 anos. Advogado e consultor especializado em TCU. Foi Auditor Federal de Controle Externo do TCU. Ocupa desde 2011 o cargo de Procurador, lotado na Procuradoria-Geral do Distrito Federal.

Atualizado em: 26/9/2019 14:42

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

André Abelha

Migalheiro desde 2017

Daniela Castro

Migalheira desde 2020

Liliam F. Yoshikawa

Migalheira desde 2010

Carolina Silos Rodrigues

Migalheira desde 2017

Fábio Christófaro

Migalheiro desde 2012

Marcelo Rocha dos Santos

Migalheiro desde 2017

Ednaldo Almeida

Migalheiro desde 2013

Luiz Calixto Sandes

Migalheiro desde 2020

Publicidade