sábado, 28 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

STJ julga punição de construtoras por atraso de obras

O tema 970, com tese já fixada, busca evitar a condenação dúplice das construtoras e o enriquecimento sem causa, lembrando que ainda existe a hipótese de indenização por dano moral em função do atraso.

sexta-feira, 17 de maio de 2019

Recentemente, foram a julgamento, pelo STJ, os temas 970 e 971, que versam, respectivamente, sobre a possibilidade de cumulação da cláusula penal em favor das construtoras por inadimplemento do adquirente com indenização por lucros cessantes e a inversão da cláusula em favor do compromissário-comprador. 

Ambos os temas buscam uniformizar as condenações impostas às construtoras quando ultrapassam o prazo para entrega das obras previsto em contrato e a cláusula de 180 dias de tolerância, também já considerada válida pelo STJ.

Em relação ao tema 970, o ministro relator Luis Felipe Salomão destacou que a estipulação da cláusula penal em questão garante segurança jurídica entre as partes. Ele defendeu, no entanto, que a penalização da construtora com a cláusula penal moratória não pode vir acompanhada de indenização por lucros cessantes. No caso concreto, o ministro fixou a cláusula em 1% ao mês, o que entendeu não configurar enriquecimento sem causa.

O voto do relator foi acompanhado pelos ministros Raul Araújo, Isabel Gallotti, Antonio Carlos Ferreira, Cueva, Marco Bellizze e Moura Ribeiro. A ministra Nancy Andrighi apresentou voto divergente, arguindo que a tese fixada contraria entendimento consolidado pelo STJ desde 2009, no sentido de permitir a cumulatividade. O voto foi acompanhado por Marco Buzzi.

Em se tratando do segundo tema, 971, vale destacar que a fixação da tese foi adiada para a próxima sessão.

Luis Felipe Salomão entendeu que a existência de cláusula penal apenas em desfavor compromissário-comprador inadimplente é prática abusiva. Assim, aproveitou a oportunidade para sugerir a tese de que caso exista cláusula penal para punir o consumidor por eventual descumprimento do contrato, justa a sua inversão para atingir também o compromitente-vendedor quando incorre em atraso na conclusão das obras.

Nesse tema, tiveram voto vencido os ministros Isabel Galloti e Antonio Carlos Ferreira. Ferreira acompanhou o voto de Galloti no sentido de entender que o atraso não traz qualquer benefício às construtoras, que na maioria das vezes atrasam a entrega por fatores incontroláveis. A ministra acredita que permitir a inversão é criar penalidade não acordada entre as partes. Para ela, o correto seria nulificar a cláusula penal, em vista de seu caráter abusivo.

O tema 970, com tese já fixada, busca evitar a condenação dúplice das construtoras e o enriquecimento sem causa, lembrando que ainda existe a hipótese de indenização por dano moral em função do atraso. Vale lembrar, ainda, que a inversão de cláusula penal cria obrigação não existente entre os contratantes, abrindo precedentes para a criação de obrigações contratuais que tenham sido aplicadas apenas a uma das partes por analogia.

___________

t*Luís Fernando Amaral é advogado do departamento imobiliário do Braga Nascimento e Zilio Advogados Associados.

Atualizado em: 16/5/2019 14:48

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Sérgio Roxo da Fonseca

Migalheiro desde 2004

Antonio Pessoa Cardoso

Migalheiro desde 2004

Fernando Salzer e Silva

Migalheiro desde 2016

Renato de Mello Almada

Migalheiro desde 2008

Luciane Bombach

Migalheira desde 2019

Celso Wanzo

Migalheiro desde 2019

Cleanto Farina Weidlich

Migalheiro desde 2007

Ricardo Trajano Valente

Migalheiro desde 2020

Marcelo Branco Gomez

Migalheiro desde 2020

Guershom David

Migalheiro desde 2020

Publicidade