quarta-feira, 2 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

O cenário atual e as reformas promovidas: Uma análise da lei 13.954/19 voltada aos militares das forças armadas e da EC 103/19 - Parte II

Alessandra Wanderley

Nesse diapasão, observamos várias reformas, todas buscando mais equilíbrio atuarial, com regras mais rígidas, aproximando os regimes e reduzindo a distância entre as diferenças existentes - de idade, tempo de contribuição, valores, entre outras.

quarta-feira, 20 de maio de 2020

t

1. Mudanças sociais, reformas promovidas e impactos da emenda constitucional 103/19 no SRGPS e RPPS

Presenciamos um intenso processo de mudanças sociais que refletem economicamente no país. Essa nova conjuntura acaba por impulsionar o sistema de previdência a passar por transformações, com o objetivo de manter seus benefícios e integridade do seu pilar voltado à população mais carente.

Nesse diapasão, observamos várias reformas, todas buscando mais equilíbrio atuarial, com regras mais rígidas, aproximando os regimes e reduzindo a distância entre as diferenças existentes - de idade, tempo de contribuição, valores, entre outras.

Assim, mudanças foram feitas e através da reforma do regime geral e próprio, bem como, da reforma dos militares das Forças Armadas, todas aprovadas no final de 2019, presenciamos outra realidade, repleta de novas regras que passam a valer esse ano.

Dentre os desafios a serem enfrentados pela previdência social, temos a baixa da taxa de natalidade, que no quinquênio 2010-2015 apresentou uma queda de 2,5 filhos para 1,5 filhos1, significando que as próximas gerações ao se aposentarem não terão o subsídio suficiente das gerações economicamente ativas. Fora isso, temos o aumento da expectativa de vida, que da análise da década de 1940 até 20162 apresentou um crescimento de 30 anos, e nesse contexto, o grande desafio volta-se para as mulheres, uma vez que a população feminina apesar de contribuir por menos tempo, vive em média até 79,4 anos, enquanto o homem 72,2 anos3 e assim aquelas dependem por mais tempo da previdência.

Com o aumento da expectativa de vida, temos ainda o crescimento da população idosa, sendo percebido de forma significativa de 2012 - 2017, com sua maior concentração nos estados do Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. Essa realidade reflete no percentual de crescimento de 18% e ultrapassou 30 milhões em 20174. Isso significa que a população de uma forma geral dependerá por mais tempo do sistema, sendo outro motivo de preocupação econômica.

A atenção voltada ao idoso inclusive faz parte do Plano de Ação Internacional para o Envelhecimento criado em 2002 na II Assembleia Mundial sobre o Envelhecimento, celebrada em Madri como meio de responder aos desafios ocasionados pelo envelhecimento da população no século XXI e com objetivo de promover desenvolvimento para população de toda idade. Nesse sentido o item 43 do Plano de Ação traz a solidariedade intergeracional, prevendo ajustes na previdência social de modo a garantir de maneira eficaz a prestação de rendas e benefícios5

Contudo, o Brasil é um dos países da América Latina que mais gasta com previdência6, tendo o Relatório OCDE apontado que a implementação de reformas nas áreas previdenciária, trabalhista e tributária seria a solução para o aumento do PIB e consequente crescimento econômico nos próximos quinze anos7.

No que tange às reformas previdenciárias, ainda segundo estudo da OCDE o aumento de idade para recebimento de aposentadorias será sentido em metade dos países e no que se refere às medidas de reforma no mundo, essas representam 528 anunciadas pelos governos entre os anos 2010-20188.

Das medidas propostas pelos países, têm-se o congelamento da indexação da aposentadoria; o aumento do limite máximo de contribuição; a revogação de aposentadorias, a eliminação ou diminuição dos subsídios aos benefícios; o encerramento parcial ou total de um programa; a redução ou eliminação da taxa de juros subsidiada sobre a poupança; a redução dos subsídios às contribuições, entre outros que somados totalizam 232 medidas de contração9.

Com isso, percebe-se que as reformas da previdência representam um movimento mundial, em que países buscam equilibrar suas contas e a manutenção dos benefícios, através de alterações relacionadas ao tempo de contribuição, valores e cortes.     

