sábado, 28 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Sujeitos de direitos: adolescentes no sistema socioeducativo

Mayara Silva de Souza

Reconhecer adolescentes como sujeitos de direitos é não deixar que sejam responsabilizados de maneira exclusiva por suas ações como se não tivéssemos nenhum dever a ser cumprido, logo, como se não fossemos co-responsáveis enquanto sociedade.

sexta-feira, 31 de julho de 2020

t

Em uma sociedade em que classes, gêneros e cores provocam profundas desigualdades1, proteger infâncias e adolescências dever ser a ponte que atravessa o abismo social. Assegurar direitos fundamentais de crianças e adolescentes2, com absoluta prioridade, não se trata apenas de uma determinação legal, mas sim de uma obrigação moral, constitucional e solidária. Este é o projeto político e social proclamado pelo artigo 227 da CF, de 1988, e pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), em 1990. E é este mesmo projeto que devemos reafirmar em 2020.

Isso significa defender que todas as pessoas, incluindo aquelas com menos de dezoito anos, são sujeitas de direito. Este é o primeiro passo para que meninas e meninos sejam de fato sujeitos de direito. Frente esse debate é necessário que haja maior informação e sensibilização sobre a situação da população adolescente do país, em especial àqueles a quem é atribuída a prática de atos infracionais3.

De acordo com a norma, as medidas socioeducativas4 são aplicadas às pessoas entre 12 e 18 anos5. Os dados apontam que em 2017, foram atendidos 143.3166 adolescentes em todo o país. As estatísticas destacam que, entre a população em privação e restrição de liberdade em 2017, 56% dos adolescentes e jovens, foram considerados pardos/negros; em 2014 eram 61% e, em 2016, eram 59%7.

É fundamental o reconhecimento que além de normas, dados e estatísticas são indispensáveis os aspectos social e histórico para que haja maior conhecimento e sensibilização sobre os direitos de adolescentes em atendimento socioeducativo8, direitos estes devem ser assegurados com absoluta prioridade e de maneira coletiva. Os dados e estatísticas do Sistema Socioeducativo estão relacionados de maneira direta com estes aspectos, uma vez que a sociedade brasileira tem sido construída ao longo de quinhentos anos na exclusão, submissão, apagamento e silenciamento da população negra, especialmente de crianças, adolescentes e jovens.

Apesar disso, precisamos juntos questionar na arena pública quais oportunidades são ofertadas para a população adolescente em atendimento socioeducativo. Mais ainda, reconhecer que sendo esta população majoritariamente negra, estamos falando de famílias e comunidades negras também restritas e privadas de direitos e de sonhos.

É preciso promover avanços, reconhecer que não é coincidência o fato de adolescentes negros serem a maioria no cumprimento de medidas restritivas e privativas o de liberdade e nomear as violências sofridas pela população negra desde a mais tenra idade, que se agrava ao passar dos anos. Assim, enquanto alguns ignoram ou pensam ser um debate distante das suas realidades, organizações e movimentos negros denunciam o racismo estrutural e o genocídio da população negra, que mata cada vez mais crianças e adolescentes.

Reconhecer adolescentes como sujeitos de direitos é não deixar que sejam responsabilizados de maneira exclusiva por suas ações como se não tivéssemos nenhum dever a ser cumprido, logo, como se não fossemos co-responsáveis enquanto sociedade.

Por mais importante que sejam, as normas, dados e estatísticas sozinhas não  asseguram direitos, portanto, precisamos fazer cumprir nosso dever coletivo de proteger e vigiar a situação de meninas e meninos em atendimento socioeducativo para que no próximo aniversário do ECA possamos, com mais conhecimento e sensibilidade, defender, proteger e assegurar direitos adolescentes no Sistema Socioeducativo com prioridade absoluta.

____________

1  Pesquisa Nós e as desigualdades 2019. Disponível em: Clique Aqui. Acesso em: 1/7/20.

2 Conforme artigo 2º, do ECA, considera-se criança a pessoa com até doze anos de idade incompletos, e adolescente aquela entre doze e dezoito anos de idade.

3 O artigo Art. 103, do ECA, considera ato infracional a conduta descrita como crime ou contravenção penal.

4 Conforme o artigo verificada a prática de ato infracional, a autoridade competente poderá aplicar ao adolescente as seguintes medidas: advertência; obrigação de reparar o dano; prestação de serviços à comunidade; liberdade assistida; inserção em regime de semiliberdade; e internação em estabelecimento educacional.

5  De acordo com o artigo 105, do ECA, sendo o ato infracional praticado por criança, serão aplicadas as medidas protetivas e não socioeducativas, que serão aplicadas exclusivamente para adolescentes.

6 O Levantamento Anual do Sinase de 2017 informa 26.109 adolescentes em meio fechado, cumprindo medidas restritivas e privativas de liberdade, e 117.207 adolescentes em meio aberto. Disponível em: Clique aqui.. Acesso em: 1.7.2020.

7 O Levantamento Anual do Sinase de 2017.

8 O Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase), regulamenta a execução das medidas socioeducativas destinadas a adolescente que pratique ato infracional.

___________

*Mayara Silva de Souza é advogada do programa Prioridade Absoluta, iniciativa do Instituto Alana.

t

Atualizado em: 31/7/2020 12:01

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

René Ariel Dotti

Migalheiro desde 2006

Marcelo Branco Gomez

Migalheiro desde 2020

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003

Jeniffer Gomes da Silva

Migalheira desde 2020

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014

Ronaldo de Jesus

Migalheiro desde 2019

Gustavo Abdalla

Migalheiro desde 2019

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

Vanessa Mollo

Migalheira desde 2019

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005

Valmir Pontes Filho

Migalheiro desde 2004

Publicidade