quinta-feira, 3 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A linha tênue entre a livre concorrência e concorrência desleal

É uma tarefa complexa diferenciar a concorrência leal da desleal. Em ambos os casos, existe o intuito de sair na frente dos concorrentes, ganhando uma fatia maior do mercado.

quinta-feira, 1 de agosto de 2019

O Brasil é conhecido como um dos países mais criativos do mundo. Essa criatividade é uma das maiores riquezas do país - um ativo que precisa ser usado com cuidado em tempos de concorrência desleal.

No mundo ideal, as empresas são o reflexo da criatividade e da visão de negócio de seus donos, mas sempre há o que melhorar. E é normal que funcionários consigam criar algo mais inovador, a partir da experiência que tiveram em seu último trabalho.

 

Este movimento é saudável e até desejável com base no princípio da livre concorrência, previsto no art. 170, inciso IV, da Constituição Federal. Sem este princípio a atividade empresarial não alcançaria seus objetivos maiores, como a obtenção de lucros e a captação de clientes.

t

Mas existe uma linha tênue entre livre concorrência e concorrência desleal. Foi esta a decisão da 2ª Câmara Reservada de Direito Empresarial no caso de um ex-gerente de distribuidora de resinas, que foi condenado pela prática de concorrência desleal.

Para caracterizar a concorrência desleal é necessário que o empresário use de práticas ilícitas para angariar clientes, sendo que para sua configuração o que importa são os meios que foram empregados para a consecução do fim da atividade empresarial e não os resultados efetivamente obtidos.

Na decisão, o ex-gerente da distribuidora de resinas começou a trabalhar na referida empresa em 2009 e saiu em 2015 para montar o próprio negócio. Mesmo avisando ao gestor dos seus planos, inclusive mencionando quais clientes pretendia atender, ele foi condenado por concorrência desleal.

O relator do caso, desembargador Claudio Godoy, ao analisar os fatos probatórios entendeu ser evidente que o apelante já tinha um projeto paralelo enquanto trabalhava na antiga empresa. Ainda que o ex-funcionário avise a empresa sobre seus planos no ato do desligamento, ele não poderia jamais divulgar informações privilegiadas de sua antiga empresa aos clientes para abrir negócio concorrente. O magistrado decidiu, então, por deferir a tutela nesse ponto, em que entendeu estar configurada a concorrência desleal.

É uma tarefa complexa diferenciar a concorrência leal da desleal. Em ambos os casos, existe o intuito de sair na frente dos concorrentes, ganhando uma fatia maior do mercado. Contudo, o que torna a concorrência desleal são os artifícios usados para a realização dessa finalidade.

________________________

*Aryane Braga Costruba é advogada do escritório Braga & Moreno Consultores e Advogados.

t

Atualizado em: 30/7/2019 15:56

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Valmir Pontes Filho

Migalheiro desde 2004

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015

Renato da Fonseca Janon

Migalheiro desde 2017

Edvaldo Barreto Jr.

Migalheiro desde 2020

Maria Berenice Dias

Migalheira desde 2002

Paulo Henrique Cremoneze

Migalheiro desde 2019

Carolina Amorim

Migalheira desde 2020

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011

Renato de Mello Almada

Migalheiro desde 2008

Publicidade