sexta-feira, 27 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Justiça garante exclusão do ICMS "destacado" da base de cálculo do PIS/Cofins

Há argumentos suficientes para combater a SCI 13/18, cujas diretrizes, pautadas por uma interpretação literal dos votos dos ministros, limitam o alcance da decisão do STF e ignoram conceitos básicos da sistemática de recolhimento do PIS/Cofins.

sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

O fisco brasileiro possui um longo histórico na restrição de direitos dos contribuintes, tradição honrada, mais uma vez, nos desdobramentos da decisão do STF que permitiu a exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS/Cofins.

A pretexto de elucidar a decisão do STF, a Receita Federal veiculou a SCI 13/18, norma que restringe a exclusão do ICMS da base de cálculo das contribuições aos valores a recolher do imposto estadual, enunciado que, por decorrência lógica, impediria a exclusão do chamado ICMS "destacado".

Como efeito prático, o fisco faz com que o montante de ICMS a ser excluído das bases de cálculo das contribuições seja consideravelmente menor do que seria caso fosse considerado o ICMS destacado nos documentos fiscais de saídas.

A insistência da Receita em não acatar o entendimento do STF chega a ser comovente, pois muito embora o caso ainda não tenha transitado em julgado, a matéria pode ser considerada pacificada, razão pela qual, em diversos casos concretos, o trânsito em julgado das ações garante a exclusão do ICMS "destacado", a exemplo de recente posicionamento do TRF3:

"É certo que a questão foi devidamente enfrentada no RE 574.706, não havendo dúvidas de que o ICMS a ser abatido não é o pago ou recolhido, mas o ICMS destacado na nota fiscal de saída."

Some a esse quadro uma decisão do STF proferida pelo ministro Gilmar Mendes após o RE 574.706/RG que esclarece, em ação que discute a exclusão do imposto estadual da base cálculo da CPRB, que o montante a ser excluído é o ICMS destacado nas notas ficais: "o Supremo Tribunal Federal afirmou que o montante de ICMS destacado nas notas fiscais não constituem receita ou faturamento, razão pela qual não podem fazer parte da base de cálculo do PIS e da Cofins."

Como se não bastasse, há recente decisão garantindo a uma empresa mineira que não observe as restritivas imposições fiscais: (.) "afasto a aplicação da SCI 13/18, determinando que o ICMS a ser excluído da base de cálculo do PIS/Cofins deve ser aquele destacado na nota fiscal (.) e não o ICMS a recolher".

Logo, há argumentos suficientes para combater a SCI 13/18, cujas diretrizes, pautadas por uma interpretação literal dos votos dos ministros, limitam o alcance da decisão do STF e ignoram conceitos básicos da sistemática de recolhimento do PIS/Cofins.

Trata-se, portanto, de momento oportuno para que as empresas se organizem no sentido fazer valer o entendimento do STF para eventuais exclusões que já venham efetuando, bem como garantir o direito a plena compensação dos valores indevidamente recolhidos no passado.

__________

*Thiago Garbelotti é sócio do escritório Braga & Moreno Consultores e Advogados.

Atualizado em: 4/10/2019 16:03

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015

Guershom David

Migalheiro desde 2020

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

Cleanto Farina Weidlich

Migalheiro desde 2007

Flávia Pereira Ribeiro

Migalheira desde 2019

Carlos Barbosa

Migalheiro desde 2019

Ricardo Trajano Valente

Migalheiro desde 2020

Gustavo Abdalla

Migalheiro desde 2019

Gustavo Santiago Martins

Migalheiro desde 2019

Valmir Pontes Filho

Migalheiro desde 2004

Maria Berenice Dias

Migalheira desde 2002

Publicidade