sexta-feira, 4 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

O contrato verde e amarelo terá eficácia?

O foco dessa nova modalidade de contratação são aqueles que possuem entre 18 a 29 anos de idade, faixa etária esta que no momento da edição da Medida Provisória chegava a uma taxa de desemprego de 20,8%, e que não mantiveram vínculo de emprego anterior, desde que sejam contratados para novos postos de trabalho.

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2020

t

A Medida Provisória 905/19 inseriu no ordenamento jurídico trabalhista a figura do Contrato Verde e Amarelo, visando fomentar a criação de novos empregos no mercado de trabalho brasileiro que, apesar da melhor performance desde o ano de 2016, ainda traz um índice de desemprego de 11,8%, segundo recente estudo divulgado pelo IBGE.

Assim, o foco dessa nova modalidade de contratação são aqueles que possuem entre 18 a 29 anos de idade, faixa etária esta que no momento da edição da Medida Provisória chegava a uma taxa de desemprego de 20,8%, e que não mantiveram vínculo de emprego anterior, desde que sejam contratados para novos postos de trabalho.

Em suma, somente serão considerados para a contratação Verde e Amarela os trabalhadores de 18 a 29 anos de idade que não tenham CTPS assinada em momento anterior, ressalvados o menor aprendiz, o contrato de experiência, o trabalhador intermitente e o avulso, sendo permitido apenas a salários de até 1,5 salários mínimos, com reajuste anual.

Além disso, a contratação em comento somente só será válida para novos postos de trabalho, tendo como base a média total de empregados registrados na folha de pagamento entre 1º de janeiro e 31 de outubro de 2019, limitando-se a 20% do total de empregados de determinada empresa, levando-se em consideração a folha de pagamento do mês corrente de apuração.

E justamente para estimular a nova modalidade de contratação verde e amarela o governo instituiu benefícios fiscais.

Desse modo, os empregadores que utilizarem-se da mão de obra verde e amarela estarão isentos do recolhimento previdenciário patronal de 20% sobre a folha de pagamento e da contribuição de terceiros (sistema S), bem como não serão obrigados ao pagamento do salário-educação.

Além das isenções acima, terão de recolher apenas 2% de depósitos de FGTS mensais sendo que a multa incidente sobre a totalidade de depósitos fundiários poderá ser de apenas 20%, desde que acordado com o trabalhador no momento da contratação. Contudo, a citada multa será obrigatória para todas as modalidades de rescisão contratual, inclusive a dispensa por justa causa do empregado.

Como se trata de uma medida para impulsionar as contratações formais e com isso acelerar a economia brasileira, há um prazo bem específico para que as empresas possam contratar através do Contrato Verde e Amarelo, entre 01 de janeiro de 2020 até 31 de dezembro de 2022, sendo assegurado que o término do contrato possa dar-se depois da data limite imposta pela Medida Provisória.

Pois bem, independente de eventuais controvérsias quanto a viabilidade da nova forma de contratação, se há vantagens ou desvantagens, tem-se por certo que a Medida provisória 905, tem validade de 120 dias (60 dias prorrogáveis por mais 60 dias), devendo ser votada pelo Congresso Nacional, sob pena de perda de sua validade e eficácia. Ou seja, o Congresso Nacional deve inserir em pauta e votar em definitivo até 03 de março de 2020.

E a grande insegurança jurídica encontra-se justamente nesse período de vigência da citada Medida Provisória e sua tramitação para votação e convertida em lei, visto que já foram apresentadas diversas Emendas Modificativas e Supressivas que podem alterar significativamente o objetivo da medida.

Dentre várias, cita-se:

i.         inclusão desta modalidade de contratação para as mulheres em situação de violência doméstica (EM de autoria do deputado Eduardo da Fonte);

ii.        a Emenda Supressiva que visa retirar a isenção da parcela destinada ao SEBRAE (ES de autoria do senador Paulo Paim);

iii.       a Emenda Supressiva que visa restituir a multa do art. 479 da CLT aos contratos verdes e amarelos (ES de autoria do senador Paulo Paim);

iv.       a Emenda Supressiva que visa restituir o recolhimento de 8% dos depósitos mensais de FGTS (ES de autoria do senador Paulo Paim);

v.        a Emenda Supressiva que visa restituir a multa de 40% sobre a totalidade de depósitos de FGTS no momento da rescisão contratual;

vi.       a Emenda Supressiva nº 40 que visa restituir o recolhimento de 20% sobre o salário do empregado (ES de autoria do senador Paulo Paim);

vii.      a Emenda Supressiva nº 44 que visa restituir o salário-educação (ES de autoria do senador Paulo Paim)

viii.     a Emenda Supressiva que visa manter a natureza indenizatória do seguro desemprego afastando os descontos previdenciários (ES de autoria do senador Paulo Paim).

Portanto, verifica-se que apenas das 8 emendas acima citadas, de um universo de 1930 Emendas apresentadas, o Contrato Verde e Amarelo instituído pode perder sua finalidade que seria justamente desonerar o empregador para que assim fossem gerados mais postos de trabalho, segundo, ao menos, a estimativa do Governo Federal.

Dessa forma, em que pese o Contrato Verde e Amarelo estar em plena vigência, denota-se que ainda é incerto sua eficácia como ferramenta de estímulo e alavancagem ao mercado de trabalho, ante a eminente possibilidade de alterações significativas, restando ao empresariado apostar em mais uma tentativa do governo visando acelerar a nossa combalida economia.

___________________________________________________________________________

*Igor Sa Gille Wolkoff é advogado atuante nas áreas trabalhista e empresarial e sócio da Advocacia Castro Neves Dal Mas coordenando a Unidade de Campinas. Possui especialização em Direito e Processo do Trabalho pela Faculdade Cândido Mendes e MBA em Direito Empresarial pela FGV.

*Guilherme Neuenschwander Figueiredo é advogado atuante na área trabalhista e sócio da Advocacia Castro Neves Dal Mas coordenando a Unidade de Belo Horizonte. Possui especialização em Direito e Processo do Trabalho pela Universidade Mackenzie e é Mestre em Ciências Jurídicas pela Universidade Autonôma de Lisboa  "Luis de Camões".

t

 

Atualizado em: 13/2/2020 12:01

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Carlos Barbosa

Migalheiro desde 2019

Ricardo Penteado

Migalheiro desde 2008

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008

Marcelo Branco Gomez

Migalheiro desde 2020

Paulo Henrique Cremoneze

Migalheiro desde 2019

Flávia Pereira Ribeiro

Migalheira desde 2019

André Lucenti Estevam

Migalheiro desde 2020

Carla Domenico

Migalheira desde 2011

Carolina Amorim

Migalheira desde 2020

Publicidade