terça-feira, 1 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Oportunidade ou fracasso?

Sempre que há um evento ou fato relevante que capture a atenção das pessoas, outras correm para tentar comercializá-la. Fica, então, a dúvida se esses termos podem, do ponto de vista legal, serem concedidos como marcas.

quinta-feira, 16 de abril de 2020

t

Em meio à pandemia da covid-19 e a paralização de diversas atividades econômicas para conter a circulação de pessoas e frear a disseminação do vírus,  uma empresa brasileira de fragrâncias requereu junto ao INPI (Instituto Nacional da Propriedade Industrial), a marca "CoronaVírus" para identificar seus desinfetantes, preparações farmacêuticas, fungicidas e pesticidas, além de outros produtos de higiene.

O pedido de registro da marca "CoronaVírus", o primeiro a conter este termo que se tem notícia no Brasil, foi apresentado no início do mês de março, conforme divulgou, no último dia 31, o INPI que terá a árdua missão de analisar a registrabilidade da marca à luz da legislação vigente, podendo garantir, ao final, exclusividade ao requente do registro. Isso permitiria, por exemplo, a empresa de impedir o uso comercial da expressão por terceiros sem a sua autorização.

É pouco provável que a empresa requerente tenha desenvolvido qualquer solução permanente contra a covid-19. O que levaria, no entanto, uma empresa a querer identificar os seus produtos com termo que remete a algo tão negativo como uma pandemia que vem causando tanto impacto na vida das pessoas? A prática de se requerer como marca uma expressão ou termo que vem ganhando notoriedade (ou, melhor, infâmia) não é nova, apesar de mais comum em outros países, como nos EUA.

Por lá, não raro, inúmeros pedidos para se registrar marcas conhecidas como "oportunistas" são feitos por empresas e indivíduos. O intuito, em geral, é explorar comercialmente o termo e, ao mesmo tempo, impedir outros de o utilizarem. Para exemplificar, nos EUA tem-se notícia de indivíduos tentando registrar expressões como SEPTEMBER 11, JE SUIS CHARLIE, BOSTON STRONG e até mesmo TERRORISM como marcas. E sim, já existem diversos pedidos para se registrar marcas relacionados ao covid-19, como LOVE IN THE TIME OF CORONAVIRUS, MY CORONAVIRUS EXPERIENCE e... COVID-19!

Sempre que há um evento ou fato relevante que capture a atenção das pessoas, outras correm para tentar comercializá-la. Fica, então, a dúvida se esses termos podem, do ponto de vista legal, serem concedidos como marcas.

No Brasil, a Lei da Propriedade Industrial (9.279/96) determina que certos sinais não são registráveis como marca, incluindo, no seu rol proibitivo, expressões contrárias à moral e aos bons costumes; expressões de caráter genérico, necessário, comum ou vulgar; ou termos técnicos usados na indústria ou na ciência. O desfecho do caso, no entanto, é incerto, vez que a interpretação destes dispositivos envolve outros aspectos como o segmento de mercado do requerente e o risco ao consumidor.

Uma decisão sobre o registro ou não da marca "CoronaVírus" deve ser divulgado pelo INPI dentro de 6 a 8 meses. Até lá, torcemos esperançosos para encontrar o mundo em situação melhor, com marcas mais criativas e capazes de reconfortar as pessoas e incentivar o reaquecimento da economia.

(*)processo no INPI 919314376 

_____________

*Robert Daniel-Shores é sócio do escritório Daniel Advogados.

*Roberta Arantes é sócia do escritório Daniel Advogados.

Atualizado em: 16/4/2020 07:17

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Marco Aurélio Mello

Migalheiro desde 2014

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005

Márcio Aguiar

Migalheiro desde 2020

Jeniffer Gomes da Silva

Migalheira desde 2020

Carlos Barbosa

Migalheiro desde 2019

Cesar de Lima e Silva

Migalheiro desde 2019

Pablo Domingues

Migalheiro desde 2017

Pedro Dalese

Migalheiro desde 2020

Douglas Lima Goulart

Migalheiro desde 2020

Justiliana Sousa

Migalheira desde 2020

Publicidade