quarta-feira, 25 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Bancos condenados a devolução de valores cobrados indevidamente

Daniel Henrique Paiva Tonon

Os últimos anos mostram o crescimento acentuado do lucro dos Bancos, paralelamente a tal crescimento a oferta de produtos sem a devida transparência cresce geometricamente e algumas perguntas que você leitor pode responder oferecem o caminho dos lucro do Bancos, vejamos: Você já assinou um contrato ou nota promissória 'pro-soluto' em branco em favor de um Banco? Você recebeu a cópia do contrato de crédito rotativo (leia-se cheque especial ou conta garantida)? Você entende o método de cálculo dos juros mensais do crédito rotativo?

terça-feira, 4 de novembro de 2003

Bancos condenados a devolução de valores cobrados indevidamente

 

Daniel Henrique Paiva Tonon*

 

Os últimos anos mostram o crescimento acentuado do lucro dos Bancos, paralelamente a tal crescimento a oferta de produtos sem a devida transparência cresce geometricamente e algumas perguntas que você leitor pode responder oferecem o caminho dos lucro do Bancos, vejamos: Você já assinou um contrato ou nota promissória 'pro-soluto' em branco em favor de um Banco? Você recebeu a cópia do contrato de crédito rotativo (leia-se cheque especial ou conta garantida)? Você entende o método de cálculo dos juros mensais do crédito rotativo?

 

Você não esta sozinho, eu como a grande maioria dos correntistas também já assinei contrato ou nota promissória em branco, não recebi a cópia do contrato de crédito rotativo e não entendi de primeira leitura a forma do cálculo dos juros mensais (simplesmente por ser citada tão somente que a taxa cobrada é "flutuante").

 

O Poder Judiciário é órgão que deve promover a vedação de tais abusos, recentes decisões reconheceram o direito do titular de contrato de abertura de crédito em conta-corrente (crédito rotativo / cheque especial / conta garantida) de obter a restituição de valores indevidamente cobrados pelo Banco, sendo que o montante desta devolução deverá ser composto do valor indevidamente cobrado, somado de encargos ou correções que venham a remunerar o indébito à mesma taxa percebida pelo Banco no crédito oferecido.

 

Neste sentido A 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Paraná decidiu ao negar provimento a apelação nº 0139723-5 do HSBC Bank Brasil S/A Banco Múltiplo justificando que: "se o banco pode cobrar capitalizando juros, o cliente pode cobrar também", isto gerou condenação a devolução de R$ 578.862,44 a correntista que ingressou com a ação perante o Poder Judiciário, por lançamentos indevidos em sua conta corrente, numa agência do banco na cidade de Londrina.

 

Em igual sentido a 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça, reconheceu o direito de empresa que durante quatro anos manteve contratos bancários com um Banco, sendo que as cobranças das taxas por prestações de serviços, bem como dos juros e encargos contratuais eram lançadas e cobradas diretamente em sua conta corrente, obtendo vitória no Poder Judiciário e o reembolso, segundo levantamento da própria empresa, de R$ 2.291.832,20 (dois milhões duzentos e noventa e um mil oitocentos e trinta e dois reais e vinte centavos), isto porque os Ministros do Superior Tribunal de Justiça entenderam que "embora ainda não se trate de matéria imune a controvérsias, vai-se sedimentando nesta Corte o entendimento de que, em hipóteses como a dos autos, o reembolso ao correntista deve ser corrigido pelas mesmas taxas e encargos praticados pela instituição financeira".

 

Nesse julgado observa-se o equilíbrio nas colocações do julgadores os quais justificaram que "de outra forma, haveria tratamento desigual dos contratantes. Enquanto o mutuário sempre esteve sujeito a encargos superiores a 10% ao mês, o mutuante estaria premiado com juros módicos e correção monetária oficial".

 

Ainda nesse julgado, a Ministra Nancy Andrighi, afirmou que em contrato de cheque especial pactuado à taxa de 11% ao mês, a instituição financeira que cobrou valor de seu correntista indevidamente, deverá restituí-lo acrescido da mesma taxa, isto é, 11%, isto porque "do contrário, caso se exigisse da autora da ação, a prova sobre quais os lucros advindos ao banco com a utilização do dinheiro usurpado, restaria ineficaz a norma contida no artigo 964 do Código Civil, pois é manifesta a impossibilidade de produção desta prova", arrematando o acórdão de forma incisiva nos seguintes termos: "se justifica a remuneração do indébito, à mesma taxa praticada para o cheque especial, como a única forma de se impedir o enriquecimento sem causa pela instituição financeira". (Resp nº 453464).

 

____________________

 

* Advogado do escritório Oliveira Neves & Associados

 

 

 

 

 

 

 

 

_____________________

Atualizado em: 4/11/2003 07:56

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Ricardo Alves de Lima

Migalheiro desde 2020

Sérgio Roxo da Fonseca

Migalheiro desde 2004

Ronaldo de Jesus

Migalheiro desde 2019

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Jeniffer Gomes da Silva

Migalheira desde 2020

Guershom David

Migalheiro desde 2020

Italo Bondezan Bordoni

Migalheiro desde 2019

André Lucenti Estevam

Migalheiro desde 2020

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003

Paulo Henrique Cremoneze

Migalheiro desde 2019

Leonardo Quintiliano

Migalheiro desde 2019

Fernando Salzer e Silva

Migalheiro desde 2016

Publicidade