sexta-feira, 4 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A importância da tecnologia na Justiça do Trabalho em meio a pandemia da covid-19

A normativa recomenda a adoção de diretrizes excepcionais para o emprego de instrumentos de mediação e conciliação de conflitos individuais e coletivos em fase processual e fase pré-processual por meios eletrônicos e videoconferência no contexto da vigência da pandemia.

terça-feira, 5 de maio de 2020

t

No dia 25 de março de 2020, a Justiça do Trabalho deu um grande passo no enfrentamento da crise ocasionada pelo novo coronavírus (covid-19), estabelecendo medidas de continuidade do trabalho judicial por meio digital, através da publicação, pelo Conselho Superior da Justiça do Trabalho, da recomendação CSJT.GVP 1.

A normativa recomenda a adoção de diretrizes excepcionais para o emprego de instrumentos de mediação e conciliação de conflitos individuais e coletivos em fase processual e fase pré-processual por meios eletrônicos e videoconferência no contexto da vigência da pandemia.

A norma vem para flexibilizar o acesso à Justiça em um momento de tantas dificuldades, recomendando aos magistrados do Trabalho -, principalmente os Juízes e Desembargadores em exercício nos Núcleos Permanentes de Métodos Consensuais de Solução de Disputas (NUPEMEC-JT), nos Centros Judiciários de Métodos Consensuais de Solução de Disputas (CEJUSC-JT) de 1ª e 2ª graus, bem como nos órgãos que atuam em regime de plantão judiciário -, conforme o caso e no âmbito de suas atribuições, respeitados o livre convencimento e a independência funcional, que sejam adotadas algumas medidas temporárias visando o andamento dos trabalhos judiciais.

Dentre tais medidas, os magistrados deverão envidar esforços no sentido de promover, com a participação dos interessados, por aplicativos de mensagens eletrônicas ou videoconferência, a mediação e a conciliação de conflitos que envolvam a preservação da saúde e segurança do trabalho em serviços públicos e atividades essenciais previstas no decreto 10.282/20, privilegiando soluções que não inviabilizem a sua continuidade e sempre atentando para cada realidade concreta e localizada de sua jurisdição no segmento profissional e econômico respectivo.

Para tanto, os juízes e desembargadores poderão atuar, sempre que possível, com o apoio direto das entidades sindicais das categorias profissionais e econômicas envolvidas, dos advogados e dos membros do Ministério Público do Trabalho (MPT), sobretudo com o encaminhamento de soluções consensuais para os conflitos individuais e coletivos.

Também, há recomendação para que os coordenadores dos NUPEMEC e dos CEJUSC se disponibilizem como mediadores e conciliadores em conflitos individuais ou coletivos, no âmbito pré-processual, que digam respeito a interesses do exercício de atividades laborativas e funcionamento das atividades empresariais no contexto da pandemia. Ainda, esses mesmos servidores, em conjunto com a presidência dos TRTs, devem adaptar a estrutura dos respectivos órgãos, de seus procedimentos e de seus canais de acesso, inclusive com a divulgação ostensiva de e-mails e/ou telefones de contato para o acionamento das partes, visando viabilizar as práticas de mediação e conciliação por meios eletrônicos, como videoconferência, tendo em vista as quarentenas decretadas e o isolamento social praticado atualmente.

Enquanto não for implantada uma ferramenta nacional unificada com todas essas funcionalidades, a recomendação sugere seja dada preferência à utilização de aplicativos e/ou programas de mensagens e videoconferência de acesso público e gratuito e dotados de funcionalidades de gravação de áudio e vídeo, como por exemplo os aplicativos WhatsApp, Zoom, Skype, Teams, dentre outros.

É importante esclarecer que, caso a parte opte pela adoção da mediação pré-processual, e utilize das práticas recomendadas pela recomendação CSTJ.GVP 1, esta não será prejudicada em caso de sentir-se lesada no futuro, pois referida recomendação deve ser utilizada em complementação aos instrumentos processuais disponíveis dos procedimentos de mediação previstos nos art. 3º, § 3º, do Código de Processo Civil e no art. 611-A da Consolidação das Leis Trabalhistas, considerando, no que couber, o ato 168/TST.GP/16, que institui a mediação e conciliação pré-processual de conflitos coletivos da vice-presidência do TST (ato GVP 01/16).

As recomendações, e medidas delas decorrentes, são muito bem vindas e certamente permitirão a continuidade regular, em meio à grave crise sanitária, das mediações de conflitos no âmbito pré-processual e no curso dos processos individuais e coletivos em trâmite na Justiça do Trabalho.

A recomendação CSTJ.GVP 1 terá vigência até 30 de maio de 2020, podendo ser prorrogada.

_________

t*Luis Fernando Cintra de Araújo é advogado do escritório Cerdeira Rocha Vendite e Barbosa Advogados.

Atualizado em: 5/5/2020 10:20

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Cleanto Farina Weidlich

Migalheiro desde 2007

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015

Allan de Oliveira Kuwer

Migalheiro desde 2020

Renato da Fonseca Janon

Migalheiro desde 2017

Márcio Aguiar

Migalheiro desde 2020

Henrique de Melo Pomini

Migalheiro desde 2020

Jocineia Zanardini

Migalheira desde 2020

Lilia Frankenthal

Migalheira desde 2020

Selma Ferreira Lemes

Migalheira desde 2005

Diogo L. Machado de Melo

Migalheiro desde 2008

Paulo Henrique Cremoneze

Migalheiro desde 2019

Levi Rezende Lopes

Migalheiro desde 2020

Publicidade