terça-feira, 1 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Covid-19: home office como alternativa para continuidade do negócio - gestão de equipe

Gerir equipes a distância não é tarefa fácil, ainda mais em momentos de crise, demandando do gestor atenção redobrada, vez que a manutenção de resultados não pode ser prejudicada pela adoção de regime de trabalho à distância.

quarta-feira, 29 de abril de 2020

t

Diante da pandemia gerada pelo novo coronavírus, vê-se a corrida das empresas para aderirem ao sistema de trabalho em casa, visando a garantir a continuidade das atividades e a preservação da saúde de seus empregados com o isolamento social, tendo como efeito secundário a gestão do trabalho a distância.

O mundo foi surpreendido com a proliferação do vírus da covid-19 (coronavírus) que atacou de morte as nações, paralisando economias e cadeias produtivas, derrubando sistemas de saúde. O home office tornou-se ferramenta utilizada por empresas e governos para atenuar os impactos desta pandemia e se manter em funcionamento.   

Home office não é novidade nas relações de trabalho. A lei 13.467/17, ao inserir o art. 75 B na CLT, define esta modalidade de prestação de serviços1. Certo é que o processo de migração do trabalho interno para o home office não é feito da noite para o dia, pois depende do atingimento pelos participantes de maturidade corporativa, tanto no manejo das tecnologias usadas para viabilidade da execução do trabalho à distância, quanto no conhecimento amplo dos processos e fluxos de trabalho. Estima-se que estas habilidades sejam atingidas com segurança em pelo menos seis meses do início da transição. Contudo, esta não tem sido a realidade do momento, onde equipes foram postas em casa repentinamente, sem a devida preparação prévia, desafiando gestores a driblarem dificuldades e buscarem soluções que tragam resultados.   

A MP 927/2020 editada pelo Governo Federal flexibilizou a adoção do sistema de home office temporário, facultando às empresas exigirem de seus empregados o labor em casa, sem prejuízo dos contratos de trabalho existentes. Aqui não se trata de alteração nos contratos para modificar de regime presencial para home office, como prevê o art. 75- C da CLT2. Trata-se de medida emergencial, vinculada à garantia da saúde dos empregados, bastando para a sua implementação a mera determinação do empregador, a qual recomenda-se seja realizada via regulamento interno, ainda que em caráter emergencial.

Dito isto, destaca-se que o ponto de partida para a gestão e o direcionamento das equipes em home office é conscientizar quanto a necessidade de administrar de forma eficiente o tempo. Para tanto, os gestores devem delegar tarefas e treinar as equipes para dividir as competências das atividades desenvolvidas em: a) importantes (possuem prazo para cumprir e geram resultado positivo); b) urgentes (demandas emergenciais ou as não cumpridas quando eram importantes e estão foram do prazo) e c) circunstanciais (as importantes para os outros, mas não agregam valor ao trabalho). Deve-se, ainda, deliberar sobre aquelas atividades que nos roubam tempo e produtividade, não agregando valor ao trabalho, para descartá-las.

Outra preocupação é ter garantia que as operações possam ser executadas através do trabalho remoto, sem pôr em risco a execução das atividades e garantir que as informações dos clientes sejam resguardadas. Para tanto, recomenda-se o uso seguro e consciente das ferramentas digitais, permitindo ao empregado acesso remoto a todas as informações, para a continuidade do trabalho em home office.   

Nesse momento de crise, é possível vislumbrar alguns ganhos com a adoção do home office. De um lado poderá ele permitir às empresas uma redução de custos com o afastamento físico dos empregados do ambiente de trabalho, economizando energia elétrica, telecomunicação, conservação, insumos etc., mostrando a possibilidade de se repensar, inclusive, o modo e a forma de trabalho até então adotados. O conceito de diminuição de custos segue paralelo com a possibilidade de ampliar a produtividade, contando com empregados que ganham em qualidade de vida, neutralizando o tempo de deslocamento, implementando práticas de vida saudável (alimentação, atividades físicas, mentais, culturais e recreativas) e mesmo no âmbito pessoal no convívio familiar.   

