sábado, 31 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A transformação dos clubes de futebol em sociedades empresárias: obrigatoriedade ou facultatividade?

Felipe Falcone Perruci

As propostas de solução para a crise econômica vivida pelos clubes de futebol ultrapassaram as colunas esportivas dos jornais de domingo e se transformou num relevante debate jurídico no campo do Direito Desportivo brasileiro. Não é novidade que a gestão do esporte precisava ser revista. Nem que o estado de insolvência precisava ser saneado.

sexta-feira, 25 de agosto de 2006


A transformação dos clubes de futebol em sociedades empresárias: obrigatoriedade ou facultatividade?

 

Felipe Falcone Perruci* 
 

As propostas de solução para a crise econômica vivida pelos clubes de futebol ultrapassaram as colunas esportivas dos jornais de domingo e se transformaram num relevante debate jurídico no campo do Direito Desportivo brasileiro.

 

Não é novidade que a gestão do esporte precisava ser revista. Nem que o estado de insolvência precisava ser saneado.

 

Á luz disto, o legislador brasileiro, mirando-se na experiência européia, publicou a chamada Lei Zico (Lei nº 8.672/93 - clique aqui).

 

Dentre as diversas novidades implementadas pela Lei, a de maior destaque e que se apresentava como redentora do esporte brasileiro era a transformação dos clubes de futebol, tradicionalmente organizados como associações sem fins lucrativos, em sociedades comerciais, com a criação do "clube-empresa".

 

As diversas alterações da lei no que tocava ao caráter obrigatório ou facultativo da norma acabaram criando um ambiente de grande insegurança jurídica, tendo em vista o princípio constitucional da autonomia para organização e funcionamento das associações esportivas (art. 217, I, da CF/88).

 

Por isto, pouco ou nenhum resultado prático foi alcançado. Praticamente nenhuma agremiação adaptou sua estrutura aos moldes pretendidos pela lei desportiva.

 

Neste contexto, surgiu a nova Lei Geral sobre Desportos (Lei nº 9.615/98 - clique aqui), alcunhada de Lei Pelé, cujo principal objetivo era implementar de modo eficaz a nova proposta do "clube-empresa" e a revisão das bases jurídicas do esporte brasileiro.

 

A Exposição de Motivos do Projeto Originário da Lei Pelé julgava apresentar "a mudança mais importante do sistema desportivo brasileiro", com a adequação da "legislação pátria à atividade de natureza evidentemente comercial exercidas pelas entidades de prática desportiva, de modo a profissionalizar as relações decorrentes dessa atividade comercial."

 

Contudo, do mesmo modo como ocorreu com a Lei anterior, muito se discutiu sobre as diversas fórmulas legislativas que ora impunham a transformação das bases associativas e ora a facultavam.

 

Com a publicação da Lei nº 10.672 (clique aqui), de 15 de maio de 2003, as bases para tal mudança pareciam finalmente ter sido definidas.

 

De acordo com a atual redação do artigo 27 da Lei Pelé "É facultado às entidades desportivas profissionais constituírem-se regularmente em sociedade empresária, segundo um dos tipos regulados nos arts. 1.039 a 1.092 da Lei nº 10.406 (clique aqui), de 10 de janeiro de 2002 - Código Civil."

 

Todavia, a redação dos parágrafos seguintes sugere ao leitor que a transformação que se pretende é, na verdade, uma verdadeira obrigação.

 

É que o seu §11º impõe o regime das sociedades em comum para aqueles clubes que continuarem a se organizar como associações esportivas. Confira-se: "§ 11. Apenas as entidades desportivas profissionais que se constituírem regularmente em sociedade empresária na forma do § 9o não ficam sujeitas ao regime da sociedade em comum e, em especial, ao disposto no art. 990 da Lei no 10.406, de 10 de janeiro de 2002 - Código Civil."

 

Ora, se o legislador, após tantos embates doutrinários e mudanças nas propostas de criação do clube-empresa optou pela facultatividade não poderia, por princípio básico de lógica, impor a sanção mais grave do Direito Societário, para aqueles que não alterarem sua estrutura.

 

Não é crível que a opção pela manutenção da estrutura organizativa de um clube de futebol imponha a seus associados o regime próprio das sociedades em comum, no qual os bens particulares de seus integrantes respondem pelas obrigações e, cuja responsabilidade é, ainda, ilimitada e solidária, nos termos do art. 990 do Diploma Civil.

 

É de se observar que apenas em situações limites aceita a lei busca dos bens particulares dos sócios para garantia das dívidas sociais. Em todas essas hipóteses de desconsideração da personalidade jurídica há necessidade de procedimento judicial, bem como a verificação de desobediência a algum comando legal seja ele relacionado ao registro regular da sociedade (sociedade em comum) ou mesmo à prática de atos abusivos ou ilegais, nos termos do art. 50 do Código Civil.

 

Portanto, na tentativa de perfectibilizar a gestão profissional do esporte e adaptá-lo ao novo paradigma mercadológico, o legislador acabou criando um ambiente ainda mais confuso e inseguro daquele na qual foi publicada a Lei Zico.

 

Mais uma das várias e inexplicáveis contradições do futebol profissional e do Legislativo brasileiro.

_____________

 

*Advogado do escritório Siqueira Castro Advogados

 

 

 

 

 

 

 


______________

Atualizado em: 24/8/2006 13:51

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003

Allan de Oliveira Kuwer

Migalheiro desde 2020

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005

Carlos Barbosa

Migalheiro desde 2019

Anna Carolina Venturini

Migalheira desde 2014

Gilberto Bercovici

Migalheiro desde 2007

Jeniffer Gomes da Silva

Migalheira desde 2020

Gisele Nascimento

Migalheira desde 2017

Marco Aurélio Mello

Migalheiro desde 2014

Renato de Mello Almada

Migalheiro desde 2018

Publicidade