Entre as mudanças promovidas, trinta países realizaram mudanças de cunho estrutural entre 1981-2014, tendo dezoito países realizado ajustes ou reversão de tais reformas em 2018.10 Um exemplo de reforma estrutural é o Chile que capitalizou seu sistema no início da década de 80.11 A proposta do Chile era aquecer a economia e o mercado de trabalho, contudo, o que se viu foi a estagnação da cobertura de benefícios com uma população idosa privada de direitos mínimos, além de ter contribuído com o aumento da desigualdade de gênero12, provando que mudanças desse cunho devem ser bem analisadas antes de sua implementação.

  • Para ler a íntegra do artigo clique aqui

_________

1 Revista Instituto Humanitas Unisinos, A contribuição do Decrescimento Populacional para o Meio Ambiente no Século XXI, 2018. Disponível clicando aqui. Acessado em 22 de Agosto de 2019

2 IBGE, Expectativa de Vida do Brasileiro sobe para 75,8 anos, 2018. Disponível clicando aqui. Acessado em: 23 de Agosto de 2019.

3 IBGE, Tábuas Completas de Mortalidade, 2018. Disponível clicando aqui. Acesso em 23 de Agosto de 2019;

4 IBGE. Número de idosos cresce 18% em 5 anos e ultrapassa 30 milhões em 2017, 2018. Disponível clicando aqui. Acessado em: 04/01/2020.

5 "42. A solidariedade entre as gerações em todos os níveis - famílias, comunidades e nações - é fundamental para a conquista de uma sociedade para todas as idades. A solidariedade constitui também um requisito prévio e primordial de coesão social e é o fundamento tanto da beneficência pública formal como dos sistemas assistenciais informais. As constantes mudanças demográficas, sociais e econômicas requerem o ajuste dos sistemas de previdência social, de saúde e de assistência a longo prazo, a fim de sustentar o crescimento econômico e o desenvolvimento e garantir a manutenção adequada e eficaz das rendas e da prestação de serviços" Plano de Ação Internacional para o Envelhecimento, Brasília, 2013. Disponível clicando aqui. Acessado em 24 de Julho de 2019.

6 REUTERS, Brasil é o país que mais gasta com previdência na América Latina, 2019. Disponível clicando aqui. Acessado em: 12/09/2019;

7 "A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) divulgou no final de fevereiro, o Relatório Econômico OCDE Brasil, no qual aponta para diversas reformas econômicas que aumentariam o PIB brasileiro em 20% nos próximos 15 anos, ou seja, um crescimento de 1,4% a mais por ano. Entre as mudanças divulgadas, destacam-se as reformas da Previdência, Trabalhista e Tributária." INSPER. Relatório da ODCE defende reformas econômicas para o desenvolvimento do Brasil, 2018. Disponível clicando aqui. Acessado em 20/01/2020.

8 PINHEIRO, Vinícius Carvalho. OIT, Experiência Internacional de Reformas da Previdência e os Princípios da OIT, p. 07. Disponível clicando aqui. Acessado em: 03/02/2020

9 Ibidem, p. 11.

10 Ibidem, 12.

11 MESA, Alberto Arenas de. Historia de la Reforma Previsional Chilena: Una Experiência Exitosa de Política Pública en Democracia. Santiago, Oficina Internacional Del Trabajo, 2010, p. 20/21. Disponível clicando aqui. Acessado em: 20/09/2019.

12 ORTIZ, Isabel. DURAN-VALVERDE, Fábio. URBAN, Stefan.Reversing Pension Priv. Rebuildin Public Pension Systems in Eastern Europe and Latin America.InternationalLabour - OIT, 2018. Clique aqui

_________

*Alessandra Wanderley é coordenadora e professora da especialização em Direito Militar do CEPED UERJ. Pós-graduada em Advocacia Pública na Universidade Do Estado do Rio de Janeiro - UERJ.

 

Atualizado em: 20/5/2020 10:42

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Scilio Faver

Migalheiro desde 2020

Henrique de Melo Pomini

Migalheiro desde 2020

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019

Celso Wanzo

Migalheiro desde 2019

Gustavo Abdalla

Migalheiro desde 2019

Carla Louzada Marques

Migalheira desde 2020

Cleanto Farina Weidlich

Migalheiro desde 2007

Sérgio Roxo da Fonseca

Migalheiro desde 2004

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005

Publicidade