O trabalho em home office deve ser desenvolvido de forma coletiva e, para funcionar, as regras corporativas devem ser rigorosamente cumpridas e preservadas pelas equipes. Planejar a condução do trabalho é fundamental para o sucesso da operação e para isto, deve-se ater aos fluxos novos e aos já existentes, criar canal de comunicação claro e de fácil acesso a todos, mecanismos para medir o progresso do trabalho e das metas, promoção de interação contínua com o grupo através de reuniões/ videoconferências com temas e agendas definidas e, ter um líder com competência para tornar a equipe madura, capaz, produtiva e autorresponsável.   

Não há dúvidas de que a inobservância das regras e procedimentos da empresa pelo empregado em home office pode gerar sanções trabalhistas como: advertência, suspensão, desligamento sem ou com justo motivo. Frise-se que as regras quanto a necessidade de cumprimento de horário (se houver), uso correto do equipamento de trabalho, ausências, postura, dress code e outras devem ser claras, objetivas e amplamente divulgadas para não gerarem efeito surpresa,  primando, sempre pelo bom senso. 

Concluída a tarefa e/ou finalizada a jornada laboral, cabe ao empregador respeitar a individualidade do empregado e o tempo de descanso a gerar a desconexão, sabendo elogiar o trabalho desenvolvido sempre que o objetivo for alcançado e ao inverso disso, apontar e corrigir as imperfeições, direcionando e orientando o empregado para atingir o resultado esperado.   

Enfim, gerir equipes a distância não é tarefa fácil, ainda mais em momentos de crise, demandando do gestor atenção redobrada, vez que a manutenção de resultados não pode ser prejudicada pela adoção de regime de trabalho à distância. Assim, há de se ter disciplina e organização do trabalho, realizar reuniões habituais, eleger meio digital para se comunicar e monitorar as atividades das equipes, manter boa comunicação com o time, resguardando a privacidade dos membros da equipe. Tudo isso são mecanismos que permitem a manutenção da atividade fora das dependências das empresas e a continuidade da prestação dos serviços com eficiência e qualidade. 

_________

1 Art. 75-B.  Considera-se teletrabalho a prestação de serviços preponderantemente fora das dependências do empregador, com a utilização de tecnologias de informação e de comunicação que, por sua natureza, não se constituam como trabalho externo.

2 Art. 75-C. A prestação de serviços na modalidade de teletrabalho deverá constar expressamente do contrato individual de trabalho, que especificará as atividades que serão realizadas pelo empregado. § 1o Poderá ser realizada a alteração entre regime presencial e de teletrabalho desde que haja mútuo acordo entre as partes, registrado em aditivo contratual. § 2o Poderá ser realizada a alteração do regime de teletrabalho para o presencial por determinação do empregador, garantido prazo de transição mínimo de quinze dias, com correspondente registro em aditivo contratual. 

_________

*Luciano Mariano é advogado do escritório Chalfin, Goldberg & Vainboim Advogados.

Atualizado em: 29/4/2020 09:58

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Flávia Pereira Ribeiro

Migalheira desde 2019

Gilberto Bercovici

Migalheiro desde 2007

Pablo Domingues

Migalheiro desde 2017

Ricardo Penteado

Migalheiro desde 2008

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005

Luís Roberto Barroso

Migalheiro desde 2003

Cesar de Lima e Silva

Migalheiro desde 2019

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019

Renato de Mello Almada

Migalheiro desde 2008

Luciane Bombach

Migalheira desde 2019

Henrique de Melo Pomini

Migalheiro desde 2020

Diogo L. Machado de Melo

Migalheiro desde 2008

Diego Mancini Aurani

Migalheiro desde 2020

Publicidade