domingo, 17 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A "febre" dos patinetes elétricos e suas consequências

Para que haja regulamentação efetiva, necessário se faz estudos e discussões com as empresas responsáveis e sociedade civil a fim de que se chegue a um consenso e uma solução definitiva sobre o uso de forma segura e adequado para a realidade aqui existente.

quinta-feira, 13 de junho de 2019

Os patinetes elétricos compartilhados começaram a chegar no Brasil em agosto do ano passado (2018) e rapidamente caíram no gosto popular em razão da falta de mobilidade nas cidades e pela facilidade do aluguel por meio de aplicativos.

Desde então, o que se vê é uma farra desenfreada, com os patinetes disputando as calçadas com pedestres, circulando em alta velocidade em vias de grande fluxo; pais transportando filhos menores como passageiros, além de uma série de outros absurdos.

Com a enxurrada desse novo meio de transporte, as autoridades têm trabalhado para regulamentar a atuação das empresas e o uso por parte da população, pois os acidentes se multiplicaram e a convivência com carros e pedestres tem se mostrado insustentável.

Por esse motivo, vários países e cidades mundo afora tem se empenhado para regulamentar a atuação das empresas e a conduta dos usuários, pondo fim a polêmica trazida pelo modal.

Em São Francisco (EUA), a autoridade de transporte local limitou o número de patinetes que cada empresa poderia ter em circulação, definiu as zonas de atuação, os locais de estacionamento, bem como o limite de velocidade. Em Los Angeles existe regulamentação prevendo obrigações para as empresas em relação ao estacionamento e manutenção dos equipamentos, obrigando as empresas a manter funcionário disponível 24 horas para a eventual retirada dos patinetes de locais inapropriados. Além disso, exige que os usuários tenham habilitação, sendo o uso vedado em vias e calçadas, permitido apenas em ruas e parques. Em Nova Iorque o uso foi terminantemente proibido ao argumento de que o número elevado de carros e pedestres circulando tornaria inseguro o uso dos patinetes.

No Uruguai, há obrigatoriedade do uso de capacete e de faixas refletoras, além de permitir a circulação apenas em ruas ou ciclovias. Também ficou estabelecido que os patinetes só podem ser estacionados apenas em locais pré-determinados pela prefeitura.

Na França, os patinetes podem circular apenas em ciclovias e estradas, além de ter sido proibido o transporte de passageiros e o uso de fones de ouvido durante a condução.

No Reino Unido, ficou proibido o uso dos patinetes em qualquer via pública, sendo permitido  apenas em propriedades privadas. Na Holanda só é permitido o uso do patinete após o condutor conseguir uma autorização de um órgão público de transportes, além de ter sido estipulada idade mínima e proibição de circular em calçadas e ciclovias.

No Brasil, já tramitam projetos de lei em vários Estados definindo regras para a utilização, pretendendo enquadrar no uso do veículo a obrigatoriedade do uso de capacetes, que deverão ser cedidos pelas empresas aos usuários, com estabelecimento de multa por descumprimento, dentre outras.

Em São Paulo, a capital pioneira, foi editado o decreto 58.750/19 dispondo sobre a obrigatoriedade da utilização de capacete, proibição de circular nas calçadas e vias onde os carros ultrapassam a velocidade de 40 km/h, entre outras. Se essas regras forem descumpridas, podem gerar multas para as empresas e para os usuários.

Além disso, as empresas ficaram obrigadas a realizar cadastro na administração municipal, organizar os equipamentos nos espaços públicos e contratar seguro cobrindo casos de morte por acidente, danos contra terceiros, invalidez parcial ou total, permanente ou temporária. As empresas podem ser multadas em R$ 20 mil se não contratarem seguro para cobrir eventuais danos de acidentes.

Ainda de acordo com o decreto, os usuários que circularem em locais indevidos ou acima da velocidade permitida estão sujeitos a multa de R$ 500,00. Se não usarem o capacete, o valor a ser pago é R$ 100. As punições serão aplicadas às empresas que podem repassar os valores aos clientes. Essas regras ainda são provisórias até que haja uma discussão mais aprofundada do tema.

O patinete elétrico não é um brinquedo inocente e, por essa razão, carece de regulamentação urgente, porque em uma sociedade juridicamente organizada, os direitos e deveres devem estar muito bem descritos a fim de que não pairem dúvidas quanto a responsabilidade civil. É muito importante que o condutor esteja seguro em caso de acidente.

Assim, para que haja regulamentação efetiva, necessário se faz estudos e discussões com as empresas responsáveis e sociedade civil a fim de que se chegue a um consenso e uma solução definitiva sobre o uso de forma segura e adequado para a realidade aqui existente.

________________

t*Clodoaldo Moreira dos Santos Júnior é pós-doutor em Direito Constitucional na Itália, advogado e professor universitário; sócio fundador do escritório SME Advocacia.

t

Atualizado em: 13/6/2019 10:12

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Leonardo Quintiliano

Leonardo Quintiliano

Migalheiro desde 2019
Maria Berenice Dias

Maria Berenice Dias

Migalheira desde 2002
Jeniffer Gomes da Silva

Jeniffer Gomes da Silva

Migalheira desde 2020
Gisele Nascimento

Gisele Nascimento

Migalheira desde 2017
Renato da Fonseca Janon

Renato da Fonseca Janon

Migalheiro desde 2017
Luis Felipe Salomão

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014
Nicole Cunha

Nicole Cunha

Migalheira desde 2021
Charline Pinheiro Dias

Charline Pinheiro Dias

Migalheira desde 2019
Fernando Salzer e Silva

Fernando Salzer e Silva

Migalheiro desde 2016
Justiliana Sousa

Justiliana Sousa

Migalheira desde 2020

Publicidade