quarta-feira, 2 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Incentivos fiscais em áreas da Sudam e Sudene são prorrogados

Ao invés de vetar o projeto de lei 10.160/18, o chefe do Executivo deve privilegiá-lo na integra, dando assim, uma adequada proteção legal, bem como apoiando e promovendo, por sua importância econômica e social ao desenvolvimento regional equilibrado das regiões menos favorecidas.

terça-feira, 18 de dezembro de 2018

A Câmara dos Deputados, referendou, em sessão planária, importante projeto de lei 10.160/18 (originalmente, PLS 656/15), do Senado Federal, de autoria do senador Eunício Oliveira, que trata, notadamente, de matéria relativa à prorrogação do prazo - de 31 de dezembro de 2018 para 31 de dezembro de 2023, para que empresas interessadas em obter incentivos fiscais de "redução de 75% do IRPJ" e usufruí-los por 10 anos, possam a partir desse novo prazo, protocolizar e aprovar seus projetos técnicos-econômicos junto às respectivas superintendências do Desenvolvimento da Amazônia (Sudam) e do Nordeste (Sudene). No que se refere, a Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco), o mencionado benefício fiscal, foi igualmente estendido à região Centro-Oeste, excetuando o Distrito Federal.

Neste sentido, privilegiar a prorrogação e manutenção dos referidos incentivos fiscais é promover a integração nacional e a redução das desigualdades sociais e regionais do país, tendo em vista que a desigualdade de nível de renda e qualidade de vida entre as macrorregiões do país, com ênfase para o Nordeste, ainda é muito forte, e, repita-se, a redução dessa desigualdade dá-se com medidas desenvolvimentistas que, em última análise, beneficiam todo o país.

Registre-se, que reduzir as desigualdades no nível de desenvolvimento entre as diversas regiões não é preocupação recente no país, uma vez que o Brasil vem executando, há mais de cinco décadas um conjunto de políticas de desenvolvimento regional cujo foco tem sido a utilização de um sistema de incentivos fiscais, por meio dos quais se procurou ofertar crédito subsidiado às atividades produtivas nas regiões menos desenvolvidas, bem como a concessão de renúncia fiscal.

Frise-se ainda, que a preocupação premente do constituinte originário de inserir na Carta Política o problema das disparidades entre as regiões, está sob a perspectiva, da ampla diversidade, no tocante, a cultural, a crença, ao clima, as condições ambientais as mais variadas, tornando-se necessário, introduzir medidas de Estado, que tenham por objetivo reduzir ou estreitar as desigualdades regionais, ou seja, por meio de uma política de Estado, tenta-se, em um país com tantas contradições, reduzir essas desigualdades.

Ademais, vale registrar, que ao inserir a redução das desigualdades regionais entre os princípios da ordem econômica, revelou o constituinte, está ciente da sua existência, todavia, inconformado com tal realidade, propondo à ordem econômica sua redução, como forma de alcançar seus fins de justiça social e dignidade da pessoa humana, pois somente por meio da inclusão social e regional com a adoção de políticas públicas expressas, corajosas e determinadas é que se conseguiria promover a verdadeira união nacional e o fortalecimento econômico do país.

Resta claro que, no atual quadro de recessão da economia nacional, a pretendida prorrogação e aplicação efetiva da política de incentivos fiscais de caráter nitidamente desenvolvimentista, até o ano de 2023, ainda se faz oportuna e necessária para o desenvolvimento econômico do país, devendo ter continuidade e serem fortalecidas, tendo em vista que não se pode imaginar um país com o abismo social e econômico existente entre as regiões Sul e Sudeste e as regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

Isto tudo, impõe necessariamente a efetivação de política pública de desenvolvimento regional específica e determinada, aí figurando os incentivos fiscais regionais conferidos pela União como fator necessário, estratégico e integrativo de ação conjunta entre empresas e aparelho de Estado, na luta pela retomada de níveis satisfatórios de padrões de desenvolvimento econômico e social para toda a população brasileira.

 

Logo, ao invés de vetar o projeto de lei 10.160/18, o chefe do Executivo deve privilegiá-lo na integra, dando assim, uma adequada proteção legal, bem como apoiando e promovendo, por sua importância econômica e social ao desenvolvimento regional equilibrado das regiões menos favorecidas.

___________________

*Adalberto Arruda Silva Júnior é advogado associado do escritório Nelson Wilians & Advogados Associados.

Nelson Wilians e Advogados Associados

Atualizado em: 4/10/2019 17:06

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Marcelo Branco Gomez

Migalheiro desde 2020

Carlos Barbosa

Migalheiro desde 2019

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014

Marília Lira de Farias

Migalheira desde 2020

Gisele Nascimento

Migalheira desde 2017

Daniele Sampaio

Migalheira desde 2020

Justiliana Sousa

Migalheira desde 2020

Italo Bondezan Bordoni

Migalheiro desde 2019

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005

Publicidade